Hmmmm, rosquinhas … – donuts assados com açúcar e canela

donuts

Eu tenho um sonho na vida que é o seguinte: ganhar na Mega Sena e entrar numa daquelas lojas de material para confeitaria enormes dos Estados Unidos. Não adianta comprar pela internet, eu queria ir lá, na loja física, pegar um carrinho e brincar de programa Supermarket.

Infelizmente esse dia ainda não chegou, então a gente vai comprando uma coisinha aqui, outra ali, tipo colecionando figurinhas da copa. Só que são formas e utensílios. E não dá pra colar num álbum, você tem que ocupar todos os espaços disponíveis da sua casa pra essa coleção. E não vou entrar num debate inútil sobre a utilidade e frequencia de uso desses objetos. Me deixem.

Na minha última viagem acabou vindo parar na minha mala uma linda forma para donuts assados – eu bem que tentei não comprar, mas quando você começa a refletir se realmente precisa daquilo acaba chegando à conclusão de que não precisa de coisa nenhuma e pronto, acaba a graça da vida. E ir aos Estados Unidos é um eterno olhar para todas as coisas e pensar COMO EU PUDE VIVER SEM ISSO ATÉ HOJE. Faz parte da imersão na cultura local. Me deixem again.

O caso é que a forma tava aí, quase um ano depois do retorno, ainda virjona. Sempre reluto um pouco de colocar aqui no blog receitas que precisam de utensílios difíceis de encontrar, mas né, eu precisava justificar essa compra, e vocês que são meus amigos vão ter que compreender e não me xingar nos comentários.

Tenho duas soluções para vocês no caso de alguém querer muito fazer essa receita e não ter a forma especial: a primeira é usar mini forminhas de pudim com buraco no meio. Já fiz isso para uma festa com tema Simpsons uma vez, com uns pães de mel em forma de rosquinhas. A outra é mandar o formato às favas e assar em forminhas de mini cupcake, o que eu fiz aproveitando uma parte da massa desses aqui. Fica tipo um bolinho de chuva, o que também não é má idéia.

Donuts assados com açúcar e canela – 12 unidades (adaptado daqui)

  • 1/4 de xícara (57g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente
  • 1/4 de xícara de óleo vegetal (canola ou girassol)
  • 1/2 xícara (100g) de açúcar refinado
  • 1/3 xícara (70g) de açúcar mascavo
  • 2 ovos grandes
  • 1 1/2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1/4 colher de chá de bicarbonato
  • 1/2 colher de chá de noz moscada ralada na hora
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 1 colher de chá de extrato de baunilha
  • 2 2/3 xicaras (320g) de farinha d etrigo
  • 1 xícara (250ml) de leite

 

Unte com manteiga derretida duas formas especiais para donuts ou uma forma para mini cupcakes de 24 cavidades. Preaqueça o forno a 210 graus.

Numa tigela, misture a farinha, fermento, bicarbonato, noz moscada e sal. Reserve.

Na batedeira: bata a manteiga, o óleo e os dois tipos de açúcar. Junte os ovos e bata até ficar homogêneo. Acrescente a mistura de farinha alternando com o leite e misture até ficar uma massa lisa.

Com a ajuda de uma colher ou de um saco de confeitar, encha as cavidades das formas até completar 3/4 da capacidade. Leve ao forno por aproximadamente 10 minutos (no meu forno deu 10 minutos certinho), até passar no teste do palito.

Espere uns 5 minutos para desenformar e passe ainda mordos por uma mistura de açúcar e canela. Termine de esfriar sobre uma grade.

São melhores se consumidos nas primeiras horas depois de feitos (ficam com um crocantinho que parece fritura), mas duram até 3 dias guardaos em recipiente com tampa, fora da geladeira.

baked doughnuts

Receitas de Família – bolo preguiçoso de laranja

bolo de laranja

Aqui em casa tenho uma boa quantidade de livros de receita – não tantos quanto alguns amigos blogueiros (alô Pat, alô VH!), mas com certeza mais que pessoas normais que não trabalham com cozinha.

Às vezes eu olho pra estante e penso que talvez se fizesse uma receita por dia pro resto da minha vida talvez eu conseguisse experimentar tudo que tem ali. Pra compensar o dinheiro que gastei com eles, né? Quem sabe um dia não me inspiro e mando um Julie e Julia nos livro tudo.

O problema é a preguiça.

Quando a preguiça domina nada mais me resta senão voltar para as origens e abraçar forte o conforto das receitinhas do caderno da mamãe. Quase tudo ali é fácil e rápido, sob medida para a mãe de 3 que trabalhava fora, e uma ou outra receita mais elaborada/chic/anos 80 (e pavês, muitos pavês).

Esse bolo de laranja estava meio escondido num canto de página. Sob o nome Bolo de Laranja Jô só uma lista de ingredientes e um modo de fazer meio mal explicado (dizia apenas bater tudo no liquidificador e assar), mas eu me lembrava dele muito bem, assado em tabuleiro retangular e cortado em losangos. A Jô eu não me lembro quem era, mas agradeço pela receita.

Me lembro que a laranja era batida no liquidificador com casca e tudo, e o bolo às vezes ficava com um leve amargor. Como não curto muito o sabor amargo em doces dei uma adaptada na receita – ele ficou bem fofinho, com um sabor suave de laranja, aquele bolo que abraça a gente pelo estômago.

Bolo Preguiçoso de Laranja

  • 3 ovos extra
  • 1 xícara de óleo de milho ou girassol
  • raspas da casca de uma laranja
  • 2 laranjas sem casca e sem sementes, cortada em pedaços
  • 300g (1 e 1/2 xícara) de açúcar refinado
  • 325g (2 e 1/2 xícara) de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Calda:

  • 200g (1 xícara)  de açúcar de confeiteiro
  • 2 colheres de sopa de suco de laranja
  • raspas de laranja (opcional)

Unte e polvilhe com farinha de trigo uma forma de buraco no meio (25cm de diâmetro) ou retangular de 20X30cm. Aqueça o forno a 180 graus.

Numa tigela grande misture a farinha de trigo e o fermento. Reserve.

Bata no liquidificador os ovos, óleo, raspas, laranjas e o açúcar até virar um creme liso. Passe essa mistura para a tigela com a farinha de trigo e misture muito bem com um fouet ou espátula, até ficar homogêneo. Passe para a forma preparada e asse por mais ou menos 40 minutos, ou até passar no teste do palito (na forma de furo no meio demora mais).

Desenforme morno.

Prepare a calda misturando todos os ingredientes numa tigela média e coloque sobre o bolo ainda morno. Se ficar muito grossa coloque mais suco, se ficar muito liquida coloque mais açúcar.

Sirva frio (minha vó falava que bolo quente dá dor de barriga).

bolo preguiçoso de laranja

Pipoca doce caramelada (sem pipoqueira)

IMG_3989

 

Outro dia fui comprar um saquinho de pipoca na porta da escola da filha e, já com o saquinho na mão, perguntei quanto era, caçando as moedinhas dentro da bolsa. A resposta: CINCO REAIS SINHÓRA.

Oi? Cinco reais por um saquinho de pipoca murcha? Os pipoqueiros agora passam cartão de crédito? A pipoca é “gourmet”?

Ontem mesmo fui almoçar com uma amiga numa ~boulangerie~ chic na Vila Madalena. Pedi um crepe com salada de rúcula, nada baratinho. Quando o prato chegou, SURPRESA! O crepe meio borrachento e a salada de rúcula era uma mini cumbuquinha com cerca de 8 folhas pequenas e umas raspinhas de queijo. Cerca não, eram 8 mesmo, porque eu contei.

Olha gente, não sei se eu tô ficando velha, se é a copa do mundo ou se é o fim dos tempos mas se vão me enfiar a faca pra comer alguma coisa (nada contra) tem que ser uma delícia maravilhosa acompanhada de uma salada com uma quantidade de folhas que eu não consiga contar a olho nu.

Por isso que eu tô preferindo fazer as coisas em casa mesmo que ganho mais. E pra você também nunca mais depender do pipoqueiro ladrão, vai aí minha receita de pipoca doce – se quiser botar aquele corantinho vermelho pra ficar mais realista vai fundo.

Pipoca Doce Caramelada (sem pipoqueira)

Essa pipoca não tem muita receita, e eu faço meio de olho mesmo igual minha mãe me ensinou. Pra facilitar medi tudo da última vez que fiz pra poder publicar aqui. Se quiser pode colocar uma colherona cheia de achocolatado junto com o açúcar para ficar com o sabor trash da infância.

  • 4 colheres de sopa de óleo
  • 1 xícara de café de milho de pipoca
  • 1/2 xícara de açúcar (pode ser refinado, cristal ou demerara)
  • 1 pitada gorda de sal

Numa panela antiaderente bem grandona coloque o óleo e o milho. Tampe e estoure a pipoca normalmente em fogo médio.

Quando a pipoca tiver estourado completamente coloque o açúcar e o sal – se a panela estiver muito cheia tire um pouco da pipoca antes. Quando o açúcar começar a derreter abaixe o fogo e misture com uma colher de pau para envolver as pipocas no caramelo.  Essa parte é rápida e não pode bobear, se o caramelo ficar muito escuro a pipoca fica amarga – preste atenção, porque o açúcar continua cozinhando um tempo depois que a gente desliga o fogo.

Coloque a pipoca numa assadeira grande ou numa tigela resistente ao calor e termine de espalhar o caramelo com uma espátula ou colher de pau – CUIDADO PARA NÃO SE QUEIMAR, caramelo é um perigo.

Deixe esfriar, sirva e dê uma banana pro pipoqueiro.IMG_3975

 

Cinnamon Rolls

cinnamon roll

Outro dia eu estava aqui pensando se as outras pessoas “normais” também fazem isso – eu e as minhas amigas conversamos sobre um monte de coisas, mas conversamos muito, mas muito mesmo, sobre comida. Especialmente minha querida amiga Maria Pia, que alegra meus dias trocando fotos de quitutes e receitas futuras comigo, como quem troca figurinhas da Copa.

É um tal de “olha essa receita”, “já comeu isso?”, “conhece esse restaurante?” e uma tarde dessas ela me conta que está fazendo cinnamon rolls.

E o diálogo não é só “Oi miga, tô fazendo cinnamon roll.” Nesses tempos de mensagens instantâneas a coisa fica muito mais cruel, porque vem a foto da receita, imagens da massa crescendo, a descrição do cheirinho da canela pela casa e como agora a miga tá comendo eles quentinhos e eles são docinhos e macios e é impossível comer um só. E também como eles eram tão deliciosos que já acabaram e não deu pra guardar um pra mim.

Não deu. Tive que ir pra cozinha fazer  – e aproveitei pra dar o troco e torturar minha amiga com fotos e descrições. A vingança é um prato que se serve morninho com cheiro de canela (brinks ameega, tinhamo!).

cinnamon rolls

Cinnamon Rolls (rendimento 12 a 15 unidades)

A receita foi ligeiramente adaptada da rainha americana das gordices, Paula Deen, e é super fácil de fazer, principalmente se você sovar a massa na batedeira planetária com o gancho. A parte chata são só os intervalos para a massa crescer. Se joguem.

Para a massa:

  • 1 pacotinho de femento biológico seco (10g)
  • 1/2 xícara de água em temperatura ambiente
  • 50g de açúcar
  • 1/2 xícara de leite em temperatura ambiente
  • 75g de manteiga sem sal, derretida e fria
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 ovo grande ou extra
  • 460g de farinha de trigo

Para o recheio:

  • 100g (1/2 xícara) de manteiga derretida
  • 150g de açúcar
  • 2 colheres de sopa de canela em pó

Para a cobertura:

  • 55g manteiga sem sal
  • 2 xícaras de açúcar de confeiteiro
  • 1/2 colher de chá de baunilha
  • 3-6 colheres de sopa de água quente

 

Comece pela massa: numa tigelinha pequena misture o fermento e a água para dar uma dissolvida. Num bowl grande ou na tigela da batedeira, misture o açúcar, leite, manteiga derretida, sal e ovo. Junte metade da farinha de trigo, misture bem, e junte a água com o fermento. Vá adicionando o restante da farinha aos poucos, até ficar uma massa pegajosa, mas que dá para manipular.

Sove por 10 minutos, à mão ou na batedeira com o gancho para massas pesadas. A massa deverá ficar lisa e não grudar mais nas mãos. Cubra o bowl com plástico filme e deixe crescer até dobrar de volume, mais ou menos 1 a duas horas.

Abaixe a massa com as mãos para tirar o ar. Numa superfície de trabalho polvilhada com farinha de trigo, abra a massa com um rolo, formando um retângulo de mais ou menos 20X40cm. Pincele a manteiga derretida sobre a massa e polvilhe o açúcar misturado com com a canela.

Enrole como um rocambole, bem justo, começando da parte mais comprida. Dê uns beliscões para colar a emenda.

Com uma faca afiada corte em 12 a 15 pedaços e coloque numa assadeira de 20 por 30cm, untada com manteiga e polvilhada com açúcar. Deixe um espaço entre os rolinhos.

Deixe os pãezinhos crescerem por mais 45 minutos e leve para assar em forno aquecido a 180 graus, na grade do meio, por mais ou menos 30 minutos ou até dourarem.

Tire do forno e deixe esfriar um pouco enquanto faz a cobertura: num bowl médio misture a manteiga derretida e o açúcar. Vá adicionando a água quente aos poucos até ficar em ponto de fondant. Cubra os pãezinhos ainda quentes, deixe amornar e sirva.

 

IMG_3876

Dia das Mães – muffins deliciosos de framboesa

muffins de framboesa web

Quando eu era criança, a mais honrosa forma de homenagem em aniversários e datas comemorativas não era um presentão ou um jantar num restaurante caro.

A máxima declaração de amor – e parte mais gostosa do dia – era o aguardadíssimo Café na Cama. Com letra maiúscula mesmo, porque era lindo.

Vejam bem: comprar um presente ou  levar alguém num restaurante não chega ao dedo mindinho da dedicação daquele que levanta mais cedo (que às vezes pode ser MUITO cedo) , vai à padaria e prepara uma bandeja de coisas gostosas, tudo isso na ponta dos pés pra não acordar o homenageado. Eu amava quando era a minha vez de ganhar o Café na Cama, mas amava mais ainda quando me juntava aos meus irmãos para fazer o café no dia das mães.

Então procurei pra vocês uma receita fácil pra não ter desculpa – que tal ir pra cozinha escondidinho e fazer esses muffins pra sua mãe? Pode fazer um dia antes ou na própria manhã de domingo, já que eles ficam prontos rapidinho (dá pra preparar e assar em menos de uma hora). Lágrimas de emoção garantidas, meus amigos.

Muffins de framboesa – rende 12 unidades (receita adaptada do blog da Pat Scarpin)

  • 280g de farinha de trigo
  • 140g de açúcar refinado
  • 2 colheres (chá) de fermento em pó
  • ½ colher (chá) de bicarbonato de sódio
  • 1 pitada de sal
  • 85g  de manteiga sem sal derretida
  • raspas da casca de 1 limão siciliano
  • 160g de iogurte natural ou buttermilk
  • o2 ovos grandes
  • 1½ colheres (chá) de extrato de baunilha
  • 170g de framboesas, frescas ou congeladas (sem descongelar)
  • açúcar cristal ou demerara para polvilhar

Pré-aqueça o forno a 190°C. Coloque forminhas de cupcake ou unte e polvilhe com farinha de trigo uma forma para muffins de 12 buraquinhos.
Em uma tigela grande misture a farinha, o açúcar, as raspas de limão o fermento, o bicarbonato e o sal.
Numa tigela menor misture a manteiga derretida, o iogurte os ovos e a baunilha. Faça um buraco no centro dos ingredientes secos e despeje aí a mistura liquida. Misture levemente com um garfo, não precisa bater nem misturar demais, não tem problema se ficarem pelotinhas. Junte as framboesas e misture muito cuidadosamente. A massa fica firme e pagajosa, é assim mesmo.
Divida a massa entre as formas preparadas e polvilhe com o açúcar cristal ou demerara. Leve ao forno por mais ou menos 20 minutos, até dourarem levemente e passarem no teste do palito.

Retire da forma assim que conseguir encostar dos bolinhos sem se queimar e transfira para uma grade. Sirva mornos ou em temperatura ambiente.

framboesas

 

Me perdoem, eu pequei – Bolo Surpresa de Brigadeiro

bolo brigadeiro com ganacheFoi sem querer, juro. Eu estava me comportando. Mas sobrou massa de bolo de chocolate. Sobrou também recheio de brigadeiro. E eu estava com visita em casa, como não oferecer um docinho pra amiga?

Então, eu pequei – e cometi essa gordice.

E vocês vão me desculpar, não tenho uma foto melhor por motivos de: não conseguimos esperar as fotos pra comer metade do bolo numa só sentada. Foi mal. Façam.

Bolo Surpresa de Brigadeiro

Eu já tinha postado essa dica lá na nossa fanpage do Facebook e um monte de gente me pediu a receita da massa do bolo e do recheio. Então vai que é tua!

Massa

  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1 xícara de chocolate em pó (50% de cacau)
  • 1 colher de sopa de fermento
  • 1 e 1/2 xícara de açúcar refinado
  • 1 xícara de leite
  • 2/3 xícara de óleo de canola
  • 1 colher de chá de essência ou extrato de baunilha
  • 3 ovos tamanho extra

Recheio

  • 1 lata de leite condensado
  • 1/2 caixinha de creme de leite UHT (100g)
  • 3 colheres de sopa de chocolate em pó (50% de cacau)
  • 2 colheres de sopa de leite em pó integral instantâneo
  • 1 pitada de sal
  • 1 colher de sopa de manteiga

Cobertura

  • 100g de chocolate meio amargo em barra picado
  • 25g de manteiga sem sal

Prepare primeiro o recheio:

Numa panela de fundo grosso, misture todos os ingredientes. Leve ao fogo baixo, mexendo sempre com um fuet até a mistura virar um creme grosso, que faz bolhas grandes. Deixe amornar para utilizar.

Prepare a massa:

Aqueça o forno a 180 graus, com a grade posicionada no meio. Unte e polvilhe farinha de trigo numa forma de bolo inglês grande, ou duas pequenas – é importante que o bolo não fique muito baixinho.

Numa tigela grande, peneire juntos a farinha, o chocolate em pó e o fermento.

Na batedeira, misture o açúcar, o leite, o óleo, os ovos e a baunilha. Junte a mistura de farinha e bata até ficar homogêneo. Passe a massa para a forma e asse por aproximadamente 35 minutos (ou mais, dependendo do seu forno), até passar no teste do palito. Desenforme morno e coloque no prato onde vai servir.

Deixe esfriar completamente. Com a ajuda de uma faca de serra, corte um retângulo no centro do bolo e retire essa “tampa” cuidadosamente, para não quebrar. Retire o miolo do bolo e despreze (ou faça como eu e coma tudo). Complete a parte oca com o brigadeiro preparado anteriormente, sem encher até em cima. Posicione a “tampa” sobre o recheio e prepare a cobertura.

Cobertura:

Coloque o chocolate em barra e a manteiga numa tigela de vidro e leve ao microondas para derreter em intervalos de 20 segundos. Misture bem para ficar homogêneo e cubra a parte de cima do bolo. Deixe firmar e sirva.

Sobre ter um blog de comida e uma receita de bolo de banana

banana bread

Não vou começar o ano me desculpando pela longa ausência e falta de novos posts por aqui. Amar é nunca ter que pedir perdão certo?

Mas vou tentar explicar, a quem interessar possa. Tive vários motivos para dedicar meu tempo a outras atividades nessas “férias” de blog: muito trabalho, muita dieta para emagrecer e baixar a glicemia que estava no limite, preguiça de tirar fotografia, etc. Mas o principal motivo, maior que todos esses, foi um grande e barbudo BODE.

Não sei se todo mundo sabe, mas eu não ganho um centavo para fazer este blog. Já ouvi falar de gente que se sustenta com isso, mas nunca vi com meus próprios olhos – tipos enterro de anão. “Se você não ganha nada por que você faz, Paula?”, hão de me perguntar.

A resposta é bem simples e cafoninha: faço por amor. Amor pela culinária, amor pelo doce que acabei de fazer e ficou tão lindo, amor por quem quer aprender uma receita nova e vem aqui pegar e o amor que eu também quero receber em troca.

Vejam: depois de toda aquela trabalheira de fazer receita, fotografar, ficar horas editando as fotos, sentar a minha buzanfa na frente do computador e produzir um texto (que às vezes não sai com tanta facilidade, como este aqui por exemplo) e a blogayra finalmente solta o post nessa linda nuvem chamada internet, o mínimo que a gente quer é R.E.S.P.E.C.T.

Aí a gente abre o painel de administração do blog e encontra comentários do tipo essa receita é uma porcaria porque queimou minha batedeira ou você copiou essa receita de fulana e não deu os créditos (coisa que não faço em hipótese alguma), ou ainda o surpreendente quero que você morra, ou mesmo com perguntas sobre detalhes que estão escritos na receita e a pessoa não leu porque tem preguiça e achou melhor perguntar. Entre outras pérolas. Chega uma hora, minhazamiga, que a vontade é de simplesmente fechar a porta da esperança e nunca mais voltar.

Mas o amor, assim como a zueira, ele não tem limites. E de vez em quando um relacionamento pede aquela boa e velha DR, e é isso que estou fazendo aqui hoje – uma DR pra agradecer quem é legal e respeita meus cabelos brancos e pra falar que vou tentar deixar o bode amarrado num canto mais pra lá pra ele não atrapalhar mais a nossa vida.

Um beijo grande e feliz ano novo!

A Gerência

Bolo de Banana, com ou sem nozes (ligeiramente adaptado do livro Miette)

Fiz essa receita pra alegrar um amiga que andava tristonha – e deu pra ver a carinha dela ficando mais feliz a cada mordida. Amor em forma de bolo, gente. Pra fazer com bananas bem maduras, daquelas da casca preta – usei banana prata.

  • 2 1/4 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de chá de bicarbonato
  • 3/4 colher de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 1 1/2 xícara de açúcar refinado
  • 2 ovos tamanho extra
  • 1 colher de chá de essência de baunilha
  • 1/2 xícara de óleo vegetal (canola ou girassol)
  • 4 bananas médias amassadas com garfo, bem maduras (mais ou menos 450g)
  • 1/2 xícara de nozes quebradas (opcional)

Unte com manteiga e polvilhe farinha de trigo em duas formas de bolo inglês (usei de 22cm x 10cm). Aqueça o forno a 180 graus com a grade posicionada no meio.

Num bowl médio, peneire juntos: farinha, bicarbonato, fermento e sal. Reserve.

Bata na batedeira os ovos, o açúcar e a baunilha até ficar clarinho e fofo. Na velocidade mínima adicione o óleo em fio até misturar bem.

Junte as bananas amassadas e bata para uniformizar. Adicione a farinha peneirada com os outros ingredientes secos e as nozes e bata somente até misturar e a farinha sumir na massa. Não bata em excesso, senão o bolo fica borrachento.

Divida a massa entre as duas formas preparadas e leve para assar até passar no teste do palito – os meus levaram cerca de 50 minutos, então não estranhe se demorar até um pouco mais do que isso.

Deixe esfriar por uns 20 minutos e desenforme. Pode ser congelado por até 3 meses, embalado em plástico filme.

banana bread neninha internet

Participação especial das mãozinhas da amiga Nena Chocolates <3.

Sobrou ovo de páscoa? – brownies de chocolate ao leite

brownies ao leite

Não sei vocês, mas minha casa está com uma superlotação extrema de ovos de chocolate pós-páscoa. Como lidar? Comemos tudo para não vencer? Comemos tudo porque é páscoa e pode? Comemos chocolate no café da manhã, almoço, jantar e mandamos para o lanche da escola?

Não me lembro de ganhar tantos ovos quando eu era criança – tô velha ou era 1 pra cada um e olhe lá? Pra mim aquele ovo de páscoa da infância era um presente especialíssimo, guardado e escondido no fundo do guarda-roupa pros irmãos não roubarem, já que sempre acabavam com o deles primeiro e o meu era saboreado por semanas pra durar mais.

Caso é que aqui em casa a criança só quis saber mesmo dos brinquedinhos que vieram dentro dos ovos, então fui procurar receitas para aproveitar todo esse chocolate ao leite parado.

Um ovo grandinho virou esse brownie aqui – assim fica mais fácil de congelar, levar de lanche ou servir pras visitas. Ficou gostoso, quem gosta de um doce bem doce vai apreciar. Usei o chocolate ao leite de marcas mais populares – acho que pode ficar bem interessante com um produto mais “gourmet”, ou usar pedaços de chocolate amargo na massa.

Brownies de Chocolate ao Leite  (rende 16 pedaços) – do epicurious.com

  • 50g manteiga sem sal
  • 225g de chocolate ao leite picado
  • 3/4 xícara de açucar mascavo (medir apertando na xícara)
  • 1 colher de chá de baunilha
  • 2 ovos grandes
  • 3/4 xícara de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de cacau em pó sem açucar
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 1/4 colher de chá de fermento

Forre uma assadeira quadrada de 20cm com papel alumínio, unte e polvilhe farinha de trigo. Aqueça o forno a 180 graus.

Numa tigela, peneire juntos a farinha,cacau, sal e fermento. Reserve.

Numa tigela grande resistente ao calor, derreta metade do chocolate junto com a manteiga – pode ser no microondas em intervalos de 20 segundos ou em banho maria. Misture bem e deixe amornar. Acrescente a baunilha e o açúcar mascavo. Junte os ovos, um a um, batendo bem com um fuet após cada adição.

Junte a farinha peneirada com os demais ingredientes e misture o restante do chocolate. Passe a mistura para a forma preparada e asse por cerca de 30 minutos – se você espetar um palito ele sairá úmido com migalhinhas grudadas. Deixe esfriar, desenforme, retire o alumínio e corte em retângulos.

Como assar biscoitos perfeitos e uma receita de cookies de manteiga de amendoim

pb cookies

Não se se já comentei isso aqui, mas comecei minha “carreira” de doceira fazendo cookies e biscoitos. Na minha opinião são um excente ponto de partida para se começar na culinária doce, já que são bem fáceis de fazer e, com a receita certa e observando alguns cuidados, quase impossíveis de dar errado. Já fiz tantas, mas tantas receitas, que fico mega feliz quando sou considerada por alguém uma “especialista” no assunto (rs).

No comecinho do ano o pessoal da Revista Espresso entrou em contato pedindo 3 receitas de biscoitos americanos, e também algumas dicas de como obter os melhores resultados nesse tipo de biscoito. A revista já saiu e pode ser comprada nas melhores bancas e livrarias, olha só que linda:

892299_10151332560941074_79936887_o

Além dos cookies de manteiga de amendoim você encontra também receitas de snickerdoodles, coconut macaroons (minhas), Cookie Escuro de Chocolate da Alê Tedesco e Chocolate Chip Cookies da Tiffany Fontana.

Quando for fazer uma receita de cookie ou biscoito e ela não ficar tão boa, antes de reclamar com a blogueira, observe se seguiu os seguintes pontos:

  • SIGA A RECEITA AO PÉ DA LETRA, leia o texto inteiro antes de começar, principalmente se está fazendo pela primeira vez.
  • USE XÍCARAS E MEDIDORES PARA USO CULINÁRIO: medidas padronizadas produzem o resultado que você vê nas fotos das revistas, amiga!
  • NÃO TROQUE A MANTEIGA POR MARGARINA, nem a farinha por farinha integral, nem o açúcar refinado por açucar mascavo etc, a não ser que você curta viver perigosamente.
  • NUNCA USE ASSADEIRAS DE TEFLON, PRETAS OU DE SILICONE: o material absorve calor em excesso e superaquece, e seus biscoitos ficarão assados demais embaixo e crus em cima. Prefira as de alumínio forradas com papel manteiga.
  • OBSERVE A TEMPERATURA DO FORNO INDICADA NA RECEITA e também a posição das grades. Se não mencionarem esses detalhes no modo de fazer utilize o forno preaquecido a 180 graus celsius e a grade posicionada no meio do forno.
  • NÃO SE DISTRAIA! Cookies e biscoitos assam bem rápido e não dá tempo de estender aquela roupinha no varal, fique ligadinha.
  • ALGUNS BISCOITOS SAEM AINDA MACIOS DO FORNO e ficam crocantes conforme esfriam. Não deixe assar demais para não perder em sabor e textura.

E uma última dica: utilize receitas de procedência confiável, testadas e aprovadas, sejam de livros, revistas, blogs ou daquela sua tia que cozinha super bem. Cuidado principalmente com aquelas revistinhas baratas de receitas de banca de jornal – elas não são testadas, os pratos apresentados nas fotos não são os mesmos das receitas e você só vai jogar ingredientes fora. Puro prejú.

Cookies de Manteiga de Amendoim (rende 40 unidades)

Esses cookies são DELICIOSOS – delicados, desmancham na boca, lembram uma paçoquinha em forma de biscoito.

  • 3/4 xícara (170g) manteiga sem sal, em temperatura ambiente
  • 1/2 xícara de açúcar mascavo (medir apertando na xícara)
  • 1/2 xícara de açúcar refinado
  • 1 ovo grande
  • 3/4 xícara de manteiga de amendoim (preferivelmente importada, usei da marca Peter Pan)
  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

Numa tigela, peneire a farinha de trigo e o bicarbonato e reserve.

Na batedeira, bata em velocidade alta a manteiga com os dois tipos de açúcar até ficar cremoso e claro, mais ou menos uns 3 minutos. Junte o ovo e bata por mais um minuto. Adicione a manteiga de amendoim e bata novamente, até ficar um creme homogêneo. Junte a mistura de farinha de trigo e bicarbonato aos poucos e bata em velocidade mínima somente até misturar completamente a farinha. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 1 hora, ou até firmar.

Aqueça o forno a 180 graus e forre duas assadeiras de alumínio com papel manteiga.

Faça bolinhas de mais ou menos 3cm de diâmetro e distribua na assadeira, deixando uns 4 dedos de espaço entre elas.

Com um garfo passado em açúcar amasse as bolinhas, fazendo desenhos cruzados.

Leve ao forno por mais ou menos 12 a 15 minutos, ou até as bordas dos cookies dourarem ligeiramente. Deixe esfriar sobre uma grade.

peanut cookies

O Caso do Chaveiro Revoltado – Cookies de florzinha com creme de avelãs

To tentando há algumas semanas atualizar esse bloguinho, mas a vida, essa zombeteira, anda me pregando peças, e o meu cronograma milimetricamente calculado acaba indo pro espaço mais vezes do que eu gostaria. O caos, o caos.

Essa vida adulta #classemédiasofre é mesmo uma caixinha de surpresas: microondas quebra, faxineira falta, filha tem febre, pneu fura, tipo banco imobiliário, quando você acha que vai comprar a Avenida Atlantica  e vem a cartinha do revés e te manda voltar 3 casas pra trás.

Mas o cúmulo da azarice me ocorreu há alguns dias. Explico: me mudei pra um apartamento véio, porém de cozinha grande, cuja maçaneta da porta de entrada não gira pelo lado de fora. Ou seja, bateu a porta sem a chave, já era. E lógico que chegou o dia em que me tranquei pra fora de casa, num ensolarado domingo à tarde, apenas munida de meu celular.

Liguei para o primeiro site de chaveiro 24horas que encontrei, e o moço diz que me custaria R$150,00 para vir abrir minha porta. Nesse momento rapidamente me despedi com um “ok, muito obrigada então, tchau” e apressadamente desliguei o telefone para procurar outro chaveiro. Segundos depois, o mesmo rapaz retorna a ligação, muito, mas muito, mas muito bravo mesmo: “a senhora é muto mal-educada, não deixa nem a gente terminar de falar, eu ia dizer que para fechadura SIMPRES é 100 reais.”
No que eu respondo então que 100,00 não estava bom pra mim mesmo assim, muito obrigada novamente, fica pra uma próxima, etc, muito boa tarde e tchau.

Recebo então o seguinte SMS: GROSSA MAL EDUCADA IDIOTA.

Sim, era o chaveiro revoltado. De todo os chaveiros de São Paulo, fui parar justo no que tem problemas de gerenciamento de raiva. Então, além de estar trancada pra fora de casa ao invés de estar dormindo no meu sofá, sou xingada de IDIOTA. Aqueles momentos da vida em que você procura a câmera escondida, porque só pode ser pegadinha do Mallandro.

Enfim, toda essa prosaica história foi contada para que eu pudesse oferecer essas lindas flores (de biscoito) para o Nei, o simpático chaveiro que veio me salvar e cobrou a módica e justa quantia de cinquenta Dilmas – e se você um dia ficar trancado pra fora de casa em Higienópolis, Perdizes, Barra Funda e região, recomendo viu? Segue o link do Nei.

Cookies de florzinha com creme de avelãs

A receita é bem simplezinha, e as fotos estão meia boca, mas ficaram gostosos e fofos esses biscoitinhos – dá pra usar qualquer massinha de torta que você já esteja acostumado a fazer e o recheio também vai da escolha do freguês. Sugestões: geléia de frutas, brigadeiro, doce de leite, creme de confeiteiro, ganache, caramelo… o que a sua gula mandar.

Para a massa:

  •  1 receita de massa de biscoitos amanteigados (a sugestão é essa ou essa)

Para o recheio

  • 1 pote grande de creme de avelãs (usei Nutella)

Material:

  •  Forma para mini cupcakes
  • Cortador de flor de aproximadamente 8cm

Prepare a massa.

Aqueça o forno a 180 graus.

Numa superfície polvilhada com farinha de trigo, abra a massa com um pouco menos de 0,5cm de espessura.

Corte as flores e coloque cada uma numa cavidade da forma para minicupcakes, com cuidado, pressionando o meio para encaixar bem, deixando sempre uma vazia entre uma e outra. Abaixe as pétalas delicadamente, assim ó:

Fure o fundo de cada uma com um garfo, para não inchar.

Leve ao forno por mais ou menos 15 minutos, ou até dourarem levemente. Deixe amornar e tire as florzinhas com cuidado da forma. Deixe esfriar completamente para rechear.

Para colocar o recheio usei um bico de confeitar pitanga médio. O rendimento é de mais ou menos 20 florzinhas.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 974 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: