pães

Gougères – o pão de queijo francês

De vez em quando eu gosto de revisitar os tijolinhos base da confeitaria – é bom pra gente não esquecer as receitas tradicionais, se aperfeiçoar e também inventar uma moda, porque né, aqui a gente adora dar uma bagunçada nos clássicos.

Esses bolinhos de amor chamados gougères são um quitute que você já viu com certeza na sua versão açucarada – eles nada mais são do que uma carolina/bombinha sem recheio e com muito queijo na massa.

A massa utilizada é a pâte à choux, que parece difícil mas é tão fácil (ou mais) de fazer quanto um pão de queijo. Se precisarem de ajuda visual tem um passo a passo nos destaques nos stories do meu Instagram.

Aqui a minha inventada de moda foi trocar os queijos tradicionalmente usados por um bom meia cura mineiro, daqueles bem duros e salgadinhos mas, na real, qualquer queijo que dê pra ralar pode entrar nessa dança aqui.

Continuar lendo

Fatias Húngaras

fatias hungaras

 

Estamos de volta!

Depois de uma ausência temporária, retornamos em grande estilo – este bloguinho que mora nos nossos corações completou 6 anos no ar em maio. Nada melhor que vestir uma roupinha nova pra festa né? Então não estranhem e não vão embora que é a gente mesmo – só que com uma cara mais moderninha e logo novo em folha feito pela designer Marília Cichini.

Pra esse retorno escolhi um doce que é a nossa cara. E a cara das nossas mães, das nossas avós e também a cara daqueles chás da tarde de domingo com a família toda, porque aff, ô receita que rende viu, benza deus.

Pra quem não conhece as fatias húngaras: são pãezinhos tipo rosca com recheio de coco ralado, molhadas com uma caldinha de açúcar com leite, publicadas nos primeiros livros de receitas do açúcar união. IMG_1079 Lembram  bastante os cinnamon rolls, mas a massa é menos fofinha e não crescem tanto.

Várias pessoas já me pediram que eu mandasse a foto da página do livro por email, então ó: tá aqui pra vocês. Parece que esses rolinhos fazem parte das lembranças de muita gente, então vamos todos mandar um beijo no coração ❤ da Dona Arismar Lara de Araraquara que mandou a receita pra fábrica de açúcar e deixou nossa infância mais feliz.

Aqui em casa eu fiz meia receita e alterei algumas coisinhas mínimas, vou postar aqui com as minhas adaptações.

Fatias Húngaras

adaptada do livro 200 receitas do açúcar união (rendimento: aprox. 20 fatias)

Para a massa:

  • 480g de farinha de trigo
  • 1/2 pacotinho (5g) de fermento biológico seco
  • 20g (2 colheres de sopa) de açúcar refinado
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 3 gemas
  • 1 xícara (240ml) de leite integral em temperatura ambiente

Para o recheio:

  • 50g de manteiga derretida
  • 100g de açúcar refinado
  • 50g de coco ralado (usei seco, mas imagino que fresco fique maravilhoso)

Para a calda

  • 1 xícara de açúcar refinado
  • 1/2 xícara de leite integral

Prepare a massa:

Na tigela da batedeira misture a farinha e o fermento. Adicione o açúcar e o sal e misture novamente. Faça um buraco no meio e adicione as gemas e o leite. Misture bem com as mãos – se a massa estiver muito seca ou dura adicione um pouquinho mais de leite. Sove por 10 minutos na batedeira com o gancho para massas pesadas. Se não tiver pode sovar na mão mesmo até ficar bem macia.

Cubra a massa com um pano úmido ou plástico filme e deixe descansar por 15 minutos.

Enquanto isso, faça o recheio misturando a manteiga e o açúcar e unte uma assadeira retangular de 20 X 30cm, ou uma redonda de 25cm.

Divida a massa em duas partes e abra com o rolo formando dois retângulos. Espalhe a mistura de manteiga e açúcar e polvilhe o coco ralado. Enrole pelo lado mais comprido, bem apertado, formando um rocambole.

Corte em fatias de 2 dedos e arrume na assadeira preparada, deixando um espaço de pelo menos 2cm entre as rosquinhas para que elas cresçam. Deixe descansar até crescerem (pode demorar mais de uma hora se estiver frio).

* Dica * Como eu sempre fico na dúvida de a massa de pão já cresceu o bastante, comecei a tirar uma foto com o celular para fazer um ANTES/DEPOIS. Se tiver mais ou menos dobrado de volume já está bom. Me ajudou bastante!

Asse em forno preaquecido a 180 graus por 25 a 30 minutos, ou até dourarem. Tire do forno e jogue por cima a caldinha feita com o leite e açúcar – pode regar sem dó. Volte ao forno desligado e deixe mais uns 20 minutos para a calda encorpar.

Sirva morno ou em temperatura ambiente.

Validade de 3 dias fora da geladeira, guardadas em recipiente vedado.

 

coconut rolls

Cinnamon Rolls

 

Outro dia eu estava aqui pensando se as outras pessoas “normais” também fazem isso – eu e as minhas amigas conversamos sobre um monte de coisas, mas conversamos muito, mas muito mesmo, sobre comida.

Especialmente minha querida amiga Maria Pia, que alegra meus dias trocando fotos de quitutes e receitas futuras comigo, como quem troca figurinhas da Copa.

É um tal de “olha essa receita”, “já comeu isso?”, “conhece esse restaurante?” e uma tarde dessas ela me conta que está fazendo cinnamon rolls.

E o diálogo não é só “Oi miga, tô fazendo cinnamon roll.” Nesses tempos de mensagens instantâneas a coisa fica muito mais cruel, porque vem a foto da receita, imagens da massa crescendo, a descrição do cheirinho da canela pela casa e como agora a miga tá comendo eles quentinhos e eles são docinhos e macios e é impossível comer um só. E também como eles eram tão deliciosos que já acabaram e não deu pra guardar um pra mim.

Não deu. Tive que ir pra cozinha fazer  – e aproveitei pra dar o troco e torturar minha amiga com fotos e descrições. A vingança é um prato que se serve morninho com cheiro de canela (brinks ameega, tinhamo!).

cinnamon roll

Cinnamon Rolls (rendimento 12 a 15 unidades)

A receita foi ligeiramente adaptada da rainha americana das gordices, Paula Deen, e é super fácil de fazer, principalmente se você sovar a massa na batedeira planetária com o gancho. A parte chata são só os intervalos para a massa crescer. Se joguem.

Para a massa:

  • 1 pacotinho de femento biológico seco (10g)
  • 1/2 xícara de água em temperatura ambiente
  • 50g de açúcar
  • 1/2 xícara de leite em temperatura ambiente
  • 75g de manteiga sem sal, derretida e fria
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 ovo grande ou extra
  • 460g de farinha de trigo

Para o recheio:

  • 100g (1/2 xícara) de manteiga derretida
  • 150g de açúcar
  • 2 colheres de sopa de canela em pó

Para a cobertura:

  • 55g manteiga sem sal
  • 2 xícaras de açúcar de confeiteiro
  • 1/2 colher de chá de baunilha
  • 3-6 colheres de sopa de água quente

 

Comece pela massa: numa tigelinha pequena misture o fermento e a água para dar uma dissolvida. Num bowl grande ou na tigela da batedeira, misture o açúcar, leite, manteiga derretida, sal e ovo. Junte metade da farinha de trigo, misture bem, e junte a água com o fermento. Vá adicionando o restante da farinha aos poucos, até ficar uma massa pegajosa, mas que dá para manipular.

Sove por 10 minutos, à mão ou na batedeira com o gancho para massas pesadas. A massa deverá ficar lisa e não grudar mais nas mãos. Cubra o bowl com plástico filme e deixe crescer até dobrar de volume, mais ou menos 1 a duas horas.

Abaixe a massa com as mãos para tirar o ar. Numa superfície de trabalho polvilhada com farinha de trigo, abra a massa com um rolo, formando um retângulo de mais ou menos 20X40cm. Pincele a manteiga derretida sobre a massa e polvilhe o açúcar misturado com com a canela.

Enrole como um rocambole, bem justo, começando da parte mais comprida. Dê uns beliscões para colar a emenda.

Com uma faca afiada corte em 12 a 15 pedaços e coloque numa assadeira de 20 por 30cm, untada com manteiga e polvilhada com açúcar. Deixe um espaço entre os rolinhos.

Deixe os pãezinhos crescerem por mais 45 minutos e leve para assar em forno aquecido a 180 graus, na grade do meio, por mais ou menos 30 minutos ou até dourarem.

Tire do forno e deixe esfriar um pouco enquanto faz a cobertura: num bowl médio misture a manteiga derretida e o açúcar. Vá adicionando a água quente aos poucos até ficar em ponto de fondant. Cubra os pãezinhos ainda quentes, deixe amornar e sirva.

 

IMG_3876

%d blogueiros gostam disto: