para o chá

Bolo invertido de peras

bolo invertido de peras

O ruim de ter família pequena constituida somente por mim e uma criança de 7 anos é o seguinte: você vê uma receita linda de um bolo de peras com açúcar mascavo. Aí resolve fazer, mas sabe, lá no fundo do seu peito, que talvez você tenha que comer o bolo inteiro sozinha.

É triste amigos. Você passa horas na cozinha adicionando uma pitada de amor e um pedacinho de carinho aos mais deliciosos manjares e na sala de jantar está o crítico gastronômico mais cruel de todos, a criança, acabando com seus sonhos logo quando você acha que vai arrasar com aquele jantarzinho gostoso.

Fiz o bolo. Meio trabalhosinho. Descasca as peras, corta as peras, faz caramelo, bate massa, faz aquela prece antes de desenformar pra não quebrar. Nasceu o bolo, lindo, igual o da foto da revista.

Desta vez não, Gordonzinha/ Paolinha Carosella/ Eriquinha Jacquin do meu coração –  muito trampo pra ver você torcer seu narizinho fofinho pro meu bolo. Embalei o lindo e levei direto pras minhas alunas do curso de biscoitos decorados. Malz aê.

Bolo Invertido de Peras

receita da revista Fine Cooking com algumas mudadinhas de leve

Para a cobertura de peras
  • 2 peras grandes – usei da variedade Bosc, maiores e mais firmes, mas pode usar qualquer uma
  • 1 xícara de açúcar
  • 1/4 de xícara de água
  • 60g de manteiga sem sal, cortada em 4 pedaços
Para a massa
  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de gengibre em pó (opcional)
  • 1/2 colher de chá de canela em pó
  • 1 pitada de sal
  • 1/2 xícara de leite
  • 1 colher de chá de baunilha
  • 120g manteiga sem sal em temperatura ambiente
  • 1/2 xícara de açúcar refinado
  • 1/2 xícara de açúcar mascavo
  • 2 ovos

Faça a cobertura de peras:

Unte com manteiga uma forma redonda de 25cm de diâmetro. Corte um disco de papel manteiga do tamanho do fundo da forma e forre. Unte novamente.

Descasque, tire o miolo e corte as peras no sentigo longitudinal em fatias bem finas. Arrume as fatias no fundo sobre o papel manteiga untado, ligeiramente sobrepostas, como se fosse um leque e reserve.

Numa panela média coloque o açúcar e a água, misture bem. Leve ao fogo, sem mexer até o açúcar derreter e ficar com cor de caramelo. Se precisar uniformizar gire levemente a panela. Tire do fogo e junte a manteiga, um pedaço de cada vez, e misture bem com um fuet. Despeje o caramelo quente sobre as peras imediatamente e deixe esfriar enquanto prepara a massa.

Faça a massa:

Preaqueça o forno a 180 graus. Numa tigela peneire a farinha, fermento, especiarias e sal. Na batedeira, bata a manteiga com os açúcares até ficar cremoso. Junte os ovos, um a um, e bata até uniformizar. Junte a baunilha.

Adicione a mistura de farinha de trigo alternando com o leite, começando e terminando com a farinha, batendo em velocidade baixa somente até ficar homogêneo.

Distribua a massa sobre as peras alisando com uma espátula. Leve ao forno e asse por mais ou menos 40 minutos, ou até passar no teste do palito.

Deixe esfriar por 15 minutos e desenforme sobre um prato. Retire o papel manteiga e sirva frio.

 

bolo de peras

Fatias Húngaras

fatias hungaras

 

Estamos de volta!

Depois de uma ausência temporária, retornamos em grande estilo – este bloguinho que mora nos nossos corações completou 6 anos no ar em maio. Nada melhor que vestir uma roupinha nova pra festa né? Então não estranhem e não vão embora que é a gente mesmo – só que com uma cara mais moderninha e logo novo em folha feito pela designer Marília Cichini.

Pra esse retorno escolhi um doce que é a nossa cara. E a cara das nossas mães, das nossas avós e também a cara daqueles chás da tarde de domingo com a família toda, porque aff, ô receita que rende viu, benza deus.

Pra quem não conhece as fatias húngaras: são pãezinhos tipo rosca com recheio de coco ralado, molhadas com uma caldinha de açúcar com leite, publicadas nos primeiros livros de receitas do açúcar união. IMG_1079 Lembram  bastante os cinnamon rolls, mas a massa é menos fofinha e não crescem tanto.

Várias pessoas já me pediram que eu mandasse a foto da página do livro por email, então ó: tá aqui pra vocês. Parece que esses rolinhos fazem parte das lembranças de muita gente, então vamos todos mandar um beijo no coração <3 da Dona Arismar Lara de Araraquara que mandou a receita pra fábrica de açúcar e deixou nossa infância mais feliz.

Aqui em casa eu fiz meia receita e alterei algumas coisinhas mínimas, vou postar aqui com as minhas adaptações.

Fatias Húngaras

adaptada do livro 200 receitas do açúcar união (rendimento: aprox. 20 fatias)

Para a massa:

  • 480g de farinha de trigo
  • 1/2 pacotinho (5g) de fermento biológico seco
  • 20g (2 colheres de sopa) de açúcar refinado
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 3 gemas
  • 1 xícara (240ml) de leite integral em temperatura ambiente

Para o recheio:

  • 50g de manteiga derretida
  • 100g de açúcar refinado
  • 50g de coco ralado (usei seco, mas imagino que fresco fique maravilhoso)

Para a calda

  • 1 xícara de açúcar refinado
  • 1/2 xícara de leite integral

Prepare a massa:

Na tigela da batedeira misture a farinha e o fermento. Adicione o açúcar e o sal e misture novamente. Faça um buraco no meio e adicione as gemas e o leite. Misture bem com as mãos – se a massa estiver muito seca ou dura adicione um pouquinho mais de leite. Sove por 10 minutos na batedeira com o gancho para massas pesadas. Se não tiver pode sovar na mão mesmo até ficar bem macia.

Cubra a massa com um pano úmido ou plástico filme e deixe descansar por 15 minutos.

Enquanto isso, faça o recheio misturando a manteiga e o açúcar e unte uma assadeira retangular de 20 X 30cm, ou uma redonda de 25cm.

Divida a massa em duas partes e abra com o rolo formando dois retângulos. Espalhe a mistura de manteiga e açúcar e polvilhe o coco ralado. Enrole pelo lado mais comprido, bem apertado, formando um rocambole.

Corte em fatias de 2 dedos e arrume na assadeira preparada, deixando um espaço de pelo menos 2cm entre as rosquinhas para que elas cresçam. Deixe descansar até crescerem (pode demorar mais de uma hora se estiver frio).

* Dica * Como eu sempre fico na dúvida de a massa de pão já cresceu o bastante, comecei a tirar uma foto com o celular para fazer um ANTES/DEPOIS. Se tiver mais ou menos dobrado de volume já está bom. Me ajudou bastante!

Asse em forno preaquecido a 180 graus por 25 a 30 minutos, ou até dourarem. Tire do forno e jogue por cima a caldinha feita com o leite e açúcar – pode regar sem dó. Volte ao forno desligado e deixe mais uns 20 minutos para a calda encorpar.

Sirva morno ou em temperatura ambiente.

Validade de 3 dias fora da geladeira, guardadas em recipiente vedado.

 

coconut rolls

Let’s waffle it – waffles de fubá

waffles

Tenho usado demais minha máquina de waffle – já testei com pão de queijo caseiro, pão de queijo congelado do supermercado,  massa de cookie, sanduíche de presunto e queijo, massa de pão crua, cinammon roll, massa de bolo e até para esquentar waffle congelado comprado pronto.

Nem tudo é um sucesso, admito, mas tem algo de irresistível em fazer uma coisa que demoraria 40 minutos no forno ficar pronta em 10 – e ainda sair toda quadriculada e crocante e quentinha e pronta pra comer.

Crente que eu era a única no mundo, achei esse colega aqui:

Nesse espírito de fazer tudo na vida virar um delicioso waffle a inspiração bateu outro dia quando achei um saquinho de fubá mimoso (adoro esse nome) na despensa. Waffles de fubá, porque não? A receitinha deu certo de primeira – pra quem gosta de waffles mais crocantes deixe na máquina até dourar bem. Servi acompanhado de uma compotinha de morangos, mel e manteiga, mas imagino que deva ficar melhor ainda com uma geléia de goiaba e um requeijãozinho.

Waffle de Fubá Mimoso (rende 6 waffles)

  • 1/2 xícara de fubá mimoso
  • 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1 colher de café de sal
  • 3 colheres de sopa de açúcar refinado
  • 1 ovo
  • 3 colheres de sopa de óleo de canola
  • 1/2 xícara de leite
  • gotinhas de essencia de baunilha (opcional)

Lique a máquina de waffle e pincele com manteiga.

Numa tigela média, misture todos os ingredientes secos (fubá, farinha, fermento, sal e açúcar). Faça um buraco no meio da mistura e junte o ovo, óleo, leite e baunilha. Misture com um fuet até ficar homogêneo.

Coloque a massa às colheradas na máquina já bem quente e vá vigiando para não queimar. Coloque os waffles já prontos sobre uma grade e sirva quentinhos. Se sobrar ou quiser fazer a mais eles podem ser congelados e aquecidos numa torradeira ou na própria maquininha.

IMG_0101

 

 

Hmmmm, rosquinhas … – donuts assados com açúcar e canela

 

Eu tenho um sonho na vida que é o seguinte: ganhar na Mega Sena e entrar numa daquelas lojas de material para confeitaria enormes dos Estados Unidos. Não adianta comprar pela internet, eu queria ir lá, na loja física, pegar um carrinho e brincar de programa Supermarket.

Infelizmente esse dia ainda não chegou, então a gente vai comprando uma coisinha aqui, outra ali, tipo colecionando figurinhas da copa. Só que são formas e utensílios. E não dá pra colar num álbum, você tem que ocupar todos os espaços disponíveis da sua casa pra essa coleção. E não vou entrar num debate inútil sobre a utilidade e frequencia de uso desses objetos. Me deixem.

Na minha última viagem acabou vindo parar na minha mala uma linda forma para donuts assados – eu bem que tentei não comprar, mas quando você começa a refletir se realmente precisa daquilo acaba chegando à conclusão de que não precisa de coisa nenhuma e pronto, acaba a graça da vida. E ir aos Estados Unidos é um eterno olhar para todas as coisas e pensar COMO EU PUDE VIVER SEM ISSO ATÉ HOJE. Faz parte da imersão na cultura local. Me deixem again.

O caso é que a forma tava aí, quase um ano depois do retorno, ainda virjona. Sempre reluto um pouco de colocar aqui no blog receitas que precisam de utensílios difíceis de encontrar, mas né, eu precisava justificar essa compra, e vocês que são meus amigos vão ter que compreender e não me xingar nos comentários.

Tenho duas soluções para vocês no caso de alguém querer muito fazer essa receita e não ter a forma especial: a primeira é usar mini forminhas de pudim com buraco no meio. Já fiz isso para uma festa com tema Simpsons uma vez, com uns pães de mel em forma de rosquinhas. A outra é mandar o formato às favas e assar em forminhas de mini cupcake, o que eu fiz aproveitando uma parte da massa desses aqui. Fica tipo um bolinho de chuva, o que também não é má idéia.

Donuts assados com açúcar e canela – 12 unidades (adaptado daqui)

  • 1/4 de xícara (57g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente
  • 1/4 de xícara de óleo vegetal (canola ou girassol)
  • 1/2 xícara (100g) de açúcar refinado
  • 1/3 xícara (70g) de açúcar mascavo
  • 2 ovos grandes
  • 1 1/2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1/4 colher de chá de bicarbonato
  • 1/2 colher de chá de noz moscada ralada na hora
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 1 colher de chá de extrato de baunilha
  • 2 2/3 xicaras (320g) de farinha d etrigo
  • 1 xícara (250ml) de leite

Unte com manteiga derretida duas formas especiais para donuts ou uma forma para mini cupcakes de 24 cavidades. Preaqueça o forno a 210 graus.

Numa tigela, misture a farinha, fermento, bicarbonato, noz moscada e sal. Reserve.

Na batedeira: bata a manteiga, o óleo e os dois tipos de açúcar. Junte os ovos e bata até ficar homogêneo. Acrescente a mistura de farinha alternando com o leite e misture até ficar uma massa lisa.

Com a ajuda de uma colher ou de um saco de confeitar, encha as cavidades das formas até completar 3/4 da capacidade. Leve ao forno por aproximadamente 10 minutos (no meu forno deu 10 minutos certinho), até passar no teste do palito.

Espere uns 5 minutos para desenformar e passe ainda mornos por uma mistura de açúcar e canela. Termine de esfriar sobre uma grade.

São melhores se consumidos nas primeiras horas depois de feitos (ficam com um crocantinho que parece fritura), mas duram até 3 dias guardaos em recipiente com tampa, fora da geladeira.

baked doughnuts

Receitas de Família – bolo preguiçoso de laranja

 

Aqui em casa tenho uma boa quantidade de livros de receita – não tantos quanto alguns amigos blogueiros (alô Pat, alô VH!), mas com certeza mais que pessoas normais que não trabalham com cozinha.

Às vezes eu olho pra estante e penso que talvez se fizesse uma receita por dia pro resto da minha vida talvez eu conseguisse experimentar tudo que tem ali. Pra compensar o dinheiro que gastei com eles, né? Quem sabe um dia não me inspiro e mando um Julie e Julia nos livro tudo.

O problema é a preguiça.

Quando a preguiça domina nada mais me resta senão voltar para as origens e abraçar forte o conforto das receitinhas do caderno da mamãe. Quase tudo ali é fácil e rápido, sob medida para a mãe de 3 que trabalhava fora, e uma ou outra receita mais elaborada/chic/anos 80 (e pavês, muitos pavês).

Esse bolo de laranja estava meio escondido num canto de página. Sob o nome Bolo de Laranja Jô só uma lista de ingredientes e um modo de fazer meio mal explicado (dizia apenas bater tudo no liquidificador e assar), mas eu me lembrava dele muito bem, assado em tabuleiro retangular e cortado em losangos. A Jô eu não me lembro quem era, mas agradeço pela receita.

Me lembro que a laranja era batida no liquidificador com casca e tudo, e o bolo às vezes ficava com um leve amargor. Como não curto muito o sabor amargo em doces dei uma adaptada na receita – ele ficou bem fofinho, com um sabor suave de laranja, aquele bolo que abraça a gente pelo estômago.

Bolo Preguiçoso de Laranja

  • 3 ovos extra
  • 1 xícara de óleo de milho ou girassol
  • raspas da casca de uma laranja
  • 2 laranjas sem casca e sem sementes, cortada em pedaços
  • 300g (1 e 1/2 xícara) de açúcar refinado
  • 325g (2 e 1/2 xícara) de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Calda:

  • 200g (1 xícara)  de açúcar de confeiteiro
  • 2 colheres de sopa de suco de laranja
  • raspas de laranja (opcional)

Unte e polvilhe com farinha de trigo uma forma de buraco no meio (25cm de diâmetro) ou retangular de 20X30cm. Aqueça o forno a 180 graus.

Numa tigela grande misture a farinha de trigo e o fermento. Reserve.

Bata no liquidificador os ovos, óleo, raspas, laranjas e o açúcar até virar um creme liso. Passe essa mistura para a tigela com a farinha de trigo e misture muito bem com um fouet ou espátula, até ficar homogêneo. Passe para a forma preparada e asse por mais ou menos 40 minutos, ou até passar no teste do palito (na forma de furo no meio demora mais).

Desenforme morno.

Prepare a calda misturando todos os ingredientes numa tigela média e coloque sobre o bolo ainda morno. Se ficar muito grossa coloque mais suco, se ficar muito liquida coloque mais açúcar.

Sirva frio (minha vó falava que bolo quente dá dor de barriga).

bolo preguiçoso de laranja

Pipoca doce caramelada (sem pipoqueira)

IMG_3989

 

Outro dia fui comprar um saquinho de pipoca na porta da escola da filha e, já com o saquinho na mão, perguntei quanto era, caçando as moedinhas dentro da bolsa. A resposta: CINCO REAIS SINHÓRA.

Oi? Cinco reais por um saquinho de pipoca murcha? Os pipoqueiros agora passam cartão de crédito? A pipoca é “gourmet”?

Ontem mesmo fui almoçar com uma amiga numa ~boulangerie~ chic na Vila Madalena. Pedi um crepe com salada de rúcula, nada baratinho. Quando o prato chegou, SURPRESA! O crepe meio borrachento e a salada de rúcula era uma mini cumbuquinha com cerca de 8 folhas pequenas e umas raspinhas de queijo. Cerca não, eram 8 mesmo, porque eu contei.

Olha gente, não sei se eu tô ficando velha, se é a copa do mundo ou se é o fim dos tempos mas se vão me enfiar a faca pra comer alguma coisa (nada contra) tem que ser uma delícia maravilhosa acompanhada de uma salada com uma quantidade de folhas que eu não consiga contar a olho nu.

Por isso que eu tô preferindo fazer as coisas em casa mesmo que ganho mais. E pra você também nunca mais depender do pipoqueiro ladrão, vai aí minha receita de pipoca doce – se quiser botar aquele corantinho vermelho pra ficar mais realista vai fundo.

Pipoca Doce Caramelada (sem pipoqueira)

Essa pipoca não tem muita receita, e eu faço meio de olho mesmo igual minha mãe me ensinou. Pra facilitar medi tudo da última vez que fiz pra poder publicar aqui. Se quiser pode colocar uma colherona cheia de achocolatado junto com o açúcar para ficar com o sabor trash da infância.

  • 4 colheres de sopa de óleo
  • 1 xícara de café de milho de pipoca
  • 1/2 xícara de açúcar (pode ser refinado, cristal ou demerara)
  • 1 pitada gorda de sal

Numa panela antiaderente bem grandona coloque o óleo e o milho. Tampe e estoure a pipoca normalmente em fogo médio.

Quando a pipoca tiver estourado completamente coloque o açúcar e o sal – se a panela estiver muito cheia tire um pouco da pipoca antes. Quando o açúcar começar a derreter abaixe o fogo e misture com uma colher de pau para envolver as pipocas no caramelo.  Essa parte é rápida e não pode bobear, se o caramelo ficar muito escuro a pipoca fica amarga – preste atenção, porque o açúcar continua cozinhando um tempo depois que a gente desliga o fogo.

Coloque a pipoca numa assadeira grande ou numa tigela resistente ao calor e termine de espalhar o caramelo com uma espátula ou colher de pau – CUIDADO PARA NÃO SE QUEIMAR, caramelo é um perigo.

Deixe esfriar, sirva e dê uma banana pro pipoqueiro.IMG_3975

 

Cinnamon Rolls

 

Outro dia eu estava aqui pensando se as outras pessoas “normais” também fazem isso – eu e as minhas amigas conversamos sobre um monte de coisas, mas conversamos muito, mas muito mesmo, sobre comida.

Especialmente minha querida amiga Maria Pia, que alegra meus dias trocando fotos de quitutes e receitas futuras comigo, como quem troca figurinhas da Copa.

É um tal de “olha essa receita”, “já comeu isso?”, “conhece esse restaurante?” e uma tarde dessas ela me conta que está fazendo cinnamon rolls.

E o diálogo não é só “Oi miga, tô fazendo cinnamon roll.” Nesses tempos de mensagens instantâneas a coisa fica muito mais cruel, porque vem a foto da receita, imagens da massa crescendo, a descrição do cheirinho da canela pela casa e como agora a miga tá comendo eles quentinhos e eles são docinhos e macios e é impossível comer um só. E também como eles eram tão deliciosos que já acabaram e não deu pra guardar um pra mim.

Não deu. Tive que ir pra cozinha fazer  – e aproveitei pra dar o troco e torturar minha amiga com fotos e descrições. A vingança é um prato que se serve morninho com cheiro de canela (brinks ameega, tinhamo!).

cinnamon roll

Cinnamon Rolls (rendimento 12 a 15 unidades)

A receita foi ligeiramente adaptada da rainha americana das gordices, Paula Deen, e é super fácil de fazer, principalmente se você sovar a massa na batedeira planetária com o gancho. A parte chata são só os intervalos para a massa crescer. Se joguem.

Para a massa:

  • 1 pacotinho de femento biológico seco (10g)
  • 1/2 xícara de água em temperatura ambiente
  • 50g de açúcar
  • 1/2 xícara de leite em temperatura ambiente
  • 75g de manteiga sem sal, derretida e fria
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 ovo grande ou extra
  • 460g de farinha de trigo

Para o recheio:

  • 100g (1/2 xícara) de manteiga derretida
  • 150g de açúcar
  • 2 colheres de sopa de canela em pó

Para a cobertura:

  • 55g manteiga sem sal
  • 2 xícaras de açúcar de confeiteiro
  • 1/2 colher de chá de baunilha
  • 3-6 colheres de sopa de água quente

 

Comece pela massa: numa tigelinha pequena misture o fermento e a água para dar uma dissolvida. Num bowl grande ou na tigela da batedeira, misture o açúcar, leite, manteiga derretida, sal e ovo. Junte metade da farinha de trigo, misture bem, e junte a água com o fermento. Vá adicionando o restante da farinha aos poucos, até ficar uma massa pegajosa, mas que dá para manipular.

Sove por 10 minutos, à mão ou na batedeira com o gancho para massas pesadas. A massa deverá ficar lisa e não grudar mais nas mãos. Cubra o bowl com plástico filme e deixe crescer até dobrar de volume, mais ou menos 1 a duas horas.

Abaixe a massa com as mãos para tirar o ar. Numa superfície de trabalho polvilhada com farinha de trigo, abra a massa com um rolo, formando um retângulo de mais ou menos 20X40cm. Pincele a manteiga derretida sobre a massa e polvilhe o açúcar misturado com com a canela.

Enrole como um rocambole, bem justo, começando da parte mais comprida. Dê uns beliscões para colar a emenda.

Com uma faca afiada corte em 12 a 15 pedaços e coloque numa assadeira de 20 por 30cm, untada com manteiga e polvilhada com açúcar. Deixe um espaço entre os rolinhos.

Deixe os pãezinhos crescerem por mais 45 minutos e leve para assar em forno aquecido a 180 graus, na grade do meio, por mais ou menos 30 minutos ou até dourarem.

Tire do forno e deixe esfriar um pouco enquanto faz a cobertura: num bowl médio misture a manteiga derretida e o açúcar. Vá adicionando a água quente aos poucos até ficar em ponto de fondant. Cubra os pãezinhos ainda quentes, deixe amornar e sirva.

 

IMG_3876

1 2 12
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.228 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: