passo a passo

Anatomia de um bolinho – um passo a passo de como fazer cupcakes

De todos os emails que eu recebo, a grande maioria vem com perguntas sobre esse bolinho que é a febre do momento: o cupcake. Ele é tão bonitinho e gostosinho, que até parece uma coisa difícil de fazer. Mas gente: NÃO É DIFÍCIL.

Primeiro de tudo: não existe uma receita específica de cupcake – ele nada mais é do que um bolo assado em forminhas de papel e coberto com o glacê ou cobertura da sua preferência. Existem receitas que se prestam mais a serem assadas em forminhas pequenas, ficam mais bonitas, mais redondinhas em cima, mais úmidas – mas de forma geral, a regra (pelo menos a minha) é usar uma receita de bolo gostosa e que você esteja acostumado a fazer.

Vamos agora dissecar um “espécime”? (*cara de cientista louca)

Este cupcake foi assassinado em nome da ciência.

Este bolinho eu fiz pra vocês: bolinho de baunilha, cobertura de buttercream de frutas vermelhas e recheio de geléia de frutas vermelhas. Mas poderia ser um bolinho de chocolate, com recheio e cobertura de brigadeiro. Ou até mesmo um bolinho de nozes, recheio de doce de leite e cobertura de marshmallow. Se você abrir seu caderno de receitas (ou o da sua mãe ou avó) aposto que vai encontrar todos os elementos que irão compor sua criação. Segue a minha receita:

Bolinho de baunilha (rende mais ou menos 15 cupcakes)

  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 colher de sopa de fermento em pó
  • 1 pitada de sal
  • 100g de manteiga sem sal, em temperatura ambiente
  • 3/4 de xícara mais 2 colheres de sopa de açúcar
  • 1 colher de chá de essência de baunilha
  • 2 ovos
  • 3/4 xícara de leite

Material necessário:

  • forminhas de papel no. 0, ou especiais para cupcakes (eu uso da marca Mago)
  • Forma de metal especial para muffins, ou forminhas de metal para empada (tem que caber a forminha de papel dentro, sem ficar justo)
  • grade para esfriar os bolinhos (se não tiver, use o seu escorredor de pratos)

Preaqueça o seu forno a 180°. Coloque uma forminha de papel em cada cavidade da forma de muffins, ou nas forminhas de empada.

Numa tigela, peneire a farinha, fermento e sal. Reserve.

Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até ficar claro e fofo. Junte a baunilha e os ovos, um de cada vez, batendo bem após cada adição.

Em velocidade baixa, junte a farinha em três adições, intercalando com o leite (termine com a farinha) e misture até ficar homogêneo. Não bata demais.

Com a ajuda de uma colher de sopa, encha as forminhas até 2/3 cheias. Assim, ó:

Leve ao forno por aproximadamente 20 minutos, ou até um palito sair seco quando espetado nos bolinhos. Assim que sair do forno, se possível, transfira os bolinhos para uma grade e deixe esfriar completamente antes de decorar.

Atenção:

  • Não espere os bolinhos dourarem por cima para tirar do forno. Como eles são pequeninos, a tendência é ressecarem e ficarem duros se assarem demais. Tire assim que passarem no teste do palito, mesmo se estiverem branquelos.
  • A minha forma de muffins é preta, e por isso eu fico muito atenta ao tempo de forno: formas escuras e de silicone podem superaquecer e queimar seus bolinhos.
  • Não deixe os cupcakes esfriarem dentro da forma – o vapor condensa nos bolinhos e as forminhas de papel podem se soltar depois.
  • Os cupcakes sem cobertura podem ser congelados – embale em plástico e em recipiente com tampa e guarde no freezer por até 3 meses.

Recheio

Para rechear meus cupcakes eu uso qualquer recheio cremoso e delicioso que eu estiver com vontade naquele dia.

Para fazer o buraquinho, eu deixo os bolinhos na geladeira por uma hora para ficarem mais firmes e uso o método do cone:

1. Com uma faquinha afiada, eu corto um cone no centro do bolinho e retiro o miolo, reservando só uma tampinha.

2. O recheio vai nesse buraquinho, com a ajuda de uma colher de chá.

3. Depois é só tampar.

Cobertura

A cobertura, pra mim, é o que faz o cupcake ter graça. E além de linda, ela tem que ser gostosa! Eu uso muito essa receita de buttercream de merengue, que é bem mais leve que o buttercream tradicional, e dá para variar o sabor da geléia, ou usar somente baunilha se quiser ela branquinha.

Outras opções de cobertura: marshmallow, brigadeiro, ganache de chocolate meio amargo – é só dar um Google!

Ela pode ser aplicada com uma espátula, mas eu acho que fica lindo com o bico de confeiteiro – o que eu mais uso é o bico 1M da Wilton:

Buttercream de Frutas vermelhas (adaptada do livro Martha Stewart’s Baking Handbook)

  • 3 claras
  • 2/3  xícara de açúcar
  • 200g manteiga em temperatura ambiente, cortada em pedaços de uma colher de sopa
  • 1 xícara de geléia de frutas vermelhas batida no processador, em temperatura ambiente (peneire se não quiser sementinhas)
  • corante rosa (opcional)

Numa tigela que possa ir ao banho-maria, misture as claras e o açúcar. Leve ao banho-maria, mexendo sempre, até o açúcar dissolver e a mistura ficar bem quente (se você tiver um termômetro, a temperatura é de 71°C). Bata as claras na batadeira até ficarem brancas e fofas, como marshmallow, e esfriarem completamente (leva mais de 10 minutos, então, paciência!). Não pode estar nem morninha, senão não dá certo.

Quando estiver tudo bem frio, com a batedeira ligada, comece a acrescentar os pedacinhos de manteiga, um a um, batendo bem para incorporar a cada adição. Se depois de juntar toda a manteiga a mistura separar ou parecer que “talhou”, continue batendo em velocidade alta, e a cobertura deverá emulsionar novamente. Bata até virar um creme espesso, uniforme e brilhante.

Junte a geléia e o corante e misture bem com uma espátula. Use imediatamente.

Agora, é só decorar – granulado colorido, açúcar cristal, raspas de chocolate, choco ball, um morango, figuras de pasta americana, tudo isso fica lindo.

Onde encontrar material para fazer seu cupcake em São Paulo:

Convidada Bridget, do Bake at 350º – Biscoitos decorados com glacê real (parte 2 – como cobrir com a técnica “flooding”)

Olha que graça esses cookies de vegetais! Para ficarem assim super lisinhos e perfeitos é que se usa a técnica de flooding.

Bridget Edwards, autora do blog Bake at 350° e minha convidada especial essa semana, é especialista em biscoitos decorados, e usa muito essa técnica para preencher áreas maiores com acabamento bem uniforme. Ela agora nos explica como conseguir repetir em casa essa façanha:

Flooding

“Flood icing” (ou “glacê de inundar”) nada mais é do que o glacê real diluído em água para ficar com uma consistência mais fluida, para “inundar” ou preencher o desenho que foi feito antes com o glacê mais firme. O melhor é ir bem aos pouquinhos, adicionando pouca água por vez até conseguir uma consistência de mel.  Quanto mais cookies você decorar, mais vai ficar fácil de identificar como é essa consistência (obs. da Paula: tem um vídeo da Bridget afinando o glacê dela aqui. Está em inglês, mas dá pra ver direitinho como ela faz).  Se você acabar adicionando muita água sem querer, e ficar muito líquido, adicione um pouco de açúcar impalpável peneirado ou o glacê que você usou para desenhar, mais firme.

Uma vez que o seu glacê de flooding estiver pronto, cubra com uma toalha úmida e deixe repousar por alguns minutos. Com uma espátula de borracha ou silicone, gentilmente revolva o glacê para quebrar as bolhas de ar que tiverem subido para a superfície. Agora, derrame o glacê em garrafinhas de plástico (tipo de ketchup – você encontra aqui no Brasil em lojas de artigos para fabricação de perfumes e sabonetes, em lojas de 1,99 e de utilidades domésticas). Você pode também usar sacos de confeitar com bicos finos, mas a bagunça é beeeem maior, porque tem grandes riscos do glacê vazar por cima do saco.

Com o glacê mais duro, você deverá ter desenhado o contorno da sua figura. Aplique o glacê de flooding em zigue zague (eu faço 3 a 4 por vez) – não se preocupe, o glacê não vai secar, e enquanto isso o glacê vai espalhando sozinho no biscoito.Com a ajuda de um palito de dentes, espalhe o glacê para cobrir os espacinhos que faltaram.

Esses da foto estão já com o glacê para ser espalhado com o palito.

Veja como foram feitos os biscoitos de vegetais:

Faça o contorno com o glacê real

Preencha com o glacê de flooding

Deixe secar um pouco e adicione os detalhes…

O nome e ano foram escritos depois que os cookies ficaram secando a noite toda, com canetinha especial de corante comestível. É importante respeitar esse tempo de secagem – os cookies parecerão secos antes disso, mas por dentro estarão ainda úmidos.

Este sim é meu jeito de comer vegetais!

Espero que vocês tenham gostado desta série…

Happy baking!

***

Bridget Edwards é americana, super fofa, e vive no Texas com 221 cortadores de biscoitos, mais de 20 assadeiras, seu marido e um filho loirinho e muito lindo que sempre cozinha com ela.

É autodidata na arte de fazer biscoitos decorados e começou há 11 anos atrás, logo que seu filho nasceu. Segundo ela, “não tinha a menor idéia do que estava fazendo, só queria comer mais cookies”  – hoje recebe encomendas de todo o país.

Tem dois blogs super bem-sucedidos sobre decoração de biscoitos, o Bake at 350° e também o University of Cookie e está trabalhando no seu primeiro livro. Disse que vem ao Brasil tão logo eu mande uma passagem pra ela.

Convidada Bridget, do Bake at 350° – Biscoitos decorados com glacê real (parte 1, o glacê)

Olha o que a minha convidada especial é capaz de fazer com alguns biscoitinhos e um pouco de glacê real:

Bem antes de eu ter blog, eu já era fã e leitora do blog da Bridget, o Bake at 350. Ela é americana, vive no Texas, e sabe TUDO sobre biscoitos decorados com glacê real – tipo assim minha COOKIE IDOL.

Como a internet tem dessas coisas maravilhosas, eu acabei tendo a oportunidade de conhecer a Bridget e conversar muito sobre decoração com glacê real, o que me ajudou bastante a conseguir fazer uns biscoitos bonitinhos para vender. E porque não dividir a minha professora com vocês? Convidei e ela topou uma participação especial por aqui, então hoje começa uma série de dois posts sobre decoração de biscoitos com as técnicas bem legais e práticas do blog Bake at 350.

A receita do biscoitinho da Bridget é bem simples, e vou colocar no final do post. Você pode usar qualquer receita boa de biscoitinho a que já esteja acostumado – tenho uma aqui no blog também, você decide.

O Glacê

Pra mim, o pulo do gato mesmo está nesse glacê real. Bridget nos conta todos os segredos – é com você, girl!

Ingredientes
(essa receita cobre de 2 a 3 dúzias de biscoitos de 5cm, com duas cores – normalmente eu dobro essa receita)

  • 4 colheres de sopa de pó de merengue (à venda em lojas de confeitaria) *obs. da Paula – eu uso da marca Mago, mas peneire antes de usar pois pode conter grãozinhos de açúcar que depois entopem seu bico de confeitar*
  • 1/2 xícara de água, rasa
  • 450g de açúcar impalpável (tb vende em loja de confeitaria)
  • 1/2 colher de chá de glucose branca (opcional) *obs da Paula: eu não uso porque a nossa glucose é muito espessa pode empelotar o glacê*
  • algumas gotinhas de essência transparente (opcional)

Um xícara rasa de água é assim, olha só:



Misture o pó de merengue e a água. Bata na batedeira para misturar bem. Vai ficar assim:


Peneire o açúcar de confeiteiro sobre a mistura de merengue e bata em velocidade baixa para misturar (NUNCA pule a parte de peneirar!)


Adicione a glucose e essência se desejar. (Eu acho que a glucose ajuda a deixar o glacê mais brilhante).

Aumente a velocidade para médio-alta e bata por 5 minutos, até o glacê ficar brilhante e formar picos firmes. Nessa foto ainda não está bom, olha:

(Você deverá conseguir tirar a pá da batedeira e balançar sem o pico desabar). Não bata demais.

Cubra com plástico encostando na  superfície do glacê ou divida e tinja com corantes em gel.

Esse glacê mais firme é perfeito para fazer a linha externa dos desenhos nos biscoitos, colar partes de casinhas de gingerbread. Use um saco de confeitar com bico fino para escrever e desenhar linhas. Esse glacê pode ser guardado em geladeira, em recipiente com tampa, por até uma semana. Para reutilizar, deixe voltar a temperatura ambiente e misture muito bem com uma espátula.

Para preencher e cobrir superfícies maiores, é preciso diluir um pouco esse glacê com água, aos poucos, até ficar numa consistência de mingau ralo. Essa técnica de preencher e cobrir biscoitos com glacê diluído é chamada de “flooding”, e é assunto do próximo post desta série!

No próximo post….

Flooding!

Para a receita do biscoito, clique abaixo.

Continuar lendo

%d blogueiros gostam disto: