As profissões mais importantes do mundo – mousse de chocolate da Simone

IMG_4240

Tenho uma amiga, produtora de TV, que namorava um médico. Muitas vezes ela tinha de trabalhar aos finais de semana, ou à noite, e o namorado médico ficava zangadíssimo, sem entender porque ela tinha que dedicar tanto tempo a uma profissão tão sem importância. E a coitada nem conseguia se defender direito, porque ele logo tirava da manga a cartada fatal: enquanto ela estava se matando para fazer programinhas de TV ele estava por aí SALVANDO VIDAS.

Claro que o namoro não teve futuro, porque né, que cara chato. Mas enfim.

Ontem, conversando com a minha amiga Simone Izumi, chocolatière de primeira linha (vocês já conhecem o blog dela né? Senão CORRÃO lá agora) cheguei à conclusão que ela está ali ó, pescoço a pescoço com os doutores. Veja: o que seria do mundo sem o chocolate gente? Às vezes só ele salva, e isso é fato sacramentado pela ciência, não sou eu que estou falando não.

E a mousse de chocolate da Izumi, minha gente, é salvadora de qualquer TPM e tristeza corriqueira porque, além de deliciosa, é fácil e rapidinha de fazer. A receita vem do livro dela, Loucuras de Chocolate, uma das melhores obras brasileiras que você vai encontrar nas prateleiras de gastronomia das livrarias.

Mousse de Chocolate (receita reproduzida do delicioso Loucuras de Chocolate, de Simone Izumi)

Rendimento: 6 porções

Ingredientes:

  • 270g de chocolate amargo ou meio amargo
  • 120g de manteiga
  • 75g de gema peneirada (gema de 5 ovos médios)
  • 195g de clara (clara de 5 ovos médios)
  • 90g de açúcar
  • Cacau em pó para polvilhar

Modo de fazer:

Derreta o chocolate meio amargp e a manteiga em banho-maria ou na potência média do micro-ondas por cerca de 2min30s ou até que esteja completamente derretido. Adicione as gemas peneiradas e bata bem com um fuet, até que a mistura fique homogênea.

Bata as claras em ponto de neve. Sem parar de bater, adicione aos poucos o açúcar. Com isso pronto, adicione cerca de 1/~3 desse merengue na mistura de chocolate e gema. Misture até incorporar bem, só então adicione o restante do merengue. Quando a mistura estiver homogênea, despeje em um refratário e leve para gelar por cerca de duas horas. Polvilhe cacau em pó antes de servir.

IMG_4301

 

Fim de férias (thank god) – pudim de pão de mel

pudim de pão de mel

 

Poucas coisas na vida exigem mais imaginação do que férias escolares de criança pequena. Adoraria poder passar o mês de julho num lindo hotel fazenda cheinho de monitores ou ir pra praia o mês inteiro, mas infelizmente esse ano não deu.

Foi gostoso passar bastante tempo com a menininha, inventando passeios e descobrindo a cidade, mas teve também muito malabarismo, já que eu estava tentando trabalhar no meio disso tudo. Criança não quer nem saber – como disse uma pessoa sábia no twitter que eu não lembro quem era, mesmo se uma mãe estiver carregando um hipopótamo nas costas e um gorila em cada mão os filhos ainda ainda vão falar “MÃE, SEGURA MINHAS COISAS PRA MIM”, jogar tudo em cima dela e sair correndo.

Enfim, hoje foi o primeiro dia de aula do segundo semestre e estou aqui aproveitando o silêncio e uma fatia desse pudim, bem devagarinho. Se você é mãe sabe bem do que estou falando, acho que você deveria correr pra cozinha e fazer um também. Você merece.

Essa receita foi inventada na intenção de recriar um pudim de pão que minha mãe fazia, mas não deixou a receita no caderninho. Acabei sendo criativa demais e no fim ficou nada a ver com o dela (risos), porém delicioso, não muito doce e com o sabor marcante das especiarias. Caso não curta alguma delas pode omitir sem problemas.

E falando em receitas da mamãe, o pessoal da revista Casa e Comida está com uma promoção bem legal. O Prêmio Receitas de Família vai eleger os melhores pratos criados pelos leitores – ou herdados daquele parente prendado. Os vencedores ganham uma viagem de 5 dias a Salvador, com direito a acompanhante, além de terem suas receitas publicadas na revista. Para participar consulte o link. As inscrições vão até dia 31 de agosto.

Pudim de Pão de Mel

  • 1/4 de xícara de açúcar cristal ou refinado (PARA CARAMELIZAR A FORMA ***NÃO COLOQUE NA RECEITA***)
  • 1 lata de leite condensado
  • 1 medida da lata de leite integral (mais ou menos 400ml)
  • 2 pãezinhos franceses amanhecidos, cortado em pedacinhos
  • 1 colher de sopa de chocolate em pó 50% de cacau
  • 1 colher de chá de canela em pó
  • 1/2 colher de chá de cravo em pó
  • 1/2 colher de chá de noz moscada ralada
  • 2 colheres de sopa de mel
  • 3 ovos

 

Coloque o pão de molho no leite e preaqueça o forno a 190 graus. Prepare uma assadeira grande com água quente para o banho-maria.

Numa forma para pudim pequena (a minha tinha 16cm de diâmetro por 8 de altura), coloque o açúcar e leve diretamente ao bico do fogão para caramelizar. Não esqueça de usar luvas longas, já que a forma vai esquentar e o caramelo quente é MUITO perigoso, queima feio. Quando estiver com aquela cor âmbar característica de caramelo, retire do fogo e vá virando a forma para caramelizar o fundo e as laterais.  Se você acha que não tem prática suficiente para queimar o açúcar direto na forma, dá também para fazer a mesma coisa numa panelinha e depois transferir o caramelo – sempre de luvas. Deixe esfriar.

Bata no liquificador o restante dos ingredientes. Transfira para a forma preparada e cubra com papel aluminio. Asse em banho-maria por mais ou menos 1 hora, ou até firmar. Deixe esfriar e coloque na geladeira por pelo menos 6 horas. Para desenformar, passe uma faca pelas laterais da forma para soltar o pudim. Se estiver difícil de sair, coloque a forma direto sobre o fogo por alguns segundos para derreter um pouco a calda, e vire num prato grande.

 

Sobre futebol, derrotas e um bolo de morango pra consolar

Bolo de Morango

Entento pouquíssimo de futebol. Faz anos que parei de assistir os jogos do meu time. Fui a um estádio ver jogos duas vezes na vida, um deles para ver a seleção brasileira ganhar numa eliminatória de Copa do Mundo.

Então, com o perdão de vocês que vem aqui pra ver as receitas, hoje eu vou dar meus dois centavos sobre o assunto.

Essa Copa do Mundo foi cheia de emoções contraditórias, desde o começo. Passou por uma alegria inicial pela escolha do Brasil para a sede, aí foi chegando mais perto e as pessoas foram se tocando da grandiosidade do evento. Em alguns bateu um medo de ser um fiasco, já que tantas coisas geridas pelo poder público são um fiasco. Daí todo mundo foi pra rua protestar, porque olhava pros estádios novos e pensava que com aquele dinheiro dava pra construir não sei quantos hospitais (ou ir não sei quantas vezes pra Orlando fazer compras). Daí os gringos começaram a chegar e todo mundo adora uma festa, ainda mais cheia de gringos – é como viajar sem sair do lugar – e todo mundo ficou alegre de novo. Daí começou a Copa e todos vestiram suas camisas amarelo canarinho com muito orgulho, com muito amor e pararam suas vidas, porque quiseram ou foram obrigados pelas circunstâncias.

Aí teve ontem.

Eu, que não ligo muito pra futebol, decidi assistir ao jogo (aquele-que-não-deve-ser-nomeado) sozinha em casa mesmo.

E começaram os gols do adversário, sem parar, concretizando o que deve ser o pior pesadelo de cada um daqueles meninos que estavam jogando. Enquanto eu sentia pena deles começaram a pipocar na minha timeline do facebook as primeiras piadas (é o jeitinho brasileiro de lidar com a dor, fazer piada em velório, e eu sou super a favor), mas também voltaram os textos de revolta, de que nesse país nada funciona mesmo, de que o povo é malandro e desonesto e não gosta de trabalhar, que a Alemanha sim é um exemplo de país, de que a culpa é da presidente, etc etc etc

Eu, de minha parte, me sinto pessoalmente ofendida e ligeiramente confusa quando começa essa espiral de complexo de vira-latice. Ué, vocês não são brasileiros também? Não são o povo? Então vocês são desonestos e não gostam de trabalhar? Ou estão falando que eu, que sou brasileira, sou vagabunda? E o que o cu tem a ver com as calças? Como um jogo de futebol pode ser responsável por definir (ou validar) mais de 200 milhões de pessoas? Até entendo isso fazer algum sentido em 1950 – tempos mais ingênuos mas também quando era ok ser preconceituoso, mas hoje em dia eu esperava um pouco mais de reflexão.

Enfim, hoje eu acordei assim, chateada porque o time de futebol do Brasil perdeu de lavada e porque tanta gente acha que essa derrota assina embaixo e carimba em três vias o documento de escrotidão que é ser brasileiro.

Se eu pudesse, levaria um bolinho de morango pros jogadores, tadinhos, que além de terem perdido por 7 a 1 ainda tem que carregar nos ombros os escombros das expectativas confusas de um monte de gente por aí.

Bolo de Morangos (do site da tia Martha Stewart)

  • 85g de manteiga sem sal, temperatura ambiente
  • 200g (1 e 1/2 xícara) de farinha de trigo
  • 1 1/2 de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 200g (1 xícara) de açúcar), mais 2 colheres de sopa para polvilhar o bolo
  • 1 ovo grande
  • 1/2 xícara de leite
  • 1colher de chá de extrato ou essência de baunilha
  • 1 caixinha de morangos (400g), sem as folhinhas e cortados ao meio no sentido do comprimento

Unte e polvilhe com farinha de trigo uma forma refratária redonda de 25cm. Aqueça o forno a 180 graus. Peneira juntos a farinha, fermento e sal.

Bata na batedeira o açúcar e a manteiga até ficar clarinho. Junte o ovo e bata até ficar um creme fofo. Junte o leite e a baunilha e bata para combinar. Com a batedeira no mínimo, vá colocando a mistura de farinha aos poucos e bata somente até ficar homogêneo.

Transfira a mistura para a forma preparada, alise a massa e distribua as metades de morangos bem próximas umas das outras. Polvilhe com as duas colheres de açúcar e deixe assar por 10 minutos. Abaixe a temperatura para 170 graus e asse até dourar e passar no teste do palito – mais ou menos uma hora.

Sirva morno ou em temperatura ambiente.

fatia de bolo de morango

Crème Brûlée – receita para o solitário (ou egoísta)

IMG_3898

 

O amor por essa receita já começou bandido – dei de cara com ela num livro de receitas que estava folheando numa livraria. O nome da receita: CRÈME BRÛLÉE FOR ONE.

O livro era lindo, cheio de fotos maravilhosas, mas… Custava carésimo e eu estava dura.

Eu precisava desse crème brûlée. Precisava. Ele seria só pra mim.  No amor e na gula guerra, dizem, vale tudo.

Eram só 5 ingredientes. Li a receita umas 10 vezes tentando decorar. Saí correndo da livraria e anotei tudo atrás de um papelzinho que estava na minha bolsa. Me senti meio criminosa, afinal tinha roubado uma receita ali na cara de todo mundo, em plena luz do dia.

Ontem, dia de folga, foi o dia do encontro clandestino com meu pessoal e intransferível crème brûlée. Pena que durou pouco, já estou com saudades.

 

IMG_3925

 

Crème Brûlée para 1 pessoa – do lindíssimo livro Paris Pastry Club, que um dia certamente comprarei.

  • 100g de creme de leite fresco
  • meia fava de baunilha
  • 2 gemas
  • 1 colher de sopa de açúcar refinado
  • açúcar demerara para caramelizar

Aqueça o forno a 150 graus e aqueça água para o banho-maria.

Numa panelinha pequena misture o creme de leite e as sementinhas da baunilha. Coloque também a fava e leve ao fogo para aquecer, mas não deixe ferver.

Numa tigela pequena misture bem com um fouet as gemas e o açúcar refinado. Despeje sobre as gemas o creme quente misturando sem parar até ficar uniforme. Transfira a mistura para uma tigelinha refratária. Cubra com papel alumínio e coloque numa assadeira com bordas altas. Coloque a água quente na assadeira até chegar na metade da tigelinha refratária. Leve ao forno por 40 minutos, até firmar nas bordas.

Deixe esfriar e leve para gelar por algumas horas (o meu eu coloquei no freezer por motivos de impaciência).

Polvilhe uma camada fina de açúcar demerara por cima do creme e queime com um maçarico, ou coloque no grill do forno até caramelizar.

Desligue o celular, sente no sofá com uma mantinha, coloque um filme bacana (pode até ser Amèlie Poulan, porque não?) e saboreie vagarosamente sem contar pra ninguém.

 

IMG_3956

Fazendo mágica – brigadeiro milagroso no banho-maria

Brigadeiro no banho-maria

 

As pessoas de modo geral acham que a vida da doceira é uma coisa fácil e fofa, um mundo cor de rosa que cheira a baunilha e os passarinhos ajudam a gente a decorar os bolos. Tipo a Branca de Neve.

Tanto que uma pergunta que a gente ouve muito é a famigerada: VOCÊ TRABALHA TAMBÉM OU SÓ FAZ DOCE?

Olha, é tudo fofo mesmo, e às vezes cheira a baunilha. E chocolate. Mas o que ninguém imagina é que para a fofura acontecer corre muito sangue, suor e lágrimas por aqui. Ok, talvez não o sangue e lágrimas só de vez em quando, mas tem muito fardo de farinha e açúcar pra carregar, muita embalagem pra comprar, muito trânsito pra pegar e muito, mas MUITO brigadeiro pra mexer.

E todas as vezes que eu tenho que mexer uma panela com 6 receitas de brigadeiro ao mesmo tempo me entrego a uma longa reflexão (longa mesmo, porque dar ponto em 6 receitas de brigadeiro de uma vez demoooooooora pacas): tem que existir um jeito mais fácil de fazer isso, não é possível.

Aí um dia desses, enquanto fazia um pudim, uma lampadinha se acendeu – e se eu colocasse tudo no banho-maria, será que daria certo?

Coincidentemente essa semana apareceu um post na minha timeline do FB de uma colega que faz doce de leite dessa forma – coloca o leite condensado numa forma e assa em no banho-maria, coisa que eu já tinha visto em alguns blogs de países gringos que não tem o costume de usar panela de pressão.

Então fui pra cozinha testar essa idéia – dei uma mexida na receita tradicional do brigadeiro, porque imaginei que como não teria a evaporação normal que acontece no brigadeiro de panela teria de colocar alguma proteína (farinha, gema de ovo ou leite em pó) para ajudar a ficar cremoso. Demorou bastante para dar ponto (ficou 2 horas no forno), mas enquanto isso fiz mil coisas e não fiquei com dor na mão de ficar mexendo o doce na panela, então acredito que tenha sido um EPIC WIN.

Meu amigo Thomaz (tem sempre um espertinho rs) me perguntou se não era mais fácil fazer no microondas. Eu não acho – no microondas dificilmente consegui um ponto perfeito para enrolar e em 80% das vezes o brigadeiro ferveu e sujou todo meu forno. Fora que só dá p fazer uma receita por vez.

Posto aqui então a receita que fiz como teste. Acredito que dê ainda para melhorar alguma coisa, só tempo e prática ajudarão a aperfeiçoar o processo e conto com a colaboração de quem quiser arriscar fazer e postar aqui suas impressões!

Brigadeiro Milagroso no Banho-Maria (versão Beta)

Se quiser dobrar ou triplicar a receita só tome o cuidado da forma não ficar muito cheia de brigadeiro – melhor se for uma forma maior e a massa fique mais espalhada, baixinha na forma, senão pode demorar muito para assar.

  • 1 lata de leite condensado
  • 1/2 caixinha de creme de leite UHT
  • 3 colheres de sopa de chocolate em pó
  • 4 colheres de sopa de leite em pó integral instantâneo (tem que ser esse senão não dá ponto)
  • 1 colher de sopa de manteiga derretida

Aqueça o forno a 200 graus e coloque uma forma com bastante água quente na grade mais baixa do forno. Numa forma redonda misture todos os ingredientes com um fuet. Tampe com papel alumínio e leve ao banho-maria (verifique se a água não está secando).

Depois de 1 hora de forno, abra o papel alumínio e misture bem. Leve ao forno por mais uma hora, repondo a água se necessário.

Ao fim das duas horas verifique se a mistura está pastosa e firme e dê uma boa misturada – a espátula ou fuet deverão deixar um rastro no creme que não se desmancha com facilidade.

Depois de frio fica assim:

IMG_3765

Se for colocar em copinhos ou rechear bolos utilize em temperatura ambiente. Para enrolar leve à geladeira para gelar.

IMG_3838

Pelado e nu com a mão no bolso – Naked cake de coco e pistache

naked cake coco pistache web

Há três anos recebi um email da minha amiga (também doceira de cupcakes lindos e deliciosos) Claudia me avisando que ia se casar e queria que eu fizesse o bolo.

Mandou no email uma foto de um bolo lindo, sem cobertura, com um andar de rosas verdadeiras intercalando dois andares de bolo. Morri de medo mas topei fazer – ainda não tinha essa moda toda de naked cake, com milhares de tutoriais no Pinterest, então ia ter que dar um jeito de equilibrar aquilo tudo sem nenhum pouquinho de pasta americana para dar um truque.

Sofri, chorei, fiquei sem dormir, comprei milhares de rosas a mais do que precisava de medo de dar tudo errado, mas no fim consegui inventar meu jeito de fazer aquele bolo, que resistiu à viagem de carro na cidade esburacada e deixou a noiva feliz.

O famigerado.

O famigerado.

E os noivos gostaram tanto que agora todo ano eles me pedem um, pequenininho, para comemorar o aniversário de casamento.

Esse ano, para comemorar junto com eles e agradecer a confiança de terem me escolhido para fazer parte de um momento tão legal, resolvi deixar de presente para o casal a receita desse bolo – e vivam os noivos!

Naked Cake de Coco e Pistache (rende 1 bolo de 20cm de diâmetro)

Massa:

  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • 200g manteiga em temperatura ambiente
  • 2 xícaras de açúcar
  • 4 ovos
  • 100g de coco ralado seco (um pacotinho)
  • 1 xícara de leite

Recheio de Pistache:

  • 2 latas de leite condensado
  • 1 caixinha de creme de leite UHT
  • 140g de pistache moído
  • 1 colher de sopa de manteiga sem sal
  • 1 colher de sopa de pasta de pistache (opcional, à venda em lojas de material de confeitaria)

Buttercream

  • 200g de manteiga sem sal
  • 3 claras
  • 3/4 de xícara de açúcar refinado
  • extrato de baunilha

Calda simples

  • 1 xícara de açúcar
  • 2 xícaras de água

Para o bolo

Preaqueça o forno a 180°C. unte e peneire com farinha de trigo 3 formas redondas de 20cm de diâmetro.

Em uma tigela grande, peneire a farinha e o fermento. Misture Bem. Reserve

Bata a manteiga e o açúcar até formar um creme branco e fofo. Junte os ovos, batendo bem a cada adição. Junte o coco ralado e bata para misturar. Junte a mistura de farinha, alternado com o leite (farinha/leite/farinha/leite/farinha).

Divida a massa entre as 3 formas preparadas e asse por mais ou menos 25 minutos. Um palito deve sair seco quando espetado nos bolos. Desenforme morno.

Para o recheio de pistache:

Numa panela média de fundo grosso, misture todos os ingredientes (menos a pasta de pistache) e leve ao fogo baixo até ficar cremoso e desprender do fundo da panela. Retire do fogo e misture a pasta de pistache. Utilize frio.

Para o buttercream:

Numa tigela que possa ir ao banho-maria, misture as claras e o açúcar. Leve ao banho-maria, mexendo sempre, até o açúcar dissolver e a mistura ficar bem quente (se você tiver um termômetro, a temperatura é de 71°C). Bata as claras na batedeira até ficarem brancas e fofas, como marshmallow, e esfriarem completamente (leva mais de 10 minutos, então, paciência!). Não pode estar nem morninha, senão não dá certo.

Quando estiver tudo bem frio, com a batedeira ligada, comece a acrescentar os pedacinhos de manteiga, um a um, batendo bem para incorporar a cada adição. Se depois de juntar toda a manteiga a mistura separar ou parecer que “talhou”, continue batendo em velocidade alta, e a cobertura deverá emulsionar novamente. Bata até virar um creme espesso, uniforme e brilhante.

Para a calda simples:

Leve o açúcar e a água ao fogo, mexendo até dissolver. Utilize frio.

Montagem:

Coloque um dos bolos sobre o prato de servir. Molhe com a calda já fria, sem encharcar. Utilizando uma manga de confeitar e um bico perlê grande faça um contorno no bolo:

naked passo1

Coloque o recheio de pistache numa manga descartável e corte a ponta. Preencha o espaço com o recheio:

naked passo 2

Cubra com mais um bolo, tomando cuidado para não ficar torto. Molhe com mais calda e repita a operação buttercream-recheio. Cubra com o ultimo bolo e molhe com calda.

naked passo 4

Polvilhe açúcar de confeiteiro ou açúcar gelado e decore como preferir. O da Clau desse ano tinha um topo fofo de pasta americana:

Pingüinho <3 Corujinha

Pingüinho <3 Corujinha

Bolovo de Páscoa – aniversário de 5 anos do The Cookie Shop

bolovo web

Não sou muito ligada em datas comemorativas, mas quando entrei no wordpress hoje para postar esta receita recebi uma mensagem: PARABÉNS, HOJE SEU BLOG FAZ CINCO ANOS!

Gente, mas já? Fiquei toda nostálgica.

Como tanta, mas tanta coisa pode mudar em cinco anos?

Tudo começou quando fui demitida de um emprego de muitos anos como produtora de tv, minha filha ainda bebê, e esse blog me salvou. Foi aqui que eu descobri uma nova profissão, conheci amigos que viraram família, aprendi a viver de outro jeito. Escolhi essa vida deliciosa (e às vezes penosa) de viver do que se produz com as próprias mãos.

Esse espaço me trouxe conhecimento, troca de idéias, amizade, companhia nas horas de trabalho solitário. Então, depois de tanta coisa boa, tantos momentos felizes, tantos quilos ganhos (e perdidos), a única coisa que posso dizer nesse aniversário de blog é MUITO OBRIGADA GENTE. Espero estar devolvendo um pouco pro mundo tudo o que aprendi por aí com essa gente bacana produzindo conteúdo interessante na rede, vocês são demais.

E apesar desse bolo ter sido feito para comemorar a Páscoa e não o blogversário, fiquei feliz de ter caprichado no post de hoje, assim a gente já mata dois coelhinhos com uma cajadada só (pegaram a piadinha? Coelhinho, Páscoa, hein, hein?)

 

Bolovo de Páscoa de pão de mel com doce de leite e cobertura de chocolate

A massa desse bolo vem do blog da querida Patricia Scarpin (Technicolor Kitchen), que foi um dos blogs que me inspiraram a começar o meu. Hoje fico super feliz de a ter conhecido pessoalmente e até provado a comida dela! Mesmo se não forem fazer o bolo de páscoa, façam o pão de mel, que é uma delícia!

Massa:

  • 4 ovos
  • 220g de açúcar
  • 150ml de óleo
  • 150ml de água
  • 150ml de mel ou glucose de milho – a última, mais econômica $$
  • 360g de farinha de trigo
  • 50g de chocolate em pó
  • 1 colher (chá) de canela em pó
  • ¼ colher (chá) de noz moscada
  • ¼ colher (chá) de gengibre em pó
  • ¼ colher (sopa) de bicarbonato
  • ½ colher (sopa) de fermento em pó
  • 1 pitada de sal

Recheio

  • 1 lata de leite condensado cozido na pressão por 30 minutos

Cobertura

  • 100g de chocolate ao leite picadinho
  • 100g de chocolate meio amargo picadinho
  • 100g de creme de leite UHT

Prepare a massa:
Aqueça o forno a 180 graus. Unte e polvilhe farinha de trigo em duas formas de 25cm de diâmetro, ou uma assadeira retangular grandona.O bolo não deve ficar alto para facilitar a montagem das camadas, imagine assim uma altura de rocambole. Se ficar muito alto, divida a massa depois em camadas menores com uma faca de serra grande.

Misture os ingredientes secos peneirados e reserve. Dilua o mel com a água e o óleo.
Bata os ovos com o açúcar até dobrar de tamanho. Vá juntando à mistura os ingredientes secos intercalando com os líquidos e bata em velocidade alta.

Passe a massa para as formas preparadas e asse por mais ou menos 30 minutos, ou até passar no teste do palito. Deixe esfriar para utilizar.

 

Prepare a cobertura:

Derreta no microondas os dois chocolates juntos em intervalos de 20 segundos, mexendo bem. Misture o creme de leite até ficar homogêneo e deixe repousar até firmar o suficiente para ficar espalhável. Se endurecer demais, coloque co microondas por 10 segundos e misture bem.

 

Montagem:

  • Forma de 20cm
  • Molde para ovo de Páscoa grande (1kg)
  • Plástico filme
  • isopor fino

 

Encaixe o molde na forma de 20cm para que ele não fique virando na montagem e forre com plástico filme:

molde

Forre o molde com uma camada de bolo e apare as rebarbas – se quebrar não tem problemas, só deixe os pedaços o mais juntos possível. Espalhe doce de leite por toda a superfície do bolo:

montagem 1

Intercale camadas de doce de leite e bolo. Feche com uma camada de bolo do tamanho do molde:

montagem 2

Se tiver dificuldade de cortar essa tampa no olhometro, faça um guia de isopor fino – marque com uma faca ou caneta usando o molde do ovo e depois recorte usando a marca que ficou. Use esse guia para cortar a tampa que fecha o bolo:

placa isopor

Aperte bem o bolo para dar uma leve prensada. Embale com as pontas do plástico filme e leve a geladeira por umas 3 horas. Desenforme sobre o prato de servir e retire o plastico com cuidado, vai ficar assim:

bolo sem cobertura

Cubra com a cobertura de chocolate usando uma espátula. Alise bem com uma espátula e, se quiser, faça um arremate usando bico de confeitar do tipo pitanga pequeno junto ao tabuleiro. No meu bolo eu dei uma decorada usando círculos de pasta americana e colando direto sobre a cobertura.

Feliz Páscoa!

Sanduíches de suspiro com chocolate meio amargo

sanduíches de merengue com chocolate meio amargo

Vocês pensam que é fácil a vida da doceira, mas é uma luta. Explico: a gente acaba fazendo sempre os mesmos doces para as encomendas das clientes, mas aí é aquela coisa – sobra um pouco de brigadeiro aqui, uma tampa de bolo ali, aquele cookie que ficou feio e não passou no controle de qualidade  fica rodando na tapaué olhando pra você.

Aí, de vez em quando, a gente olha aquilo tudo e a cabecinha começa a pensar – e se eu juntasse esse resto de doce de leite com aquele resto de bolo de nozes e fizesse um pavê? E se eu esmigalhasse esses cookies e fizesse um sorvetinho? Aí, em nome da gordice  ciência, a gente faz esse tipo de experiência bem calórica que atrapalha toda a alimentação equilibrada que eu sempre sonhei em ter.

Já contei aqui que a minha vizinha é uma sortuda, porque eu despacho sempre alguma coisa pra lá, mas esses sanduíches de merengue com chocolate… Desculpa aí, vizinha, mas fico te devendo.

Os componentes da receita: uma sobra de merengue que eu uso como cobertura de bolos e cupcakes, que assei em forno baixíssimo por umas 3 horas até secar e ficar crocante e uma ganache de chocolate meio amargo que serve para várias coisas – desde cobrir bolos até enrolar em trufinhas.

Sanduíches de Suspiro com Chocolate Meio Amargo

Suspiro (esta receita precisa de um termômetro para uso culinário)

  • 3 claras grandes
  • 1 xícara de açúcar refinado
  • 1/2 colher de chá de extrato ou essência de baunilha

Ganache

  • 400g de chocolate meio amargo em barra, picadinho
  • 200g de creme de leite UHT

Prepare o suspiro

Forre duas assadeiras grandes com papel manteiga e prepare um saco de confeitar grande com um bico pitanga (eu usei o 1M da Wilton). Aqueça o forno  a 100 graus – se no seu não tiver essa temperatura coloque na mínima e deixe uma colher de pau na porta do forno. Numa tigela resistente ao calor, misture as claras e o açúcar. Coloque o termômetro na tigela e leve ao banho-maria, misturando com um fuet, até as claras atingirem 71 graus Celsius. Leve à batedeira e bata por mais ou menos 7 minutos, ou até ficar em ponto de merengue, formando picos firmes. Junte a baunilha e bata mais um pouquinho para misturar.

Passe a mistura para o saco de confeitar e forme rosinhas de merengue nas assadeiras preparadas. Achei esse video que mostra direitinho como eu fiz:

Leve ao forno por mais ou menos 2 horas, dependendo do tamanho dos seus merengues, ou até secarem bem.

Prepare a ganache:

Leve o chocolate ao microondas em intervalos de 30 segundos até ele estar parcialmente derretido, ou seja, quase todo liquido mas com alguns pedacinhos ainda inteiros no meio. Tire do microondas e misture com uma espátula até terminar de derreter tudo. Verifique se o chocolate está muito quente colocando um pouquinho no lábio – misture o creme de leite só quando estiver quase frio.

Deixe a ganache repousar até ficar em ponto pastoso para utilizar. Não coloque na geladeira, senão vai endurecer muito.

Montagem:

Coloque a ganache num saco de confeitar com bico liso pequeno ou pitanga francesa e aplique o recheio em metade dos suspiros, na parte lisa. Cubra com os suspiros restantes. Pode ser guardado em recipiente com tampa por até dois dias. Como essa ganache fica bem durinha é bem fácil de embalar para presente sem o risco de escorrer e melar tudo.

A vida é uma grande geladeira – bolo de coco com abacaxi

bolo de acabaxi com coco

Este bolinho foi feito bem no improviso, para aproveitar um abacaxi que sobrou da festa de ano novo, e me fez filosofar.

A gente faz planos, listas, toma decisões pro ano que chega, mas quem diz que tudo sai do jeito que a gente queria?

Cheguei à seguinte conclusão: A VIDA É UMA GELADEIRA. Um eterno olhar o que tem lá dentro e tentar fazer o melhor que a gente pode. E de vez em quando é bom dar uma olhada pra ver se não tem alguma coisa (ou alguém) vencida escondida ali atrás. E às vezes a gente tem aquela decepção quando vai abrir o pote de sorvete no congelador cheia de esperança e encontra feijão dentro. E aquela salsinha amarelada que está lá há semanas, aquela coisa que incomoda mas a gente vai ignorando sei lá porque?

O bolo filósofo foi assim: a geladeira me deu tudo que eu precisava, e mesmo assim ele saiu diferente do que eu tinha pensado. Saiu mais feinho, mas delicioso.

Delicioso está bom pra mim. A vida não precisa ser perfeita. Nem o bolo. Nem a geladeira.

Bolo de Coco com Abacaxi

  • 1 e 1/2 xícara de abacaxi picado
  • 1 colher de sopa de manteiga sem sal
  • 1/4 xícara de açúcar mascavo
  • 2 colheres de sopa de rum (opcional)

Para a massa:

  • 1 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 xícara de coco ralado seco
  • 2 colheres de chá de fermento em pó
  • pitada de sal
  • 1 xícara de açúcar
  • 1/2 xícara de iogurte natural (pode ser desnatado ou não)
  • 3 ovos grandes
  • essência de coco ou baunilha
  • 1/2 xícara de óleo de canola ou girassol

Prepare a calda de abacaxi:

Numa panela média, derreta a manteiga e junte o açúcar mascavo. Mexa para dissolver e junte o abacaxi. Cozinhe até ficar macio e secar um pouco do liquido. Desligue o fogo e junte o rum. Deixe esfriar para utilizar.

Prepare o bolo:

Unte com manteiga uma travessa refratária retangular de cerca de 20 X 30cm. Aqueça o forno a 180 graus.

Peneire a farinha, o fermento e o sal numa vasilha menor. Misture o coco ralado e reserve.

Numa vasilha média, misture o açúcar, o iogurte, os ovos inteiros e a essência de coco ou baunilha e misture bem até  ficar uniforme. Junte a mistura de farinha e mexa, sem bater, até estar misturado. Mas não mexa demais, senão o bolo fica duro (não tem problema se ficarem umas pelotinhas na massa). Junte então o óleo e incorpore delicadamente com uma espátula grande. Coloque a massa na forma preparada.

Cubra com o abacaxi preparado anteriormente, inclusive a calda, distribuindo por igual sobre a massa. Asse por 50 minutos aproximadamente. Quando pronto, o bolo fica dourado e um palito deve sair seco quando espetado no centro.

Este bolo pode ser servido morno, com uma bola de sorvete, chantilly ou uma colherada de iogurte grego, mas fica ótimo em temperatura ambiente também.

bolo de acabaxi

55 gemas, como lidar? – Papos de Anjo

papos de anjo

O que fazer com 55 gemas?

Resumo da história: comprei algumas caixas de gemas pasteurizadas para uns pudins de encomenda, e sobrou uma. Um quilo inteirinho de gemas amarelinhas. Nada mais nada menos que 55 danadas com a data de validade chegando ao fim.

Jogar fora nem pensar. Arregacei as mangas, me transformei na confeiteira louca portuguesa e dei cabo de todas elas em duas tardes.

Agora vocês vão ter que aguentar a série de receitas que vem pela frente – já aviso que quem tiver problemas de colesterol alto melhor já ir ligando pro cardiologista.

Os papos de anjo foram uma sugestão da amiga Maria Pia – a mãe dela gentilmente me passou a receita, que é quase igual à uma que encontrei no site do programa da Palmirinha (minha referência quando preciso consultar doçaria brasileira, podem ir na dela que não tem erro). Eu, a bem da verdade, provei papos de anjo uma vez na vida, há muito tempo, mas nunca me esqueci da delícia daquele sabor. É daquelas sobremesas mágicas que levam poucos ingredientes e são tão fáceis de fazer que a gente nem acredita – ainda mais quando as gemas já vem separadas numa caixinha longa-vida, como foi o meu caso.

Facilita mais ainda se for utilizado um spray para untar as forminhas (comprei um importado, da Wilton, por 17,00 a latinha), aí é tipo fast food.

Papos de Anjo (rende aproximadamente 40 unidades pequenas)

  • 1 quilo de açúcar
  • 1,5l de água
  • 1 colher de chá extrato ou essência de baunilha
  • 12 gemas
  • 3 colheres de sopa de amido de milho
  • 1 colher de chá de fermento em pó

Comece fazendo a calda: Numa panela média, misture a água e o açúcar. Leve ao fogo forte e deixe ferver até o açúcar dissolver bem e formar uma calda rala. Desligue o fogo e misture a baunilha. Reserve.

Unte com manteiga e polvilhe farinha de trigo (ou use spray desmoldante) 40 forminhas de empadinha e as coloque sobre uma assadeira grande. Ou faça o mesmo com as cavidades de 2 formas para mini cupcakes (usei essas). Aqueça o forno a 200 graus.

Na batedeira, bata as gemas por cerca de 10 minutos, até ficarem claras, fofas e cremosas. Junte o amido de milho e o fermento e bata novamente para misturar.

Encha as forminhas até a metade e leve ao forno até firmar e dourar ligeiramente. Deixe amornar, desenforme e coloque os papos na calda ainda na panela. Quando esfriar completamente passe para uma compoteira e guarde em geladeira. Sirva depois de algumas horas, ou no dia seguinte.

papos de anjo 2

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.009 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: