receitas de antigamente

Bolo de Chocolate e o meu outro blog

bolo mulato gran fino

Oi pessoal!  Hoje o post é de receita, mas a receita está lá no meu outro blog. Já tinha contado pra vocês sobre ele no feicy e no instagram, mas aqui dá pra convidar direito e explicar melhor qualé a dele.

Além da quantidade infinita de receitas novas dos livros aqui de casa, dos sites que eu salvo, das revistas guardadas também tenho uma coleçãozinha de livros de receitas antigos.

Tenho muitos que foram da minha mãe e da minha avó, alguns foram presentes de amigas e familiares e outros fui comprando por aí. E conversando com minhas amigas doceiras do coração mais queridas do Brasil acabamos descobrindo mais essa coisa em comum, que é a curiosidade pelas receitas de antigamente.

Resolvemos então tirar do papel esses pratos do tempo em que era ok criança viajar solta no chiqueirinho e publicar os resultados num blog, o Prendada é a Vó.

Convido vocês então para embarcar no Pluct Plact Zum nessa viagem maluca e aprontar as maiores confusões lá com a gente.

A receita de hoje é esse bolo de chocolate com nome de gosto duvidoso mas com sabor de quero mais: o Bolo Mulato “Grãfino” – segura na minha mão e vem cagente!

 

Amendoim Confeitado

amendoim confeitado

Amendoim doce, amendoim praliné, amendoim do tiozinho do farol (ou sinal pra quem não é de São Paulo). Uma receita simples mas que eu nunca tinha conseguido fazer dar certo: ou a casquinha esfarelava demais ou os amendoins ficavam meio carecas, com pouca cobertura.

Às vezes na vida só o que a gente precisa é a voz da experiência. Comentando com a tia de uma amiga dessa minha deficiência em fazer minducas do farol ela me deu todas as dicas de seus anos de prática e, pela primeira vez, os danados ficaram incríveis.

Vou passar pra vocês a receita com os macetes da tia, tá? Satisfação garantida!

Amendoim Confeitado

  • 2 xícaras de amendoim cru (tem que ser cru e com a pelinha roxa, senão o açúcar não gruda)
  • 2 xícaras de açúcar
  • 1 pitada gordinha de sal
  • 1 xícara de água
  • 2 colheres de sopa de chocolate em pó
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • canela em pau (opcional, dica da minha amiga Renata Damasio <3)

Junte todos os ingredientes em uma panela de fundo grosso – leve ao fogo alto mexendo sempre. É melhor se for uma panela alta, porque o fermento faz a mistura espumar e subir. Não tire o olho da panela, porque pode transbordar e a sujeira é de chorar (adivinha se eu não fiz isso?). Quando ferver abaixe o fogo para médio-baixo.

Aos poucos a mistura vai engrossando e ficando com menos espuma, continue mexendo até desgrudar do fundo da panela (no total dá uns 25 minutos de cozimento mais ou menos). Tire a panela do fogo e bata com a colher de pau até começar a açucarar. Pare de mexer e deixe esfriar por uns 10 minutos.

No começo a mistura espuma e sobe, depois vai engrossando até desgrudar da panela. Bata com a colher de pau até ficar como a segunda foto.

Com um garfo grande de duas pontas solte os amendoins e coloque para esfriar numa assadeira. Guarde em lata ou vasilha com tampa.

amendoim doce

Receitas com nomes fofos parte 2 – Toucinho do Céu

toucinho do ceu

Ah, os ovos, esses incompreendidos pela sociedade. Durante anos foram vilões da alimentação, de castigo ajoelhados no milho junto com a cafeína e a manteiga.

Mas como tudo muda nessa ciranda da vida e da nutrição, agora ~estudos indicam~ que o ovo e seus amigos café e manteiga estão liberados e quem deve ir mofar no cantinho da disciplina é o glúten.

Para comemorar essa redenção porque não enfiar o pé na jaca e fazer logo uma ode ao ovo, uma linda homenagem em forma de doce português?

Reza a lenda que esse nome lindo, Toucinho do Céu, deve-se à receita original levar banha de porco. Como todos os meus doces portugueses preferidos este é um doce conventual, criados pelas freiras internas nos conventos de Portugal. Pesquisei um pouco e existem inúmeras receitas, variando bastante os ingredientes e sua proporção – nos blogs das colegas portuguesas de Lisboa a versão mais comum vai um pouco de doce de abóbora na massa, talvez para dar mais cor, mas eu quis fazer ele amarelinho claro e com uma vaga lembrança de quindim.

Para esta receita utilizei gemas pasteurizadas – elas estão bem mais fáceis de encontrar (já vi para vender em dois supermercados e várias lojas de confeitaria aqui em São Paulo). Infelizmente as embalagens disponíveis no varejo são de 1 litro, e depois de abertas tem que ser usadas em até 24 horas, então vale a pena comprar só se tiver planos para muito doce com gemas.

Caso utilize os ovos comuns, as claras congelam muito bem em potinhos menores. Eu congelo de duas em duas e uso para suspiros, coberturas de marshmallow, suflês salgados, mousses e buttercream, é só deixar em temperatura ambiente por algumas horas.

Toucinhos do Céu

rendimento: 24 unidades

  • 500g de açúcar refinado
  • 200ml água
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • 180g de amêndoas moídas ou farinha de amêndoas
  • 4 ovos
  • 12 gemas
  • gotas de extrato ou licor de amêndoas (opcional)

Numa panela média de fundo grosso, misture o açúcar e a água até dissolver um pouco. Leve ao fogo alto, sem mexer, até ferver e o açúcar dissolver, formando uma calda em ponto de fio. Coloque a colher de manteiga sobre a calda e deixe amornar.

Unte com manteiga e polvilhe com açúcar 24 forminhas de empada, quindim ou cupcake. Coloque as forminhas em uma forma grande e reserve. Preaqueça o forno a 170 graus (forno baixo).

Numa tigela misture as amêndoas, os ovos e as gemas. Passe essa mistura para a panela com a calda e misture bem, fora do fogo. Quando estiver bem homogêneo volte a panela ao fogo baixo, mexendo sempre, até engrossar e virar um creme leve. Desligue o fogo e misture o extrato de amêndoas ou licor.

Divida esse creme entre as forminhas e leve ao forno por mais ou menos 30 minutos, até passar no teste do palito.

Desenforme morno, quase frio, e polvilhe açúcar de confeiteiro ou açúcar gelado antes de servir.

Os toucinhos tem validade de 5 dias na geladeira, em pote com tampa.

toucinho do céu

 

Receitas com nomes fofos parte I – Amor em pedaços

amor em pedaços

Nas minhas pesquisas de receitas de antigamente sempre me deparo com doces curiosos. Tem  barriga de freira, pé de moça, manezinho araújo, pé de anjo, tabefe. E tem as românticas: beijo de mulata, bem-casados, casadinhos, nuvens, sonhos, e a lista é longa.

Algumas a gente ainda consegue encontrar a história do nome, outras só deus sabe, e o doce de hoje é uma dessas que a lenda se perdeu. Imagino que se chame amor em pedaços porque essas barrinhas são tão deliciosas quanto um pedacinho de amor (perdão pela cafonice). Pode ser também porque descascar e ralar um abacaxi pra fazer um doce pra alguém é uma verdadeira prova de amor, já que a receita é do tempo que os hortifrutis não vendiam as frutas sem casca pro pessoal mais preguiçoso.

Só sei que ficou uma delícia, impossivel comer um só.

Amor em Pedaços

adaptado daqui e daqui

rendimento: 15 pedaços grandes

Recheio

  • 1 abacaxi médio descascado, sem o miolo e cortado em cubinhos pequenos (pode passar levemente no processador se preferir, mas sem deixar virar suco)
  • 1 xícara de açúcar (refinado ou cristal)
  • 3 gemas
  • 1 xícara de coco ralado fresco

Massa

  • 1 xícara de açúcar refinado
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • 3 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de café de sal
  • 200g de manteiga sem sal, temperatura ambiente, cortada em pedacinhos.
  • 1 ovo levemente batido

Prepare o recheio com antecedência, já que ele deve ser utilizado frio: numa panela grande coloque todos os ingredientes. Leve ao fogo médio mexendo sempre até secar bem o liquido e virar um doce com consistência de geléia – essa parte demora um pouco, tipo uns 20 a 30 minutos.

Deixe esfriar ou guarde em geladeira ou freezer para utilizar num outro dia.

Prepare a massa: preaqueça o forno a 190 graus. Forre uma assadeira retangular de mais ou menos 20X30cm com papel manteiga.

Numa tigela grande, misture o açúcar, fermento, farinha de trigo e sal. Junte a manteiga picadinha e esfarele com as pontas dos dedos até a farinha ficar amarelada e úmida, lembrando uma farofa. Junte o ovo e continue esfarelando a massa – não trabalhe em excesso, o objetivo é continuar com uma massinha esfarelada e quebradiça.

Distribua metade dessa farofa na assadeira e aperte levemente para forrar o fundo. Espalhe o recheio de abacaxi com a ajuda de uma espátula até quase chegar nas bordinhas. Cubra com o restante da farofinha, desta vez sem apertar.

Leve ao forno por aproximadamente 45 minutos, ou até dourar por cima. Deixe esfriar e corte em pedaços.

Pode ser guardado em recipiente vedado na geladeira por até 1 semana.

barrinhas abacaxi

Doce de abóbora de coração

IMG_1174

Um negócio que eu sempre quis saber como era feito era o doce de abóbora de coração.

Lembro bem da minha mãe falando quando a gente era criança que não dava pra fazer em casa, tinha que deixar descansar no sol um dia inteiro pra formar a casquinha. Muito me impressionou essa história do sol: ficava imaginando a fábrica de doce de abóbora com um quintalzão enorme cheio da assadeiras no chão com os corações secando por horas a fio. E se chovesse? Será que vinha um monte de funcionários com guarda-chuvas ou tinha que jogar tudo fora?

No fim das contas desisti de fazer os corações em casa, principamente porque a gente morava em apartamento e mamãe  me convenceu de que seria meio inconveniente ficar tomando conta dos doces na piscina do prédio.

Mas eu cresci e agora sou mulher (bj Sandy Júnior) e né, não é possível, tem que ter um jeito de fazer esse docinho sem depender das condições meteorológicas. Depois de exaustivas pesquisas o pessoal dos laboratórios The Cookie Shop chegou às seguintes conclusões:

1. Sim, existem receitas que pedem que o doce seque ao sol e minha mãe não estava tentando me enganar;

2. Porém o sol não serve pra nada porque o açúcar do doce cristaliza de qualquer jeito.

O processo foi bem fácil e pra mim deu super certo – se vocês fizerem me contem se gostaram!

IMG_5380

Doce de abóbora de coração


rendimento varia conforme o tamanho dos corações, cerca de 20 unidades

Algumas observações antes da receita: usei o mesmo peso da abóbora em açúcar, por exemplo, para 1 kg de abóbora, 1 kg de açúcar. Pode diminuir ou aumentar conforme a necessidade. A melhor abóbora para doces é a abóbora de pescoço ou abóbora seca. Pode usar também a abóbora paulista se não encontrar a outra.

O corte do doce em corações gera algum desperdício, já que sobram rebarbas. Dá também para esperar esfriar um pouquinho e modelar quenelles com duas colheres, ou ainda cortar em quadrados.

  • 700g de abóbora seca, descascada e cortada em cubos
  • 1 pauzinho de canela
  • 6 cravos
  • 1/2 xícara de água
  • 1 colher de chá de vinagre
  • 700g de açúcar cristal

Numa panela média coloque a abóbora, a canela, os cravos, o vinagre e a água. Tampe e deixe cozinhar em fogo médio até a abóbora ficar desmanchando. Se a água secar pode pingar um pouquinho mais.

Retire a canela e os cravos. Nesse momento, se a preferência for por um doce mais cremoso, passe a abóbora numa peneira ou bata com o mixer na panela mesmo. Se gostar do doce com mais textura (eu prefiro assim) amasse a abóbora com um garfo para desmanchar.

Junte o açúcar, misture e deixe cozinhar em fogo médio-alto com a panela destampada até restar pouco liquido.

Aproveite para untar a bancada ou uma assadeira com manteiga.

Comece a mexer o doce com uma colher de pau ou espátula de silicone como se fosse brigadeiro, até o liquido secar e desprender do fundo da panela. Nesse momento é importante não deixar cozinhar demais, senão o doce açucara totalmente quando esfria e vira uma rapadurinha de abóbora.

Passe o doce da panela para a bancada ou assadeira untada. Deixe amornar e firmar e corte os corações. Deixe descansar por algumas horas (deixei umas 3 horas) e vire para secar o outro lado.

Guarde em recipiente vedado. Validade de 5 dias.

IMG_5391

 

 

Pudim de Nozes da Cintia

pudim de nozes

A história de hoje é a seguinte: perto do natal apareceu um post no facebook de uma amiga pedindo a receita de um tal pudim de nozes pra uma amiga dela. Cometi a indiscrição de dar uma fuçada nos comentários pra ver que receita era essa por motivos de: PUDIM + NOZES. A amiga falou que ia procurar e fui fazer outra coisa, acabei esquecendo da história.

Só que o facebook é aquela coisa do algoritmo sem noção – clicou uma vez num negócio pode ter certeza que esse assunto dominará sua timeline por várias gerações. Exemplo: uma vez eu pesquisei preços de sofá, comprei um sofá, já até manchou o sofá, já acabei de pagar as 12 prestações do sofá, e até hoje o facebook não superou e me recomenda páginas sobre sofás.

Pelo menos o Markinho Zuquerbergue teve alguma noção de que aqui o negócio é comida e dessa vez minha TL obcecou com pudins e toda hora aparecia uma referência sobre esse pudim de nozes. A Alessandra (a amiga que pediu a receita) fez e postou a foto, daí outra amiga dela aguou e fez também, só sei que esse pudim apareceu umas 80 mil vezes na minha frente e eu, óbvio, não pude mais ignorar esse sinal do além.

Fui investigar e descobri que a dona do pudim é a Cintia Marcucci – na verdade a receita foi passada há mais de 20 anos por uma conhecida da mãe dela (você pode ler a história completa aqui no blog dela) e ,vejam bem, qualquer receita com mais de vinte anos sendo passada de mão em mão pra mim tem selo de garantia de sucesso.

E olha, podem fazer viu. Aproveitem aí o próximo almoço de família, pizza em casa com os amigos, jantar de aniversário e façam o pudim de nozes mais famoso do feicy – ele é do tipo sem furinhos, mais pro doce e o sabor bem suave, já que o creme de chocolate separa das nozes moídas e fica tipos duas texturas distintas em uma só fatia. E como disse a Cintia, o que é gostoso a gente precisa dividir, então segura aí a receita – e o meu desejo de um lindo ano novo pra vocês❤❤❤

Pudim de Nozes da Cintia

  • 2 latas de leite condensado
  • 200ml de leite
  • 2 ovos
  • 1 xícara (120g) de nozes picadas
  • 1 colher de sopa de chocolate em pó
  • 1/4 de xícara de açúcar para caramelizar a forma

Preaqueça o forno a 200 graus com a grade na parte mais baixa. Prepare uma assadeira grande com água quente para o banho-maria. Caramelize uma forma de pudim pequena (entre 16 e 20cm de diâmetro) e reserve.

Triture as nozes no liquidificador e junte os demais ingredientes. Bata até ficar uniforme, passe para a forma caramelizada e cubra com papel alumínio. Asse até um palito sair seco – no meu forno ficou mais de uma hora. Cuidado para não secar a água do banho maria, fique de olho e vá completando se baixar.

Deixe esfriar um pouco e leve à geladeira por pelo menos 6 horas para desenformar. Decore com nozes e sirva geladinho.

fatia pudim de nozes

Receitas de Família – bolo preguiçoso de laranja

 

Aqui em casa tenho uma boa quantidade de livros de receita – não tantos quanto alguns amigos blogueiros (alô Pat, alô VH!), mas com certeza mais que pessoas normais que não trabalham com cozinha.

Às vezes eu olho pra estante e penso que talvez se fizesse uma receita por dia pro resto da minha vida talvez eu conseguisse experimentar tudo que tem ali. Pra compensar o dinheiro que gastei com eles, né? Quem sabe um dia não me inspiro e mando um Julie e Julia nos livro tudo.

O problema é a preguiça.

Quando a preguiça domina nada mais me resta senão voltar para as origens e abraçar forte o conforto das receitinhas do caderno da mamãe. Quase tudo ali é fácil e rápido, sob medida para a mãe de 3 que trabalhava fora, e uma ou outra receita mais elaborada/chic/anos 80 (e pavês, muitos pavês).

Esse bolo de laranja estava meio escondido num canto de página. Sob o nome Bolo de Laranja Jô só uma lista de ingredientes e um modo de fazer meio mal explicado (dizia apenas bater tudo no liquidificador e assar), mas eu me lembrava dele muito bem, assado em tabuleiro retangular e cortado em losangos. A Jô eu não me lembro quem era, mas agradeço pela receita.

Me lembro que a laranja era batida no liquidificador com casca e tudo, e o bolo às vezes ficava com um leve amargor. Como não curto muito o sabor amargo em doces dei uma adaptada na receita – ele ficou bem fofinho, com um sabor suave de laranja, aquele bolo que abraça a gente pelo estômago.

Bolo Preguiçoso de Laranja

  • 3 ovos extra
  • 1 xícara de óleo de milho ou girassol
  • raspas da casca de uma laranja
  • 2 laranjas sem casca e sem sementes, cortada em pedaços
  • 300g (1 e 1/2 xícara) de açúcar refinado
  • 325g (2 e 1/2 xícara) de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Calda:

  • 200g (1 xícara)  de açúcar de confeiteiro
  • 2 colheres de sopa de suco de laranja
  • raspas de laranja (opcional)

Unte e polvilhe com farinha de trigo uma forma de buraco no meio (25cm de diâmetro) ou retangular de 20X30cm. Aqueça o forno a 180 graus.

Numa tigela grande misture a farinha de trigo e o fermento. Reserve.

Bata no liquidificador os ovos, óleo, raspas, laranjas e o açúcar até virar um creme liso. Passe essa mistura para a tigela com a farinha de trigo e misture muito bem com um fouet ou espátula, até ficar homogêneo. Passe para a forma preparada e asse por mais ou menos 40 minutos, ou até passar no teste do palito (na forma de furo no meio demora mais).

Desenforme morno.

Prepare a calda misturando todos os ingredientes numa tigela média e coloque sobre o bolo ainda morno. Se ficar muito grossa coloque mais suco, se ficar muito liquida coloque mais açúcar.

Sirva frio (minha vó falava que bolo quente dá dor de barriga).

bolo preguiçoso de laranja

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.589 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: