natal

A minha vizinha e uma receita de pudim de leite condensado sem furinhos

pudim sem furinhos

Em São Paulo é assim: você pode morar anos da sua vida no mesmo prédio e ainda assim não saber o nome de nenhum vizinho.

Aqui todo mundo está com muita pressa, porque tudo é longe, tem muito trânsito, e pega muito mal se atrasar para um compromisso. Ninguém tem tempo de dar um bom dia mais simpático no elevador, e quem não está ocupado acha que o outro está então já nem puxa conversa pra não atrapalhar.

(A não ser que você esteja com uma criança fofa, um cachorrinho ou carregando bolos de aniversário decorados, nesse caso aumentam as chances de se ganhar sorrisos e um bate papo com um desconhecido, fica a dica).

Agora espia: todo dia 10 da manhã é hora de abrir a porta para entregar o lixo. Não sei muito bem como aconteceu, mas acho que de tanto abrir a porta às 10 da manhã e dar bom dia pra minha vizinha, e de tanto ela dar bom dia pra mim, acabou que começamos a conversar um dia desses. E no dia seguinte batemos mais um papinho rápido. E no outro dia levei uns docinhos pra ela. E no outro dia ela me emprestou uns ovos porque os meus tinham acabado. E no outro ela me mostrou os quadros do filho dela, artista super talentoso.  E num domingo desses passamos a tarde com as portas abertas, os netos e sobrinhos dela e a minha filha correndo de uma casa para a outra e nós duas tomando uma cervejinha encostadas no batente.

No último final de semana minha vizinha me convidou para almoçar na casa dela, na festa de natal da família. Eu fui, meio sem graça, meio com medo de atrapalhar. Cheguei lá com um pudinzinho na mão, mas saí com muito mais que isso, depois de ter sido recebida com tanto carinho, eu e a minha menininha, que até presente ganhou.

Dona Josefa, minha querida vizinha, nem sei se você vai ler, mas vai agora um recadinho pra você: obrigada por ter aberto a porta da sua casa para nós. Sua família é linda e a senhora é uma pessoa especial demais. Te desejo o natal mais feliz do mundo, e um ano novo cheio de almoços com muita gente e com muito pudim de leite.

E pra vocês aí que estão lendo, só posso desejar uma vizinha tão legal quanto a Dona Josefa. Feliz natal!

Pudim de leite condensado sem furinhos (ligeiramente adaptado do blog Colheradas)

Pudim de leite condensado é quase uma unanimidade, então é uma sobremesa ótima para servir num almoço ou jantar com bastante gente. Faça um pudim e alguma outra sobremesa com chocolate e a satisfação estará garantida.

A galera do pudim está dividida em dois times: com e sem furinhos. Eu sou do time furinhos, mas fiquei curiosa para experimentar essa receita que achei no blog Colheradas, e não me arrependi. A receita resultou num pudim lisinho, delicado e cremoso, um pouquinho mais doce do que a receita tradicional (aquela que vem na lata do leite condensado).

Ingredientes

  • 1/2 xícara de açúcar
  • 6 gemas
  • 2 latas de leite condensado
  • 2 latas (a mesma do leite condensado) de leite integral, mas com um dedo menos
  • 1 pitada de sal
  • 1 colher de chá de extrato de baunilha (opcional)

Preaqueça o forno a 200°C. Coloque uma assadeira funda na grade do meio do forno para fazer um banho-maria.

Numa forma para pudim de 20cm de diâmetro, coloque o açúcar e leve diretamente ao bico do fogão para caramelizar. Não esqueça de usar luvas longas, já que a forma vai esquentar e o caramelo quente é MUITO perigoso, queima feio. Quando estiver com aquela cor âmbar característica de caramelo, retire do fogo e vá virando a forma para caramelizar o fundo e as laterais.  Se você acha que não tem prática suficiente para queimar o açúcar direto na forma, dá também para fazer a mesma coisa numa panelinha e depois transferir o caramelo – sempre de luvas. Deixe o caramelo esfriar completamente.

Numa tigela média, desmanche as gemas com um fuet. Junte o leite condensado, o sal e a baunilha e misture bem. Junte o leite e misture até ficar completamente homogêneo.

Transfira essa mistura para a forma caramelizada, passando por uma peneira.

Cubra com papel alumínio e leve para assar em banho-maria por mais ou menos 1 hora (o meu ficou 1h30min), ou até firmar (teste com uma faquinha, se sair seca está pronto).

Espere esfriar e deixe na geladeira por umas 6 horas. Para desenformar, passe uma faca pelas laterais da forma para soltar o pudim. Se estiver difícil de sair, coloque a forma direto sobre o fogo por alguns segundos para derreter um pouco a calda, e vire num prato grande.

pudim de leite sem furinhos

Não deu tempo de comprar presente?

Tá na mão!

Receitinhas pra não chegar de mãos vazias na festa de Natal, pra todos os gostos:

1. Caramelos de Baunilha e Flor de Sal – receita de média dificuldade, precisa de termômetro para caldas.

2. Shortbread de Castanha do Pará – fácil e a castanha pode ser substituida por nozes, amêndoas, etc.

3. Cocadinhas de Amêndoas e Chocolate – super fácil e sem gluten.

4. Biscoitos Spritz Amanteigados – uma delícia, derretem na boca. Trabalhosos.

5. Biscoitinhos de Laranja – Trabalhosos, mas uma das minhas receitas favoritas de biscoitos.

6. Blondies – Média dificuldade, mas só porque tem que picar as nozes e o chocolate, no mais é super tranquilo.

7. Palmiers de Canela – Se for fazer com massa folhada comprada pronta é facílimo!

8. Fudge de chocolate com pistache – essa é boa de fazer com as crianças, já que não vai ao fogo.

9. Brigadeiro de Pistache da Nena – É brigadeiro. É pistache. Sem mais.

Agora é só caprichar na embalagem e Feliz Natal!

Meio brega, meio chique – Rocambole Floresta Negra

Pra mim, a fruta que tem mais a cara das festas é e sempre será a cereja. Por muito tempo foi minha fruta favorita, pelo sabor e pela raridade, já que só apareciam por aqui uma vez por ano, e bem pouquinhas, porque eram e ainda são superfaturadíssimas.

Prefiro as frutinhas frescas, mas quando criança, achava as cerejas em calda ou ao maraschino a quintessência da ryqueza e poder no quesito adornos para sobremesas. E o auge da finesse, a mais pura elegância em forma de bolo, seria uma belíssimamente decorada torta Floresta Negra.

Como quase tudo e todos na vida, a Floresta Negra teve sua ascenção e declínio, caindo nas garras de confeiteiros inescrupulosos e passando a ser feito não com o mais puro creme de leite, raspas de chocolate do bom e cerejas verdadeiras mas com cremes suspeitos, mockolate e bolinhas de mamão coloridas. E assim assassinaram um clássico ~um minuto de silêncio~.

Com uma lata de cerejas em calda perambulando pelos meus armários, resolvi ressuscitar essa diva açucarada. Fez-se então um Floresta Negra em forma de rocambole, que achei mais prático e mais com cara de Natal, meio brega e meio chique, com um jeitão bûche de Noël.

Rocambole Floresta Negra (rende 8 a 10 porções)

Para o pão de ló

  • 8 ovos, claras e gemas separadas
  • 6 colheres de sopa de açúcar
  • 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 1/2 xícara de chocolate em pó
  • 1/2 colher de chá de fermento

Para o recheio

  • 250ml de creme de leite fresco bem gelado
  • 3 colheres de sopa de açúcar de confeiteiro
  • 1 xícara de cerejas em calda picadas (reserve a calda para molhar o pão de ló)

Para a cobertura

  • 180g de chocolate meio amargo picado
  • 2/3 xícara de creme de leite fresco
  • raspas de chocolate
  • cerejas inteiras

Primeiro, faça o pão de ló:

Preaqueça o forno a 180 graus, com a grade no centro do forno. Unte com manteiga uma assadeira de 30X40cm, forre com papel manteiga, unte novamente e polvilhe com farinha de trigo.

Peneire a farinha, o chocolate e o fermento. Reserve.

Na batedeira, bata as claras em neve. Sem parar de bater, junte as gemas, uma a uma, e depois o açúcar uma colher por vez. Você vai obter uma mistura bem fofa. Junte a mistura de farinha aos poucos e misturando devagar, envolvendo com uma espátula, cuidando para não desinflar a massa. Quando estiver homogêneo, passe a massa para a assadeira preparada e asse por mais ou menos 20 minutos, ou até passar no teste do palito. Deixe esfriar por 10 minutos e desenforme sobre um pano limpo polvilhado com bastante açúcar.

Enrole a massa ainda quente junto com o pano e reserve enrolado até esfriar completamente.

Enquanto isso, faça o recheio:

Bata o creme de leite até formar picos moles. Junte o açúcar e bata um pouco mais até dar ponto de chantilly.

Misture as cerejas picadas e reserve em geladeira até a massa esfriar.

Para a montagem:

Desenrole o pão de ló e mole levemente com a calda das cerejas. Espalhe o recheio e enrole pela parte mais larga. Corte as pontas e passe para o prato de servir.

Faça a cobertura:

Coloque o chocolate picado numa tigela resistente ao calor. Aqueça numa panelinha o creme de leite, até quase começar a ferver. Despeje sobre o chocolate picado e mexa com uma espátula até ficar uma calda homogênea. Despeje sobre o rocambole e decore com as raspas de chocolate e cerejas, ou a gosto.

Mantenha em geladeira até a hora de servir.

1 2 4
%d blogueiros gostam disto: