Bolo invertido de peras

bolo invertido de peras

O ruim de ter família pequena constituida somente por mim e uma criança de 7 anos é o seguinte: você vê uma receita linda de um bolo de peras com açúcar mascavo. Aí resolve fazer, mas sabe, lá no fundo do seu peito, que talvez você tenha que comer o bolo inteiro sozinha.

É triste amigos. Você passa horas na cozinha adicionando uma pitada de amor e um pedacinho de carinho aos mais deliciosos manjares e na sala de jantar está o crítico gastronômico mais cruel de todos, a criança, acabando com seus sonhos logo quando você acha que vai arrasar com aquele jantarzinho gostoso.

Fiz o bolo. Meio trabalhosinho. Descasca as peras, corta as peras, faz caramelo, bate massa, faz aquela prece antes de desenformar pra não quebrar. Nasceu o bolo, lindo, igual o da foto da revista.

Desta vez não, Gordonzinha/ Paolinha Carosella/ Eriquinha Jacquin do meu coração –  muito trampo pra ver você torcer seu narizinho fofinho pro meu bolo. Embalei o lindo e levei direto pras minhas alunas do curso de biscoitos decorados. Malz aê.

Bolo Invertido de Peras

receita da revista Fine Cooking com algumas mudadinhas de leve

Para a cobertura de peras
  • 2 peras grandes – usei da variedade Bosc, maiores e mais firmes, mas pode usar qualquer uma
  • 1 xícara de açúcar
  • 1/4 de xícara de água
  • 60g de manteiga sem sal, cortada em 4 pedaços
Para a massa
  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de gengibre em pó (opcional)
  • 1/2 colher de chá de canela em pó
  • 1 pitada de sal
  • 1/2 xícara de leite
  • 1 colher de chá de baunilha
  • 120g manteiga sem sal em temperatura ambiente
  • 1/2 xícara de açúcar refinado
  • 1/2 xícara de açúcar mascavo
  • 2 ovos

Faça a cobertura de peras:

Unte com manteiga uma forma redonda de 25cm de diâmetro. Corte um disco de papel manteiga do tamanho do fundo da forma e forre. Unte novamente.

Descasque, tire o miolo e corte as peras no sentigo longitudinal em fatias bem finas. Arrume as fatias no fundo sobre o papel manteiga untado, ligeiramente sobrepostas, como se fosse um leque e reserve.

Numa panela média coloque o açúcar e a água, misture bem. Leve ao fogo, sem mexer até o açúcar derreter e ficar com cor de caramelo. Se precisar uniformizar gire levemente a panela. Tire do fogo e junte a manteiga, um pedaço de cada vez, e misture bem com um fuet. Despeje o caramelo quente sobre as peras imediatamente e deixe esfriar enquanto prepara a massa.

Faça a massa:

Preaqueça o forno a 180 graus. Numa tigela peneire a farinha, fermento, especiarias e sal. Na batedeira, bata a manteiga com os açúcares até ficar cremoso. Junte os ovos, um a um, e bata até uniformizar. Junte a baunilha.

Adicione a mistura de farinha de trigo alternando com o leite, começando e terminando com a farinha, batendo em velocidade baixa somente até ficar homogêneo.

Distribua a massa sobre as peras alisando com uma espátula. Leve ao forno e asse por mais ou menos 40 minutos, ou até passar no teste do palito.

Deixe esfriar por 15 minutos e desenforme sobre um prato. Retire o papel manteiga e sirva frio.

 

bolo de peras

Doce de abóbora de coração

IMG_1174

Um negócio que eu sempre quis saber como era feito era o doce de abóbora de coração.

Lembro bem da minha mãe falando quando a gente era criança que não dava pra fazer em casa, tinha que deixar descansar no sol um dia inteiro pra formar a casquinha. Muito me impressionou essa história do sol: ficava imaginando a fábrica de doce de abóbora com um quintalzão enorme cheio da assadeiras no chão com os corações secando por horas a fio. E se chovesse? Será que vinha um monte de funcionários com guarda-chuvas ou tinha que jogar tudo fora?

No fim das contas desisti de fazer os corações em casa, principamente porque a gente morava em apartamento e mamãe  me convenceu de que seria meio inconveniente ficar tomando conta dos doces na piscina do prédio.

Mas eu cresci e agora sou mulher (bj Sandy Júnior) e né, não é possível, tem que ter um jeito de fazer esse docinho sem depender das condições meteorológicas. Depois de exaustivas pesquisas o pessoal dos laboratórios The Cookie Shop chegou às seguintes conclusões:

1. Sim, existem receitas que pedem que o doce seque ao sol e minha mãe não estava tentando me enganar;

2. Porém o sol não serve pra nada porque o açúcar do doce cristaliza de qualquer jeito.

O processo foi bem fácil e pra mim deu super certo – se vocês fizerem me contem se gostaram!

IMG_5380

Doce de abóbora de coração


rendimento varia conforme o tamanho dos corações, cerca de 20 unidades

Algumas observações antes da receita: usei o mesmo peso da abóbora em açúcar, por exemplo, para 1 kg de abóbora, 1 kg de açúcar. Pode diminuir ou aumentar conforme a necessidade. A melhor abóbora para doces é a abóbora de pescoço ou abóbora seca. Pode usar também a abóbora paulista se não encontrar a outra.

O corte do doce em corações gera algum desperdício, já que sobram rebarbas. Dá também para esperar esfriar um pouquinho e modelar quenelles com duas colheres, ou ainda cortar em quadrados.

  • 700g de abóbora seca, descascada e cortada em cubos
  • 1 pauzinho de canela
  • 6 cravos
  • 1/2 xícara de água
  • 1 colher de chá de vinagre
  • 700g de açúcar cristal

Numa panela média coloque a abóbora, a canela, os cravos, o vinagre e a água. Tampe e deixe cozinhar em fogo médio até a abóbora ficar desmanchando. Se a água secar pode pingar um pouquinho mais.

Retire a canela e os cravos. Nesse momento, se a preferência for por um doce mais cremoso, passe a abóbora numa peneira ou bata com o mixer na panela mesmo. Se gostar do doce com mais textura (eu prefiro assim) amasse a abóbora com um garfo para desmanchar.

Junte o açúcar, misture e deixe cozinhar em fogo médio-alto com a panela destampada até restar pouco liquido.

Aproveite para untar a bancada ou uma assadeira com manteiga.

Comece a mexer o doce com uma colher de pau ou espátula de silicone como se fosse brigadeiro, até o liquido secar e desprender do fundo da panela. Nesse momento é importante não deixar cozinhar demais, senão o doce açucara totalmente quando esfria e vira uma rapadurinha de abóbora.

Passe o doce da panela para a bancada ou assadeira untada. Deixe amornar e firmar e corte os corações. Deixe descansar por algumas horas (deixei umas 3 horas) e vire para secar o outro lado.

Guarde em recipiente vedado. Validade de 5 dias.

IMG_5391

 

 

Arroz doce com leite condensado

arroz doce com leite condensado

Andei meio adoentada no último mês – passei por uma cirurgia para tirar umas pedras na vesícula, o que acabou trazendo uma série de restrições alimentares. A pior de todas: proibido chocolate.

TENSO.

Bateu até uma deprê. E não podia chocolate pra combater a tristeza.

Acabei entrando numa reflexão sobre comidas de guerrilha que trazem felicidade instantânea: frango assado da televisão de cachorro, farofa com banana, sopa de ervilha com bacon, pudim, bolinho de chuva. E … arroz doce!

Arroz doce eu podia comer: não era frito, não tinha chocolate e definitivamente fazia parte da minha listinha de comidas-conforto que abraçam por dentro.

Aproveitei uma receita que chegou no meu email enviada por uma marca de arroz – ficou do jeitinho que eu gosto, cremoso e molhadinho, para ser comido quente ou morno.

E vocês, qual a sua lista de comidas anti-tristeza? Contra prazamigas nos comentários!

Arroz Doce com Leite Condensado


(receita enviada pela assessoria do arroz Camil, minhas observações em negrito)
Rendimento: 6 porções

  • 1 xícara (chá) de arroz agulhinha
  • 1 pedaço pequeno de canela em pau
  • 2 xícaras (chá) de água
  • 1 litro de leite
  • 1 lata de leite condensado
  • 1 tira de casca de limão
  • canela em pó para polvilhar

Em uma panela, coloque o arroz , o pedaço de canela e a água e cozinhe em fogo médio, com a panela parcialmente tampada, por 10 minutos ou até começar a secar o líquido.

Adicione o leite, o leite condensado e a casca de limão. Misture e cozinhe até ferver.

Reduza o fogo e cozinhe, mexendo algumas vezes, por 20 minutos (pra mim demorou um pouco mais) ou até ficar cremoso.

Coloque em um refratário (ou em potinhos individuais), espere esfriar e leve à geladeira (eu preferi servir morno).

Polvilhe a canela e sirva a seguir.

rice pudding

Fatias Húngaras

fatias hungaras

 

Estamos de volta!

Depois de uma ausência temporária, retornamos em grande estilo – este bloguinho que mora nos nossos corações completou 6 anos no ar em maio. Nada melhor que vestir uma roupinha nova pra festa né? Então não estranhem e não vão embora que é a gente mesmo – só que com uma cara mais moderninha e logo novo em folha feito pela designer Marília Cichini.

Pra esse retorno escolhi um doce que é a nossa cara. E a cara das nossas mães, das nossas avós e também a cara daqueles chás da tarde de domingo com a família toda, porque aff, ô receita que rende viu, benza deus.

Pra quem não conhece as fatias húngaras: são pãezinhos tipo rosca com recheio de coco ralado, molhadas com uma caldinha de açúcar com leite, publicadas nos primeiros livros de receitas do açúcar união. IMG_1079 Lembram  bastante os cinnamon rolls, mas a massa é menos fofinha e não crescem tanto.

Várias pessoas já me pediram que eu mandasse a foto da página do livro por email, então ó: tá aqui pra vocês. Parece que esses rolinhos fazem parte das lembranças de muita gente, então vamos todos mandar um beijo no coração <3 da Dona Arismar Lara de Araraquara que mandou a receita pra fábrica de açúcar e deixou nossa infância mais feliz.

Aqui em casa eu fiz meia receita e alterei algumas coisinhas mínimas, vou postar aqui com as minhas adaptações.

Fatias Húngaras

adaptada do livro 200 receitas do açúcar união (rendimento: aprox. 20 fatias)

Para a massa:

  • 480g de farinha de trigo
  • 1/2 pacotinho (5g) de fermento biológico seco
  • 20g (2 colheres de sopa) de açúcar refinado
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 3 gemas
  • 1 xícara (240ml) de leite integral em temperatura ambiente

Para o recheio:

  • 50g de manteiga derretida
  • 100g de açúcar refinado
  • 50g de coco ralado (usei seco, mas imagino que fresco fique maravilhoso)

Para a calda

  • 1 xícara de açúcar refinado
  • 1/2 xícara de leite integral

Prepare a massa:

Na tigela da batedeira misture a farinha e o fermento. Adicione o açúcar e o sal e misture novamente. Faça um buraco no meio e adicione as gemas e o leite. Misture bem com as mãos – se a massa estiver muito seca ou dura adicione um pouquinho mais de leite. Sove por 10 minutos na batedeira com o gancho para massas pesadas. Se não tiver pode sovar na mão mesmo até ficar bem macia.

Cubra a massa com um pano úmido ou plástico filme e deixe descansar por 15 minutos.

Enquanto isso, faça o recheio misturando a manteiga e o açúcar e unte uma assadeira retangular de 20 X 30cm, ou uma redonda de 25cm.

Divida a massa em duas partes e abra com o rolo formando dois retângulos. Espalhe a mistura de manteiga e açúcar e polvilhe o coco ralado. Enrole pelo lado mais comprido, bem apertado, formando um rocambole.

Corte em fatias de 2 dedos e arrume na assadeira preparada, deixando um espaço de pelo menos 2cm entre as rosquinhas para que elas cresçam. Deixe descansar até crescerem (pode demorar mais de uma hora se estiver frio).

* Dica * Como eu sempre fico na dúvida de a massa de pão já cresceu o bastante, comecei a tirar uma foto com o celular para fazer um ANTES/DEPOIS. Se tiver mais ou menos dobrado de volume já está bom. Me ajudou bastante!

Asse em forno preaquecido a 180 graus por 25 a 30 minutos, ou até dourarem. Tire do forno e jogue por cima a caldinha feita com o leite e açúcar – pode regar sem dó. Volte ao forno desligado e deixe mais uns 20 minutos para a calda encorpar.

Sirva morno ou em temperatura ambiente.

Validade de 3 dias fora da geladeira, guardadas em recipiente vedado.

 

coconut rolls

Pudim de Nozes da Cintia

pudim de nozes

A história de hoje é a seguinte: perto do natal apareceu um post no facebook de uma amiga pedindo a receita de um tal pudim de nozes pra uma amiga dela. Cometi a indiscrição de dar uma fuçada nos comentários pra ver que receita era essa por motivos de: PUDIM + NOZES. A amiga falou que ia procurar e fui fazer outra coisa, acabei esquecendo da história.

Só que o facebook é aquela coisa do algoritmo sem noção – clicou uma vez num negócio pode ter certeza que esse assunto dominará sua timeline por várias gerações. Exemplo: uma vez eu pesquisei preços de sofá, comprei um sofá, já até manchou o sofá, já acabei de pagar as 12 prestações do sofá, e até hoje o facebook não superou e me recomenda páginas sobre sofás.

Pelo menos o Markinho Zuquerbergue teve alguma noção de que aqui o negócio é comida e dessa vez minha TL obcecou com pudins e toda hora aparecia uma referência sobre esse pudim de nozes. A Alessandra (a amiga que pediu a receita) fez e postou a foto, daí outra amiga dela aguou e fez também, só sei que esse pudim apareceu umas 80 mil vezes na minha frente e eu, óbvio, não pude mais ignorar esse sinal do além.

Fui investigar e descobri que a dona do pudim é a Cintia Marcucci – na verdade a receita foi passada há mais de 20 anos por uma conhecida da mãe dela (você pode ler a história completa aqui no blog dela) e ,vejam bem, qualquer receita com mais de vinte anos sendo passada de mão em mão pra mim tem selo de garantia de sucesso.

E olha, podem fazer viu. Aproveitem aí o próximo almoço de família, pizza em casa com os amigos, jantar de aniversário e façam o pudim de nozes mais famoso do feicy – ele é do tipo sem furinhos, mais pro doce e o sabor bem suave, já que o creme de chocolate separa das nozes moídas e fica tipos duas texturas distintas em uma só fatia. E como disse a Cintia, o que é gostoso a gente precisa dividir, então segura aí a receita – e o meu desejo de um lindo ano novo pra vocês <3 <3 <3

Pudim de Nozes da Cintia

  • 2 latas de leite condensado
  • 200ml de leite
  • 2 ovos
  • 1 xícara (120g) de nozes picadas
  • 1 colher de sopa de chocolate em pó
  • 1/4 de xícara de açúcar para caramelizar a forma

Preaqueça o forno a 200 graus com a grade na parte mais baixa. Prepare uma assadeira grande com água quente para o banho-maria. Caramelize uma forma de pudim pequena (entre 16 e 20cm de diâmetro) e reserve.

Triture as nozes no liquidificador e junte os demais ingredientes. Bata até ficar uniforme, passe para a forma caramelizada e cubra com papel alumínio. Asse até um palito sair seco – no meu forno ficou mais de uma hora. Cuidado para não secar a água do banho maria, fique de olho e vá completando se baixar.

Deixe esfriar um pouco e leve à geladeira por pelo menos 6 horas para desenformar. Decore com nozes e sirva geladinho.

fatia pudim de nozes

Presente da cozinha – fudge super fácil de caramelo, chocolate e flor de sal

IMG_4554

Outro dia minha amiga Paula Simões me apareceu com esses fudges.

Provei um pedacinho e me apaixonei – caramelo, chocolate e sal, na minha opinião, é a combinação mais espetacular que já foi criada na confeitaria. Infelizmente eu bobeei e quando fui procurar onde estavam os docinhos eles já tinham todos desaparecido, e eu fiquei pensando que aquela deliciosidade devia dar o maior trampo pra fazer e chorei um pouquinho por dentro.

Dias depois pedi a receita prazamiga, apenas por curiosidade.

Para a minha felicidade azamiga não é boba nem nada – achou a receita de doce mais fácil de toda a rede mundial de computadores, mais conhecida como internets. Talvez até a receita mais fácil do mundo.

E nesses tempos de vacas magras, esses fudges embalados numa bela lata servem de presente de natal pra qualquer ente querido que aprecie um bom doce.

Fudges de caramelo, chocolate e flor de sal super fáceis (adaptados daqui) – rende 24 unidades

  • 500g de chocolate branco picado
  • 1 lata de leite condensado cozido na pressão por 40 minutos, ou o equivalente em doce de leite pronto (395g)
  • 150g de chocolate meio amargo picado
  • 30g de manteiga sem sal
  • flor de sal a gosto

Forre com papel alumínio uma forma quadrada de 20cm. Numa tigela resistente ao calor, derreta o chocolate branco no microondas em intervalos de 30 segundos, na potencia média. Junte o doce de leite e uma pitada gordinha de flor de sal e misture bem até ficar homogêneo. Vai se formar uma pasta pesada. Passe a mistura para a forma forrada e espalhe com as mãos.

Derreta o chocolate amargo com a manteiga no microondas em intervalos de 30 segundos, potencia média. Quando ficar brilhante e homogêneo, espalhe sobre a primeira mistura de doce de leite. Polvilhe com mais flor de sal, a gosto.

Deixe endurecer em temperatura ambiente (vai levar umas 6 horas) e corte em pedacinhos. Pode também endurecer na geladeira, mas quando tirar pode acontecer de se formarem gotinhas de água na superficie.

Para aumentar a durabilidade, substitua essa cobertura por chocolate temperado.

IMG_4595

 

 

Let’s waffle it – waffles de fubá

waffles

Tenho usado demais minha máquina de waffle – já testei com pão de queijo caseiro, pão de queijo congelado do supermercado,  massa de cookie, sanduíche de presunto e queijo, massa de pão crua, cinammon roll, massa de bolo e até para esquentar waffle congelado comprado pronto.

Nem tudo é um sucesso, admito, mas tem algo de irresistível em fazer uma coisa que demoraria 40 minutos no forno ficar pronta em 10 – e ainda sair toda quadriculada e crocante e quentinha e pronta pra comer.

Crente que eu era a única no mundo, achei esse colega aqui:

Nesse espírito de fazer tudo na vida virar um delicioso waffle a inspiração bateu outro dia quando achei um saquinho de fubá mimoso (adoro esse nome) na despensa. Waffles de fubá, porque não? A receitinha deu certo de primeira – pra quem gosta de waffles mais crocantes deixe na máquina até dourar bem. Servi acompanhado de uma compotinha de morangos, mel e manteiga, mas imagino que deva ficar melhor ainda com uma geléia de goiaba e um requeijãozinho.

Waffle de Fubá Mimoso (rende 6 waffles)

  • 1/2 xícara de fubá mimoso
  • 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1 colher de café de sal
  • 3 colheres de sopa de açúcar refinado
  • 1 ovo
  • 3 colheres de sopa de óleo de canola
  • 1/2 xícara de leite
  • gotinhas de essencia de baunilha (opcional)

Lique a máquina de waffle e pincele com manteiga.

Numa tigela média, misture todos os ingredientes secos (fubá, farinha, fermento, sal e açúcar). Faça um buraco no meio da mistura e junte o ovo, óleo, leite e baunilha. Misture com um fuet até ficar homogêneo.

Coloque a massa às colheradas na máquina já bem quente e vá vigiando para não queimar. Coloque os waffles já prontos sobre uma grade e sirva quentinhos. Se sobrar ou quiser fazer a mais eles podem ser congelados e aquecidos numa torradeira ou na própria maquininha.

IMG_0101

 

 

1 2 28
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.232 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: