Pelado e nu com a mão no bolso – Naked cake de coco e pistache

naked cake coco pistache web

Há três anos recebi um email da minha amiga (também doceira de cupcakes lindos e deliciosos) Claudia me avisando que ia se casar e queria que eu fizesse o bolo.

Mandou no email uma foto de um bolo lindo, sem cobertura, com um andar de rosas verdadeiras intercalando dois andares de bolo. Morri de medo mas topei fazer – ainda não tinha essa moda toda de naked cake, com milhares de tutoriais no Pinterest, então ia ter que dar um jeito de equilibrar aquilo tudo sem nenhum pouquinho de pasta americana para dar um truque.

Sofri, chorei, fiquei sem dormir, comprei milhares de rosas a mais do que precisava de medo de dar tudo errado, mas no fim consegui inventar meu jeito de fazer aquele bolo, que resistiu à viagem de carro na cidade esburacada e deixou a noiva feliz.

O famigerado.

O famigerado.

E os noivos gostaram tanto que agora todo ano eles me pedem um, pequenininho, para comemorar o aniversário de casamento.

Esse ano, para comemorar junto com eles e agradecer a confiança de terem me escolhido para fazer parte de um momento tão legal, resolvi deixar de presente para o casal a receita desse bolo – e vivam os noivos!

Naked Cake de Coco e Pistache (rende 1 bolo de 20cm de diâmetro)

Massa:

  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • 200g manteiga em temperatura ambiente
  • 2 xícaras de açúcar
  • 4 ovos
  • 100g de coco ralado seco (um pacotinho)
  • 1 xícara de leite

Recheio de Pistache:

  • 2 latas de leite condensado
  • 1 caixinha de creme de leite UHT
  • 140g de pistache moído
  • 1 colher de sopa de manteiga sem sal
  • 1 colher de sopa de pasta de pistache (opcional, à venda em lojas de material de confeitaria)

Buttercream

  • 200g de manteiga sem sal
  • 3 claras
  • 3/4 de xícara de açúcar refinado
  • extrato de baunilha

Calda simples

  • 1 xícara de açúcar
  • 2 xícaras de água

Para o bolo

Preaqueça o forno a 180°C. unte e peneire com farinha de trigo 3 formas redondas de 20cm de diâmetro.

Em uma tigela grande, peneire a farinha e o fermento. Misture Bem. Reserve

Bata a manteiga e o açúcar até formar um creme branco e fofo. Junte os ovos, batendo bem a cada adição. Junte o coco ralado e bata para misturar. Junte a mistura de farinha, alternado com o leite (farinha/leite/farinha/leite/farinha).

Divida a massa entre as 3 formas preparadas e asse por mais ou menos 25 minutos. Um palito deve sair seco quando espetado nos bolos. Desenforme morno.

Para o recheio de pistache:

Numa panela média de fundo grosso, misture todos os ingredientes (menos a pasta de pistache) e leve ao fogo baixo até ficar cremoso e desprender do fundo da panela. Retire do fogo e misture a pasta de pistache. Utilize frio.

Para o buttercream:

Numa tigela que possa ir ao banho-maria, misture as claras e o açúcar. Leve ao banho-maria, mexendo sempre, até o açúcar dissolver e a mistura ficar bem quente (se você tiver um termômetro, a temperatura é de 71°C). Bata as claras na batedeira até ficarem brancas e fofas, como marshmallow, e esfriarem completamente (leva mais de 10 minutos, então, paciência!). Não pode estar nem morninha, senão não dá certo.

Quando estiver tudo bem frio, com a batedeira ligada, comece a acrescentar os pedacinhos de manteiga, um a um, batendo bem para incorporar a cada adição. Se depois de juntar toda a manteiga a mistura separar ou parecer que “talhou”, continue batendo em velocidade alta, e a cobertura deverá emulsionar novamente. Bata até virar um creme espesso, uniforme e brilhante.

Para a calda simples:

Leve o açúcar e a água ao fogo, mexendo até dissolver. Utilize frio.

Montagem:

Coloque um dos bolos sobre o prato de servir. Molhe com a calda já fria, sem encharcar. Utilizando uma manga de confeitar e um bico perlê grande faça um contorno no bolo:

naked passo1

Coloque o recheio de pistache numa manga descartável e corte a ponta. Preencha o espaço com o recheio:

naked passo 2

Cubra com mais um bolo, tomando cuidado para não ficar torto. Molhe com mais calda e repita a operação buttercream-recheio. Cubra com o ultimo bolo e molhe com calda.

naked passo 4

Polvilhe açúcar de confeiteiro ou açúcar gelado e decore como preferir. O da Clau desse ano tinha um topo fofo de pasta americana:

Pingüinho <3 Corujinha

Pingüinho <3 Corujinha

Bolovo de Páscoa – aniversário de 5 anos do The Cookie Shop

bolovo web

Não sou muito ligada em datas comemorativas, mas quando entrei no wordpress hoje para postar esta receita recebi uma mensagem: PARABÉNS, HOJE SEU BLOG FAZ CINCO ANOS!

Gente, mas já? Fiquei toda nostálgica.

Como tanta, mas tanta coisa pode mudar em cinco anos?

Tudo começou quando fui demitida de um emprego de muitos anos como produtora de tv, minha filha ainda bebê, e esse blog me salvou. Foi aqui que eu descobri uma nova profissão, conheci amigos que viraram família, aprendi a viver de outro jeito. Escolhi essa vida deliciosa (e às vezes penosa) de viver do que se produz com as próprias mãos.

Esse espaço me trouxe conhecimento, troca de idéias, amizade, companhia nas horas de trabalho solitário. Então, depois de tanta coisa boa, tantos momentos felizes, tantos quilos ganhos (e perdidos), a única coisa que posso dizer nesse aniversário de blog é MUITO OBRIGADA GENTE. Espero estar devolvendo um pouco pro mundo tudo o que aprendi por aí com essa gente bacana produzindo conteúdo interessante na rede, vocês são demais.

E apesar desse bolo ter sido feito para comemorar a Páscoa e não o blogversário, fiquei feliz de ter caprichado no post de hoje, assim a gente já mata dois coelhinhos com uma cajadada só (pegaram a piadinha? Coelhinho, Páscoa, hein, hein?)

 

Bolovo de Páscoa de pão de mel com doce de leite e cobertura de chocolate

A massa desse bolo vem do blog da querida Patricia Scarpin (Technicolor Kitchen), que foi um dos blogs que me inspiraram a começar o meu. Hoje fico super feliz de a ter conhecido pessoalmente e até provado a comida dela! Mesmo se não forem fazer o bolo de páscoa, façam o pão de mel, que é uma delícia!

Massa:

  • 4 ovos
  • 220g de açúcar
  • 150ml de óleo
  • 150ml de água
  • 150ml de mel ou glucose de milho – a última, mais econômica $$
  • 360g de farinha de trigo
  • 50g de chocolate em pó
  • 1 colher (chá) de canela em pó
  • ¼ colher (chá) de noz moscada
  • ¼ colher (chá) de gengibre em pó
  • ¼ colher (sopa) de bicarbonato
  • ½ colher (sopa) de fermento em pó
  • 1 pitada de sal

Recheio

  • 1 lata de leite condensado cozido na pressão por 30 minutos

Cobertura

  • 100g de chocolate ao leite picadinho
  • 100g de chocolate meio amargo picadinho
  • 100g de creme de leite UHT

Prepare a massa:
Aqueça o forno a 180 graus. Unte e polvilhe farinha de trigo em duas formas de 25cm de diâmetro, ou uma assadeira retangular grandona.O bolo não deve ficar alto para facilitar a montagem das camadas, imagine assim uma altura de rocambole. Se ficar muito alto, divida a massa depois em camadas menores com uma faca de serra grande.

Misture os ingredientes secos peneirados e reserve. Dilua o mel com a água e o óleo.
Bata os ovos com o açúcar até dobrar de tamanho. Vá juntando à mistura os ingredientes secos intercalando com os líquidos e bata em velocidade alta.

Passe a massa para as formas preparadas e asse por mais ou menos 30 minutos, ou até passar no teste do palito. Deixe esfriar para utilizar.

 

Prepare a cobertura:

Derreta no microondas os dois chocolates juntos em intervalos de 20 segundos, mexendo bem. Misture o creme de leite até ficar homogêneo e deixe repousar até firmar o suficiente para ficar espalhável. Se endurecer demais, coloque co microondas por 10 segundos e misture bem.

 

Montagem:

  • Forma de 20cm
  • Molde para ovo de Páscoa grande (1kg)
  • Plástico filme
  • isopor fino

 

Encaixe o molde na forma de 20cm para que ele não fique virando na montagem e forre com plástico filme:

molde

Forre o molde com uma camada de bolo e apare as rebarbas – se quebrar não tem problemas, só deixe os pedaços o mais juntos possível. Espalhe doce de leite por toda a superfície do bolo:

montagem 1

Intercale camadas de doce de leite e bolo. Feche com uma camada de bolo do tamanho do molde:

montagem 2

Se tiver dificuldade de cortar essa tampa no olhometro, faça um guia de isopor fino – marque com uma faca ou caneta usando o molde do ovo e depois recorte usando a marca que ficou. Use esse guia para cortar a tampa que fecha o bolo:

placa isopor

Aperte bem o bolo para dar uma leve prensada. Embale com as pontas do plástico filme e leve a geladeira por umas 3 horas. Desenforme sobre o prato de servir e retire o plastico com cuidado, vai ficar assim:

bolo sem cobertura

Cubra com a cobertura de chocolate usando uma espátula. Alise bem com uma espátula e, se quiser, faça um arremate usando bico de confeitar do tipo pitanga pequeno junto ao tabuleiro. No meu bolo eu dei uma decorada usando círculos de pasta americana e colando direto sobre a cobertura.

Feliz Páscoa!

Como transformar uma idéia em um biscoito decorado – fogãozinho de biscoito 3D

fogaozinho facebook

 

Sabe quando a gente encasqueta com uma coisa? Então.

Passeando pelo Etsy dei de cara com uma linda caixinha para cupcake em forma de fogãozinho, quase morri de fofura. (link aqui)

Seria possível fazer uma, só que de biscoito? Só o destino poderia revelar.

Tudo começou com um projeto, assim como quase tudo na vida:

foto 1

O desafio maior seria definir o tamanho das peças para dar certo o encaixe depois. As laterais, frente e costas foram fáceis de definir o tamanho. O tampo precisaria ser ligeiramente menor para poder encaixar bem no meio das quatro “paredes”, não poderia ficar muito grande.

Decidi deixar sem fundo embaixo pra facilitar. Desenhei e recortei os moldes em papel sulfite.

template

Abri a massa não muito grossa, mas não muito fina para não entortar e facilitar o encaixe. Acabei fazendo dois tamanhos de tampo para ver qual encaixaria melhor. Fiz também mais um biscoitinho um pouco maior que a abertura do forno para fazer a parte do bolinho e colar por trás.

Cortei as peças já na assadeira, assim não precisaria mexer nelas e correr o risco de entortar.

massa

Com as peças assadas, decorei tudo com glacê real em ponto fluido e montei depois de tudo bem seco com glacê em ponto firme.

foto 3

Quer aprender mais sobre biscoitos decorados com glacê real? Vem fazer um curso comigo!

Informações na The Cake is on the Table, tel (11) 2371-1640

Anatomia de um bolinho – um passo a passo de como fazer cupcakes

De todos os emails que eu recebo, a grande maioria vem com perguntas sobre esse bolinho que é a febre do momento: o cupcake. Ele é tão bonitinho e gostosinho, que até parece uma coisa difícil de fazer. Mas gente: NÃO É DIFÍCIL.

Primeiro de tudo: não existe uma receita específica de cupcake – ele nada mais é do que um bolo assado em forminhas de papel e coberto com o glacê ou cobertura da sua preferência. Existem receitas que se prestam mais a serem assadas em forminhas pequenas, ficam mais bonitas, mais redondinhas em cima, mais úmidas – mas de forma geral, a regra (pelo menos a minha) é usar uma receita de bolo gostosa e que você esteja acostumado a fazer.

Vamos agora dissecar um “espécime”? (*cara de cientista louca)

Este cupcake foi assassinado em nome da ciência.

Este bolinho eu fiz pra vocês: bolinho de baunilha, cobertura de buttercream de frutas vermelhas e recheio de geléia de frutas vermelhas. Mas poderia ser um bolinho de chocolate, com recheio e cobertura de brigadeiro. Ou até mesmo um bolinho de nozes, recheio de doce de leite e cobertura de marshmallow. Se você abrir seu caderno de receitas (ou o da sua mãe ou avó) aposto que vai encontrar todos os elementos que irão compor sua criação. Segue a minha receita:

Bolinho de baunilha (rende mais ou menos 15 cupcakes)

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 colher de sopa de fermento em pó
  • 1 pitada de sal
  • 100g de manteiga sem sal, em temperatura ambiente
  • 3/4 de xícara mais 2 colheres de sopa de açúcar
  • 1 colher de chá de essência de baunilha
  • 2 ovos
  • 3/4 xícara de leite

Material necessário:

  • forminhas de papel no. 0, ou especiais para cupcakes (eu uso da marca Mago)
  • Forma de metal especial para muffins, ou forminhas de metal para empada (tem que caber a forminha de papel dentro, sem ficar justo)
  • grade para esfriar os bolinhos (se não tiver, use o seu escorredor de pratos)

Preaqueça o seu forno a 180°. Coloque uma forminha de papel em cada cavidade da forma de muffins, ou nas forminhas de empada.

Numa tigela, peneire a farinha, fermento e sal. Reserve.

Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até ficar claro e fofo. Junte a baunilha e os ovos, um de cada vez, batendo bem após cada adição.

Em velocidade baixa, junte a farinha em três adições, intercalando com o leite (termine com a farinha) e misture até ficar homogêneo. Não bata demais.

Com a ajuda de uma colher de sopa, encha as forminhas até 2/3 cheias. Assim, ó:

Leve ao forno por aproximadamente 20 minutos, ou até um palito sair seco quando espetado nos bolinhos. Assim que sair do forno, se possível, transfira os bolinhos para uma grade e deixe esfriar completamente antes de decorar.

Atenção:

  • Não espere os bolinhos dourarem por cima para tirar do forno. Como eles são pequeninos, a tendência é ressecarem e ficarem duros se assarem demais. Tire assim que passarem no teste do palito, mesmo se estiverem branquelos.
  • A minha forma de muffins é preta, e por isso eu fico muito atenta ao tempo de forno: formas escuras e de silicone podem superaquecer e queimar seus bolinhos.
  • Não deixe os cupcakes esfriarem dentro da forma – o vapor condensa nos bolinhos e as forminhas de papel podem se soltar depois.
  • Os cupcakes sem cobertura podem ser congelados – embale em plástico e em recipiente com tampa e guarde no freezer por até 3 meses.

Recheio

Para rechear meus cupcakes eu uso qualquer recheio cremoso e delicioso que eu estiver com vontade naquele dia.

Para fazer o buraquinho, eu deixo os bolinhos na geladeira por uma hora para ficarem mais firmes e uso o método do cone:

1. Com uma faquinha afiada, eu corto um cone no centro do bolinho e retiro o miolo, reservando só uma tampinha.

2. O recheio vai nesse buraquinho, com a ajuda de uma colher de chá.

3. Depois é só tampar.

Cobertura

A cobertura, pra mim, é o que faz o cupcake ter graça. E além de linda, ela tem que ser gostosa! Eu uso muito essa receita de buttercream de merengue, que é bem mais leve que o buttercream tradicional, e dá para variar o sabor da geléia, ou usar somente baunilha se quiser ela branquinha.

Outras opções de cobertura: marshmallow, brigadeiro, ganache de chocolate meio amargo – é só dar um Google!

Ela pode ser aplicada com uma espátula, mas eu acho que fica lindo com o bico de confeiteiro – o que eu mais uso é o bico 1M da Wilton:

Buttercream de Frutas vermelhas (adaptada do livro Martha Stewart’s Baking Handbook)

  • 3 claras
  • 2/3  xícara de açúcar
  • 200g manteiga em temperatura ambiente, cortada em pedaços de uma colher de sopa
  • 1 xícara de geléia de frutas vermelhas batida no processador, em temperatura ambiente (peneire se não quiser sementinhas)
  • corante rosa (opcional)

Numa tigela que possa ir ao banho-maria, misture as claras e o açúcar. Leve ao banho-maria, mexendo sempre, até o açúcar dissolver e a mistura ficar bem quente (se você tiver um termômetro, a temperatura é de 71°C). Bata as claras na batadeira até ficarem brancas e fofas, como marshmallow, e esfriarem completamente (leva mais de 10 minutos, então, paciência!). Não pode estar nem morninha, senão não dá certo.

Quando estiver tudo bem frio, com a batedeira ligada, comece a acrescentar os pedacinhos de manteiga, um a um, batendo bem para incorporar a cada adição. Se depois de juntar toda a manteiga a mistura separar ou parecer que “talhou”, continue batendo em velocidade alta, e a cobertura deverá emulsionar novamente. Bata até virar um creme espesso, uniforme e brilhante.

Junte a geléia e o corante e misture bem com uma espátula. Use imediatamente.

Agora, é só decorar – granulado colorido, açúcar cristal, raspas de chocolate, choco ball, um morango, figuras de pasta americana, tudo isso fica lindo.

Onde encontrar material para fazer seu cupcake em São Paulo:

Convidada Bridget, do Bake at 350º – Biscoitos decorados com glacê real (parte 2 – como cobrir com a técnica “flooding”)

Olha que graça esses cookies de vegetais! Para ficarem assim super lisinhos e perfeitos é que se usa a técnica de flooding.

Bridget Edwards, autora do blog Bake at 350° e minha convidada especial essa semana, é especialista em biscoitos decorados, e usa muito essa técnica para preencher áreas maiores com acabamento bem uniforme. Ela agora nos explica como conseguir repetir em casa essa façanha:

Flooding

“Flood icing” (ou “glacê de inundar”) nada mais é do que o glacê real diluído em água para ficar com uma consistência mais fluida, para “inundar” ou preencher o desenho que foi feito antes com o glacê mais firme. O melhor é ir bem aos pouquinhos, adicionando pouca água por vez até conseguir uma consistência de mel.  Quanto mais cookies você decorar, mais vai ficar fácil de identificar como é essa consistência (obs. da Paula: tem um vídeo da Bridget afinando o glacê dela aqui. Está em inglês, mas dá pra ver direitinho como ela faz).  Se você acabar adicionando muita água sem querer, e ficar muito líquido, adicione um pouco de açúcar impalpável peneirado ou o glacê que você usou para desenhar, mais firme.

Uma vez que o seu glacê de flooding estiver pronto, cubra com uma toalha úmida e deixe repousar por alguns minutos. Com uma espátula de borracha ou silicone, gentilmente revolva o glacê para quebrar as bolhas de ar que tiverem subido para a superfície. Agora, derrame o glacê em garrafinhas de plástico (tipo de ketchup – você encontra aqui no Brasil em lojas de artigos para fabricação de perfumes e sabonetes, em lojas de 1,99 e de utilidades domésticas). Você pode também usar sacos de confeitar com bicos finos, mas a bagunça é beeeem maior, porque tem grandes riscos do glacê vazar por cima do saco.

Com o glacê mais duro, você deverá ter desenhado o contorno da sua figura. Aplique o glacê de flooding em zigue zague (eu faço 3 a 4 por vez) – não se preocupe, o glacê não vai secar, e enquanto isso o glacê vai espalhando sozinho no biscoito.Com a ajuda de um palito de dentes, espalhe o glacê para cobrir os espacinhos que faltaram.

Esses da foto estão já com o glacê para ser espalhado com o palito.

Veja como foram feitos os biscoitos de vegetais:

Faça o contorno com o glacê real

Preencha com o glacê de flooding

Deixe secar um pouco e adicione os detalhes…

O nome e ano foram escritos depois que os cookies ficaram secando a noite toda, com canetinha especial de corante comestível. É importante respeitar esse tempo de secagem – os cookies parecerão secos antes disso, mas por dentro estarão ainda úmidos.

Este sim é meu jeito de comer vegetais!

Espero que vocês tenham gostado desta série…

Happy baking!

***

Bridget Edwards é americana, super fofa, e vive no Texas com 221 cortadores de biscoitos, mais de 20 assadeiras, seu marido e um filho loirinho e muito lindo que sempre cozinha com ela.

É autodidata na arte de fazer biscoitos decorados e começou há 11 anos atrás, logo que seu filho nasceu. Segundo ela, “não tinha a menor idéia do que estava fazendo, só queria comer mais cookies”  – hoje recebe encomendas de todo o país.

Tem dois blogs super bem-sucedidos sobre decoração de biscoitos, o Bake at 350° e também o University of Cookie e está trabalhando no seu primeiro livro. Disse que vem ao Brasil tão logo eu mande uma passagem pra ela.

Convidada Bridget, do Bake at 350° – Biscoitos decorados com glacê real (parte 1, o glacê)

Olha o que a minha convidada especial é capaz de fazer com alguns biscoitinhos e um pouco de glacê real:

Bem antes de eu ter blog, eu já era fã e leitora do blog da Bridget, o Bake at 350. Ela é americana, vive no Texas, e sabe TUDO sobre biscoitos decorados com glacê real – tipo assim minha COOKIE IDOL.

Como a internet tem dessas coisas maravilhosas, eu acabei tendo a oportunidade de conhecer a Bridget e conversar muito sobre decoração com glacê real, o que me ajudou bastante a conseguir fazer uns biscoitos bonitinhos para vender. E porque não dividir a minha professora com vocês? Convidei e ela topou uma participação especial por aqui, então hoje começa uma série de dois posts sobre decoração de biscoitos com as técnicas bem legais e práticas do blog Bake at 350.

A receita do biscoitinho da Bridget é bem simples, e vou colocar no final do post. Você pode usar qualquer receita boa de biscoitinho a que já esteja acostumado – tenho uma aqui no blog também, você decide.

O Glacê

Pra mim, o pulo do gato mesmo está nesse glacê real. Bridget nos conta todos os segredos – é com você, girl!

Ingredientes
(essa receita cobre de 2 a 3 dúzias de biscoitos de 5cm, com duas cores – normalmente eu dobro essa receita)

  • 4 colheres de sopa de pó de merengue (à venda em lojas de confeitaria) *obs. da Paula – eu uso da marca Mago, mas peneire antes de usar pois pode conter grãozinhos de açúcar que depois entopem seu bico de confeitar*
  • 1/2 xícara de água, rasa
  • 450g de açúcar impalpável (tb vende em loja de confeitaria)
  • 1/2 colher de chá de glucose branca (opcional) *obs da Paula: eu não uso porque a nossa glucose é muito espessa pode empelotar o glacê*
  • algumas gotinhas de essência transparente (opcional)

Um xícara rasa de água é assim, olha só:



Misture o pó de merengue e a água. Bata na batedeira para misturar bem. Vai ficar assim:


Peneire o açúcar de confeiteiro sobre a mistura de merengue e bata em velocidade baixa para misturar (NUNCA pule a parte de peneirar!)


Adicione a glucose e essência se desejar. (Eu acho que a glucose ajuda a deixar o glacê mais brilhante).

Aumente a velocidade para médio-alta e bata por 5 minutos, até o glacê ficar brilhante e formar picos firmes. Nessa foto ainda não está bom, olha:

(Você deverá conseguir tirar a pá da batedeira e balançar sem o pico desabar). Não bata demais.

Cubra com plástico encostando na  superfície do glacê ou divida e tinja com corantes em gel.

Esse glacê mais firme é perfeito para fazer a linha externa dos desenhos nos biscoitos, colar partes de casinhas de gingerbread. Use um saco de confeitar com bico fino para escrever e desenhar linhas. Esse glacê pode ser guardado em geladeira, em recipiente com tampa, por até uma semana. Para reutilizar, deixe voltar a temperatura ambiente e misture muito bem com uma espátula.

Para preencher e cobrir superfícies maiores, é preciso diluir um pouco esse glacê com água, aos poucos, até ficar numa consistência de mingau ralo. Essa técnica de preencher e cobrir biscoitos com glacê diluído é chamada de “flooding”, e é assunto do próximo post desta série!

No próximo post….

Flooding!

Para a receita do biscoito, clique abaixo.

[Read more...]

O amor está no ar – Palmiers de canela

Eu estava com as fotos desses palmiers guardadas há algum tempo, e nunca parecia uma boa ocasião pra colocar essa receitinha aqui. Mas fiquei olhando, olhando, e olhei tanto pra essas fotos que os biscoitinhos começaram a me lembrar corações… E que cara metade não adoraria ganhar uma caixinha caprichada, cheia de CORAÇÕEZINHOS DELICIOSOS no Dia dos Namorados que está chegando, hein?? Eu gostaria…

Aliás, eu nunca gostei de ganhar tipo “uma blusinha” – os presentes de namorado que eu mais me lembro sempre foram os que tinham um toque pessoal. E vocês, o que gostariam de ganhar no dia 12 de junho?

Palmiers de Canela

Como diria a mãe da Chapeuzinho Vermelho, existem dois caminhos para fazer esses palmier, o da estrada, mais longo, e o atalho na floresta. Eu escolhi ir pela estrada longa, usando a minha massa folhada caseira (a receita e passo a passo estão nesse post), mas se você quiser ir pelo atalho e usar massa folhada comprada, vai dar certo também.

Ingredientes:

  • 1 receita de massa folhada, ou um pacote de massa pronta congelada
  • 2 xícaras de açúcar
  • 2 colheres de sopa de canela em pó (ou a gosto)

Unte e polvilhe com farinha de trigo duas assadeiras grandes. Reserve.

Misture o açúcar e a canela.

1. Polvilhe uma superfície de trabalho com bastante açúcar e canela, e também a massa. Abra a massa folhada em retângulo, o mais fininho que conseguir. Pode ser de qualquer tamanho, mas tenha em mente que quanto mais largo for seu retâmgulo,maior será seu palmier. Apare as bordas para deixar bem retinho.

2. Polvilhe mais açúcar e canela. Dobre duas abas que se encontram no centro do retângulo. Pressione bem com as mãos.

3. e 4. Dobre cada aba ao meio, para que se encontrem novamente no centro do retângulo. Pressione novamente para aderir. Pode dar uma achatadinha que não tem problema.

5. Dobre a massa ao meio, como na foto. Pressione bem, embale em plástico e leve à geladeira por pelo menos 1 hora, ou ao freezer por 20 minutos. Aproveite para preaquecer o forno a 180°C.

6. Corte em fatias e passe cada uma por mais açúcar e canela. Arrume na assadeira preparada e asse por 10 minutos. Vire os biscoitos e asse até dourar, aproximadamente 10 minutos. Retire-os da assadeira ainda quente, para não grudar, e coloque sobre uma grade para esfriar.

Deixa eu aproveitar e agradecer a todo mundo que respondeu a pesquisa do post passado – muito obrigada mesmo, e amei os comentários que vocês deixaram!

Faça você mesmo: Massa Folhada

Sempre quis fazer massa folhada em casa, mas tinha um certo receio de dar tudo errado no final, depois das várias etapas envolvidas na receita.

Pois vou contar pra vocês: NUNCA MAIS vou comprar massa folhada pronta e cheia de gordura hidrogenex. É muito mais simples do que eu pensava, o segredo é agenda livre para respeitar os descansos na geladeira pedidos na receita. E olha que eu já fiz duas vezes e nos dias mais quentes do ano!

Não vou ficar aqui esticando muito, porque o post é longo e cheio de fotos (tentei fazer um passo-a-passo pra vocês, mas a qualidade das fotos ficou meio mais ou menos, tá?). Quem testar depois me conta o que achou.

Massa Folhada (adaptado das receitas e técnicas dos livros Le Cordon Bleu Dessert Techniques e Martha Stewart Baking Handbook) – rende aproximadamento 650g

Ingredientes:

  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de sopa de açúcar
  • 100g de manteiga gelada cortada em pedacinhos
  • Uma barra de 200g de manteiga gelada
  • 1/2 colher de chá de vinagre branco
  • 1/2 xícara de água gelada (ou um pouquinho mais se necessário)

1. Numa tigela grande, peneire juntos a farinha, o sal e o açúcar. Junte os primeiros 100g de manteiga em pedacinhos e misture com as pontas dos dedos, sem trabalhar demais, até ficar com aspecto de uma farofa grossa, com alguns pedaços maiorezinhos de manteiga (tamanho de ervilhas). Faça um buraco no centro da mistura de farinha.

2. Junte a água gelada e o vinagre e vá misturando lentamente, incorporando a farinha aos poucos com uma colher de pau, depois com as mãos até formar uma massa macia, mas que não grude nas mãos. Se ficar muito seca, acrescente água gelada, uma colher de sopa por vez, até dar o ponto. Não é necessário sovar ou amassar demais.

3. Embrulhe em plástico e leve para gelar por pelo menos 30 minutos (enquanto isso, prepare a manteiga, como nas fotos abaixo). Desembrulhe e faça dois cortes na massa, em forma de X.

4. Corte a barra de manteiga ao meio, em duas barras mais finas, como na foto. Posicione a manteiga numa superfície polvilhada com farinha de trigo, e, com o rolo de abrir massa, vá amassando a manteiga até ficar com 0,5cm de espessura. Dobre ao meio e repita esse processo por mais duas ou três vezes, até a manteiga ficar maleável. Embrulhe em plástico e leve à geladeira por 30 minutos.

5. Abra a massa que ficou repousando na geladeira de forma que o centro dela fique mais “gordinho”, e quatro abas se formem.

6. Posicione a manteiga gelada no centro da massa e embrulhe a manteiga completamente. Aperte bem para vedar.

7. Abra a massa com o rolo em retângulo, não precisa ser muito fina, um dedo de espessura está bom.

8. Dobre a massa como uma “carta” e vire a parte mais estreita novamente pra você. Abra novamente com o rolo e repita a dobra em forma de carta. Marque dois buraquinhos na massa com seu dedo para contar as dobras (até aqui foram duas, faltam quatro). Embrulhe e leve à geladeira por pelo menos 1 hora.

9. Você vai ter que repetir esse processo mais duas vezes, com descanso na geladeira de 1 hora, ou seja, tem que dobrar e abrir a massa 6 vezes no total. Se a massa começar a ficar molenga, ou a manteiga derreter e começar a vazar pela massa, coloque na geladeira por 2o minutos e continue. Muita calma nessa hora.

Recapitulando: depois da uma hora de geladeira, abra a massa e dobre em “carta”, e repita. Marque quatro buraquinhos na massa e volte à geladeira por mais uma hora. E, tudo de novo: depois do repouso na geladeira, abra e dobre em carta, e repita pela última vez.

10. Embrulhe e leve à geladeira por duas horas (eu deixei passar a noite, pra garantir). Para usar, abra na espessura desejada, corte as bordas e despreze. Empregue como desejado.

Com essa massa, fiz o mil folhas da foto (abri a massa bem fina, furei bem com um garfo e levei para assar em assadeira com papel manteiga, forno preaquecido a 200C, até dourar. Espere esfriar e corte em retângulos de tamanhos iguais e recheie como desejado. Usei creme pasteleiro de baunilha e creme chantilly, e açúcar de confeiteiro polvilhado.)

Fiz também palmiers, depois coloco a receita pra vocês. Olha a massa pronta como fica:

UPDATE: Achei um video bem legal da Julia Child fazendo massa folhada com o chef Michel Richard. A receita é um pouquinho diferente, mas vale pra entender melhor o processo:

http://video.pbs.org/video/1174110297/

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 976 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: