Arquivo da tag: curiosidades

Manezinho Araújo

macaco

Cuidado: aqui na minha casa, se você for uma banana e começar a ficar meio passada, FUJA! Senão vira bolo, vitamina, pão…  Ou então, Manezinho Araújo.

Sempre achei o nome desse doce muito curioso. Desde criança, sempre fiquei imaginando quem era o Manezinho Araújo, que inventou essa sobremesa de bananas com creme e suspiro (veja a receita original aqui). Ninguém soube me responder, e olha que minha mãe, minha avó e todas as minhas tias faziam sempre a receita. Ninguém fazia a menor idéia de quem era esse tal Manezinho.

O Google facilita para nós:

Manuel Pereira de Araújo, conhecido como Manezinho Araújo, (Cabo de Santo Agostinho, 27 de setembro de 1913 — 23 de maio de 1993) foi um cantor, compositor, jornalista e pintor brasileiro. Autor do sucesso “Dezessete e Setecentos”, música que ficou mais conhecida na voz de  Luiz Gonzaga.

E o doce? Ah, dizem que foi ele quem inventou, por gostar muito de bananas.

Mas quem reinventou o Manezinho Araújo em forma de torta foi minha tia Cida, que é tão legal, mas tão legal, que até deixava eu pintar as unhas dela com esmalte de verdade.

macaco pequeno no prato

Torta Manezinho Araújo (Rende duas tortinhas pequenas, de 12cm, ou uma maior, de 25cm.)

Pâte Brisée (adaptado daqui)

  • 100g de manteiga bem gelada, cortada em cubinhos
  • 1 1/4 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de café de sal
  • 1 colher de chá de açúcar
  • 3 colheres de sopa de água super gelada (ou um tiquinho a mais, se necessário)

Primeiro de tudo: corte a manteiga e deixe no freezer enquanto prepara o restante dos ingredientes.

Coloque no processador a farinha, o sal e o açúcar. Pulse para misturar. Coloque a manteiga, tampe e pulse em intervalos curtos, umas 4 vezes, até a mistura parecer uma farofa grossa, como farinha de milho (os pedaços de manteiga na farinha vão estar do tamanho de ervilhas, não tem problema se tiver alguns pedaços maiores e outros menores).

Deixe a água a postos. Com o processador funcionando na velocidade mais baixa, já adicionando a água pela abertura da tampa até a massa “juntar”, mas sem ficar grudenta nem úmida.  Na verdade, ela vai estar meio seca, e é assim mesmo (dica da Martha Stewart: teste apertando um bocado da massa na mão: se estiver ainda muito esfarelenta, ponha um pouquinho mais de água gelada). Não processe por mais de 30 segundos. Divida em duas partes (se for fazer duas tortinhas) e coloque cada metade sobre um pedaço de papel filme. Embrulhe no plástico, apertando para juntar as migalhas soltas e formando um disco, mas sem trabalhar a massa (não queremos derreter a manteiga que deu tanto trabalho para ficar em pedacinhos e vai deixar a massa bem crocante).

Guarde na geladeira por pelo menos 1 hora, ou até 2 dias. Depois desse descanso, abra a massa com um rolo até ficar com aprox. 0,5 cm de espessura. Forre duas formas para torta de 12 cm, ou uma maior, de 25cm. Corte as beiradas da massa e arrume bem bonitinho (a Martha ensina todos os truques aqui). Coloque no freezer enquanto preaquece o forno a 200 graus, uns 15 minutos .

Fure o fundo da massa com um garfo. Forre com papel manteiga e coloque uma boa quantidade de feijão cru, arroz, cru, grão de bico cru, o que tiver em casa. Assim a massa não infla. Leve ao forno por uns  15 minutos. Retire o papel manteiga com os feijões e volte ao forno até ficar dourado. Deixe esfriar para rechear.

Crème Pâtissière

  • 1  xicara de leite
  • 2 gemas
  • 1/4 xícara de açúcar
  • 1 colher sopa maizena
  • gotinhas de baunilha

Numa panela pequena, coloque o leite para ferver. Enquanto isso, bata as gemas com o açúcar até ficar bem branquinho (eu bati à mão, com fouet). Misture a maizena e bata mais um pouco. Retire o leite do fogo e coloque um pouco dele, quente mesmo, na mistura de gemas, misturando bem. Passe essa mistura de gemas para a panela com o restante do leite, volte ao fogo e cozinhe, mexendo sempre, em fogo baixo. Depois que engrossar, cozinhe por mais uns dois minutos, mexendo sem parar. Retire do fogo, junte a baunilha e coloque num recipiente de vidro, com plástico filme encostando na superfície do creme para não formar película. Deixe esfriar.

Doce de Banana

  • 4 bananas bem maduras
  • 1/2 xícara de açucar
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • 1/4 xícara de água

Corte as bananas em rodelas. Coloque o açúcar numa panela média antiaderente. Leve ao fogo alto e deixe o açúcar derreter até ficar com uma cor de caramelo não muito escuro. Como diria Gordon Ramsey, “black is burnt” (se está preto está queimado), e açúcar continua cozinhando mesmo se a gente tirar do fogo. Quando tiver com aquela corzinha boa de bala de leite Kid’s, junte a manteiga, as bananas e vá pingando a água aos poucos, virando a panela. Vai espirrar tudo, o caramelo vai ficar duro e você vai pensar que vai tudo terminar no lixo. Abaixe o fogo e tenha paciência, não fique cutucando as bananas e você vai terminar isso tudo com uma linda calda com bananinhas douradas. Está pronto quando caramelo tiver virado calda, tipo uns 5 minutos. Espere esfriar para utilizar na torta.

Suspiro

  • 2 claras
  • 1/3 xícara açúcar

Leve as claras com o açúcar ao banho-maria, mexendo sempre,  até aquecer e dissolver o açúcar. Bata na batedeira até esfriar e formar um merengue brilhante e com picos firmes.

Montagem:

Na massa de torta assada, coloque uma camada de creme, uma de doce de bananas e cubra com o suspiro. Leve ao forno bem fraquinho até dourar e secar um pouco merengue. Espere esfriar e sirva!

torta banana cortada

UPDATE: A Zezé Pina, do blog Panela da Zezé (que está linkado no começo deste post), completa a informação sobre a criação do Manezinho Araújo:

Só para por mais umas pitadinhas na história do doce, ele foi inventado pelo Manezinho na década de 60 quando era proprietário do restaurante O Cabeça Chata no Rio de Janeiro, um dos primeiros restaurantes nordestinos na então Capital Federal do País.

Obrigada, Zezé!

O Primeiro Cupcake a Gente Nunca Esquece

cupcakesvariados

Me dá licença que eu vou falar um pouco da minha vida profissional. Sou (era) produtora de TV. E não é segredo pra ninguém que me conhece que eu não sou uma pessoa muito sortuda em se tratando de empregos. Seguem alguns exemplos:

  • Cargo: estagiária em programa de musicais (ficar o dia todo na garagem da emissora esperando artistas chegarem – muita palavra cruzada e muito bate-papo com o manobrista)
  • Cargo: estagiária de programa de auditório trash (separar brigas  familiares, ser babá de subcelebridades, arrumar elefantes cor de rosa)
  • Cargo: produtora de programa de fofocas (colar fotos de artistas numa tapadeira e inventar perguntas falsas de telespectadores)

Esse metier me colocou em inúmeras situações embaraçosas como, por exemplo, o dia que eu tive que abrir a calça da convidada para ela fazer xixi porque ela estava com o braço engessado. E esperar ela acabar. E subir a calça. E fechar o zíper. E a calça era apertada. E sorrir.

(Já vou chegar no cupcake)

Um desses empregos foi muito marcante pra mim, pelo trabalho que me dava o apresentador do programa. Não estou aqui pra apontar o dedo pra ninguém, mas era um programa que o apresentador levava uma menina de limosine no shopping para ganhar muuuiiitas roupas e no cabeleireiro para ficar com o cabelo beeem lisinho. Pois bem, no dia em que esse programa acabou, resolvemos nos reunir para assistir ao último episódio, eu e minhas colegas de trabalho. Afinal, tanto sangue, suor e lágrimas derramados não poderiam passar em branco. Resolvi fazer uns cupcakes com a cara do apresentador:

NETINHO

imagem de arquivo

Esses foram meus primeiros cupcakes. Talvez eles devessem estar no Cake Wrecks, mas ficaram uma delícia e todo mundo adorou.

Pra quem está começando no mundo dos cupcakes, é uma receita ótima e bem simples. Você só vai precisar de uma forminhas de papel grandes e uma forma especial para muffins (encontra facilmente em lojas de produtos pata confeitaria), senão as forminhas abrem e a massa vaza toda no forno. Tem pra vender umas forminhas que parecem copinhos de papel – essas dá pra usar sem ter a forma de muffin.

Bolo de Chocolate bem Facinho (rende 24 cupcakes ou um bolo grande) – do caderno de receitas da família

  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento químico
  • 1 pitada de sal
  • 2 xícaras de açúcar
  • 3/4 xícara de cacau em pó
  • 3 ovos grandes
  • 1 xícara de óleo de canola ou girassol
  • 1 xícara de água quente

Ligue o forno a 180 graus. Coloque as forminhas de papel na forma de muffins.

Na tigela da batedeira, peneire juntos a farinha, o fermento, o sal, o açúcar e o cacau. Misture bem.

Junte os ovos e o óleo, e comece a bater em velocidade baixa. Quando estiver meio misturado, junte a água quente e bata em velocidade média até estar homogêneo. Fica uma massa bem líquida.

Encha as forminhas até um pouquinho mais da metade e leve para assar por mais ou menos 15 minutos. Espete um palito – se sair seco está no ponto.

É importante tirar os bolinhos da forma ainda quentes e colocar sobre uma grade, senão pode formar uma umidade esquisita embaixo.

Cobertura Buttercream de Chocolate – daqui (1/2 receita é o suficiente)

  • 1 e 1/2 xícara de manteiga sem sal (em temperatura ambiente)
  • 2 colheres de sopa de leite
  • 250 g chocolate meio amargo picado, derretido e morninho
  • gotinhas de baunilha
  • 2 1/4 xícaras de açúcar de confeiteiro peneirado

Na batedeira, bata a manteiga até ficar cremosa. Junte o leite e a baunilha e bata até ficar homogêneo. Junte o chocolate e bata bem. Aos poucos, vá adicionando o açúcar e bata até obter a consistência desejada. Aplique nos bolinhos já frios com uma espátula. Os meus pequenos apresentadores de TV foram decorados com chocolate granulado para o cabelo e glacê real para os olhos, nariz e boca. As pupilas são cravos-da-índia.

Obs.: Para derreter o chocolate, coloque numa vasilha resistente ao microondas e aqueça em intervalos de 20 segundos, sempre mexendo. Deixe esfriar antes de usar para não derreter a manteiga.

Brincando com a Comida – Gelatina Colorida

stone-henge

Stonehenge (do inglês arcaico “stan” = pedra, e “hencg” = eixo) é um monumento megalítico da Idade do Bronze, localiza-se na planície de Salisbury, próximo a Amesbury, no condado de Wiltshire, no Sul da Inglaterra.

Constituí-se no mais visitado e bem conhecido dos círculo de pedras britânicos, e acredita-se que foi projectado para permitir a observação de fenómenos astronómicos, nomeadamente os solstícios do Verão e do Inverno, eclipses, e outros. – fonte: Wikipedia

Outro dia fomos a uma padaria chique nos jardins, e encontramos essa pérola: geléia de mosaico! Não via uma dessas desde que eu era criança e tive que levar pra casa. Eu não faço a menor idéia como isso é feito e nem dos ingredientes, mas pra quem não conhece, lembra uma mistura de gelatina e bala de goma, beeeem doce. Aliás, se alguém souber alguma receita, ou como é o verdadeiro nome desse doce, por favor, se habilite.

Confesso que quando menina eu achava muito mais deliciosa do que achei hoje, tanto que sobrou um pedação… O suficiente para construir Stonehenge…

Muito mais gostosa é a gelatina colorida da Palmirinha. Cafona, mas gostosa.

Gelatina Colorida (receita extraída do site TV Culinária)

– 1 lata de leite condensado

– 1 lata de creme de leite sem soro

– 3 caixinhas de gelatina sabores: limão, morango e abacaxi

– 1 envelope de gelatina sem sabor

– 4 colheres (sopa) água

Modo de Fazer

– Na vasilha da batedeira, coloque o leite condensado e o creme de leite sem o soro

– Bata

– Com a batedeira ligada adicione a gelatina sem sabor hidratada com a água e dissolvida em banho Maria previamente

– Desligue

– Acrescente as gelatinas de limão, morango e abacaxi (preparadas conforme instrução na caixa picadas em cubos)

– Coloque em taças ou refratório untado com óleo e passado pela água

– Leve para a geladeira por 4 horas

Dica: Para obter uma consistência mais firme das gelatinas, ao prepará-las conforme instruções, adicione 1 pacote de gelatina sem sabor.

%d blogueiros gostam disto: