bolos

Bolo Indiano (ou Bolo da Índia)

bolo indiano

Já faz alguns anos que estava com essa receita anotada pra fazer aqui pro blog e nunca rolou. Talvez pela pouca frequência com que a gente compre farinha de rosca, ou por sempre escolhermos bolos mais simples de frutas para o lanche, esse projeto do bolo indiano acabou na gaveta. Até que um dia comecei a acompanhar a reprise da novela Caminho das Índias.

final_da_novela_caminho_das_indias1

Bateu uma curiosidade sobre os doces da Índia e, para minha decepção, não consegui achar nenhuma referência da origem desse bolo – o que me leva a chutar que na verdade ele de indiano tem só o nome, e talvez a canela em pó.

O caso é que ele é um sucesso nas padarias, e talvez tenha sido criado para aproveitar o pão que não é vendido e transformado em farinha de rosca. A receita que usei veio do site da Dona Deôla, padaria aqui de São Paulo – alterei algumas coisas por minha conta e risco, e ficou bem parecido com o bolo que comi por lá. Pra quem aprecia canela e é fã de leite condensado pode se jogar sem dó.

Bolo Indiano

Rendimento: 1 bolo redondo de 22cm de diâmetro

Para a massa:

  • 6 ovos (claras e gemas separados)
  • 100g de manteiga sem sal em temperatura ambiente
  • 1 xícara de açúcar refinado
  • 1 e 1/2 xícara de farinha de rosca
  • 1 colher de chá de canela em pó
  • 2 colheres de chá de fermento em pó químico

Para o recheio e cobertura:

  • 1 lata de leite condensado
  • 2 gemas
  • 1/2 lata de leite integral (usar a lata de leite condensado como medida)
  • canela em pó para polvilhar

Para a calda:

  • 1/2 xícara de açúcar
  • 1 xícara de água
  • 1 pedaço de canela em pau

Preaqueça o forno a 180 graus. Unte com manteiga e polvilhe farinha de trigo em uma forma redonda de 22cm de diâmetro e 8cm de altura.

Bata as claras em neve e reserve. Na batedeira, bata a manteiga com o açúcar e as gemas até virar um creme claro e fofo. Junte a farinha de rosca, canela em pó e fermento e bata sóa até misturar.

Incorpore as claras em neve – primeiro junte uma colher bem generosa de claras à mistura de manteiga e misture vigorosamente. Junte o restante das claras e misture em movimentos de fora para dentro cuidando para não desinflar a mistura. Misture somente até as claras sumirem e transfira para a forma preparada.

Asse até dourar e passar no teste do palito, aproximadamente 35 a 40 minutos – não abra o forno antes de 30 minutos para não solar o bolo. Desenforme morno.

Enquanto isso, faça o recheio: misture todos os ingredientes (menos a canela) numa panela pequena de fundo grosso. Leve ao fogo baixo, mexendo sem parar, até virar um creme grosso, parecido com brigadeiro mole ou creme de confeiteiro. Passe para uma vasilha e cubra com plastico filme aderido à superfície do creme. Utilize frio.

Para a calda, junte a àgua, açúcar e pau de canela numa panelinha e leve ao fogo somente até dissolver o açúcar. Leve à geladeira e retire a canela somente na hora de usar.

Montagem:

Corte  o bolo ao meio com a ajuda de uma grande faca de serra ou com uma linha. Coloque uma das metades do bolo no prato de servir e umedeça ligeiramente com a calda (pode usar uma colher de sopa ou um pincel de cozinha). Espalhe metade do creme de leite condensado e cubra com a outra metade do bolo, umedecendo novamente.

Espalhe o restante do creme por cima do bolo e polvilhe canela em pó. No bolo da foto eu utilizei um bico pitanga pequeno para confeitar com o creme.

bolo da india

 

 

 

Bolo Zebra

zebra cake

Mais uma receita boa de fazer com criança, esse bolo salvou uma tarde chuvosa num fim de semana desses bem sem programação.

Ele tem bastante etapas mas não é trabalhoso, então dá pra distrair os pimpolhos por um tempinho razoável.

A surpresa final vem mesmo na hora de cortar, quando se revelam as camadas com as cores e sabores que não se misturam.

Usei uma receita de bolo que já tinha aqui mas que eu sabia que produzia uma massa bem líquida. Vocês podem usar qualquer receita de bolo que seja assim também – normalmente as que são à base de óleo dão mais certo que os bolos amanteigados, já que uma massa mais cremosa não se espalharia naturalmente formando as divisões das cores.

Se quiserem deixar o bolo mais festivo ele pode ser cortado e recheado, ou só coberto com um brigadeiro mole ou calda de chocolate.

Bolo Zebra

rendimento: 1 bolo redondo de 25cm de diâmetro

  • 3 xícaras de farinha de trigo
  • 1 e 1/2 colher de sopa de fermento em pó
  • 1 pitada de sal
  • 5 ovos
  • 2 xícaras de açúcar refinado
  • 1 e 1/2 xícara de leite
  • 1 colher de chá de extrato ou essência de baunilha
  • 1 xícara de óleo de canola, girassol ou milho
  • 2 colheres de sopa de cacau em pó, ou 1/4 xícara de chocolate em pó

Preaqueça o forno a 180 graus. Unte e polvilhe farinha de trigo numa forma redonda de 25cm de diâmetro. Numa tigela grande, peneire juntos a farinha de trigo, o sal e o fermento. Reserve.

Na tigela da batedeira misture os ovos, o açucar, o óleo, o leite e a baunilha. Bata para misturar e junte a mistura de farinha de trigo aos poucos, batendo somente até incorporar.

Passe metade da massa para outra tigela. Peneire o cacau ou chocolate em pó sobre a massa que ficou na tigela da batedeira e bata para misturar. Deste modo, ficaremos com uma massa de chocolate e uma de baunilha, e agora vem a diversão.

Para dar menos xabu eu usei duas conchas de sopa, uma para cada massa. Coloque uma primeira camada de massa na forma, começando pela branca – essa base tem que ficar com um dedinho de altura para não sumir depois. Deixe espalhar bem e bem no centro da massa branca coloque um pouco da massa de chocolate, nessa etapa podem ser umas duas conchas, depois pode passar para uma concha só e depois meia concha quando estiver no finalzinho. Prossiga com esse processo, a massa que vai por cima nunca pode “apagar” a massa que está embaixo, tipo esse video aqui:


A aparência deve ser de um “alvo” de dardos, com círculos de massa uns ao redor dos outros.

Leve para assar na grade do meio do forno por mais ou menos 35 minutos, ou até passar no teste do palito.

Deixe amornar, desenforme num prato e polvilhe açúcar de confeiteiro antes de servir.

 

IMG_4740

 

Bolo de limão mais fácil do mundo – sem batedeira

bolo limão quadrada

Esse bolo foi uma das primeiras receitas que postei aqui no blog. Resolvi repostar porque ele ficou tão perdido no passado que até eu tinha esquecido dele – o que é um pecado, porque é uma receita extremamente fácil e muito, muito saborosa. No post de seis anos atrás falei sobre a versatilidade dessa massa, e tem lá muitas variações possíveis pra quem quiser outros sabores.

*E ATENÇÃO* —-> Essa é pra você que só vem aqui pra olhar as fotos e mandar a receita pra sua mãe fazer: que tal dessa vez você colocar a mão na massa e fazer alguma coisa pra ela pra variar hein? *ESTAMOS DE OLHO 6_6 *

É um ótimo bolinho pra quem nunca fez nada na cozinha, já que não precisa nem de batedeira. Bom também pra fazer com as crianças.

E pras alunas do curso de biscoitos decorados do último sábado que provaram o bolo e pediram a receita, tá aí pra vocês queridas <3.

Bolo de Limão e Iogurte

adaptado do livro “Baking, from my home to yours” de Dorie Greenspan

  • 1 e 1/2 xícara  (195g) de farinha de trigo
  • 2 colheres de chá de fermento químico
  • pitada de sal
  • 1 xícara (200g) de açúcar
  • raspas da casca de 1 limão (pode ser tahiti ou siciliano)
  • 1pote de iogurte natural – 170g (com o desnatado o bolo fica mais molhadinho)
  • 3 ovos grandes
  • 1/2 xícara de óleo de canola ou girassol, ou pode medir também no potinho do iogurte, um pote não muito cheio.

Para a calda

  • 1  xícara de açúcar de confeiteiro
  • 2 colheres de sopa de suco de limão

Preaqueça o forno a 180 graus. Unte uma forma de bolo inglês (20 X 10cm).

Peneire a farinha, o fermento e o sal numa vasilha menor e reserve.

Numa vasilha média, coloque o açúcar e raspe o limão sobre ele. Com as pontas dos dedos, esfregue as raspas no açúcar até ficar úmido, meio esverdeado e perfumado.

IMG_4961

Junte o iogurte e os ovos inteiros  e misture bem até  ficar bem uniforme. Junte a mistura de farinha e mexa, sem bater, até estar misturado. Mas não mexa demais, senão o bolo fica duro (não tem problema se ficarem umas pelotinhas na massa). Junte então o óleo e incorpore delicadamente com uma espátula grante. Coloque a massa na forma preparada, alise e asse por 50 minutos aproximadamente. Quando pronto, o bolo fica dourado e um palito deve sair seco quando espetado no centro da massa. Deixe esfriar sobre uma grade até amornar e desenforme.

Para a calda de limão:

Misture o açúcar de confeiteiro com o suco de limão até ficar um mingauzinho. Aplique no bolo, deixando escorrer um pouco pelas laterais. A calda seca em uns 15 minutos e forma uma casquinha de açúcar.

bolo de limão

Bolo invertido de peras

bolo invertido de peras

O ruim de ter família pequena constituida somente por mim e uma criança de 7 anos é o seguinte: você vê uma receita linda de um bolo de peras com açúcar mascavo. Aí resolve fazer, mas sabe, lá no fundo do seu peito, que talvez você tenha que comer o bolo inteiro sozinha.

É triste amigos. Você passa horas na cozinha adicionando uma pitada de amor e um pedacinho de carinho aos mais deliciosos manjares e na sala de jantar está o crítico gastronômico mais cruel de todos, a criança, acabando com seus sonhos logo quando você acha que vai arrasar com aquele jantarzinho gostoso.

Fiz o bolo. Meio trabalhosinho. Descasca as peras, corta as peras, faz caramelo, bate massa, faz aquela prece antes de desenformar pra não quebrar. Nasceu o bolo, lindo, igual o da foto da revista.

Desta vez não, Gordonzinha/ Paolinha Carosella/ Eriquinha Jacquin do meu coração –  muito trampo pra ver você torcer seu narizinho fofinho pro meu bolo. Embalei o lindo e levei direto pras minhas alunas do curso de biscoitos decorados. Malz aê.

Bolo Invertido de Peras

receita da revista Fine Cooking com algumas mudadinhas de leve

Para a cobertura de peras
  • 2 peras grandes – usei da variedade Bosc, maiores e mais firmes, mas pode usar qualquer uma
  • 1 xícara de açúcar
  • 1/4 de xícara de água
  • 60g de manteiga sem sal, cortada em 4 pedaços
Para a massa
  • 1 1/2 xícara de farinha de trigo
  • 2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de gengibre em pó (opcional)
  • 1/2 colher de chá de canela em pó
  • 1 pitada de sal
  • 1/2 xícara de leite
  • 1 colher de chá de baunilha
  • 120g manteiga sem sal em temperatura ambiente
  • 1/2 xícara de açúcar refinado
  • 1/2 xícara de açúcar mascavo
  • 2 ovos

Faça a cobertura de peras:

Unte com manteiga uma forma redonda de 25cm de diâmetro. Corte um disco de papel manteiga do tamanho do fundo da forma e forre. Unte novamente.

Descasque, tire o miolo e corte as peras no sentigo longitudinal em fatias bem finas. Arrume as fatias no fundo sobre o papel manteiga untado, ligeiramente sobrepostas, como se fosse um leque e reserve.

Numa panela média coloque o açúcar e a água, misture bem. Leve ao fogo, sem mexer até o açúcar derreter e ficar com cor de caramelo. Se precisar uniformizar gire levemente a panela. Tire do fogo e junte a manteiga, um pedaço de cada vez, e misture bem com um fuet. Despeje o caramelo quente sobre as peras imediatamente e deixe esfriar enquanto prepara a massa.

Faça a massa:

Preaqueça o forno a 180 graus. Numa tigela peneire a farinha, fermento, especiarias e sal. Na batedeira, bata a manteiga com os açúcares até ficar cremoso. Junte os ovos, um a um, e bata até uniformizar. Junte a baunilha.

Adicione a mistura de farinha de trigo alternando com o leite, começando e terminando com a farinha, batendo em velocidade baixa somente até ficar homogêneo.

Distribua a massa sobre as peras alisando com uma espátula. Leve ao forno e asse por mais ou menos 40 minutos, ou até passar no teste do palito.

Deixe esfriar por 15 minutos e desenforme sobre um prato. Retire o papel manteiga e sirva frio.

 

bolo de peras

Hmmmm, rosquinhas … – donuts assados com açúcar e canela

 

Eu tenho um sonho na vida que é o seguinte: ganhar na Mega Sena e entrar numa daquelas lojas de material para confeitaria enormes dos Estados Unidos. Não adianta comprar pela internet, eu queria ir lá, na loja física, pegar um carrinho e brincar de programa Supermarket.

Infelizmente esse dia ainda não chegou, então a gente vai comprando uma coisinha aqui, outra ali, tipo colecionando figurinhas da copa. Só que são formas e utensílios. E não dá pra colar num álbum, você tem que ocupar todos os espaços disponíveis da sua casa pra essa coleção. E não vou entrar num debate inútil sobre a utilidade e frequencia de uso desses objetos. Me deixem.

Na minha última viagem acabou vindo parar na minha mala uma linda forma para donuts assados – eu bem que tentei não comprar, mas quando você começa a refletir se realmente precisa daquilo acaba chegando à conclusão de que não precisa de coisa nenhuma e pronto, acaba a graça da vida. E ir aos Estados Unidos é um eterno olhar para todas as coisas e pensar COMO EU PUDE VIVER SEM ISSO ATÉ HOJE. Faz parte da imersão na cultura local. Me deixem again.

O caso é que a forma tava aí, quase um ano depois do retorno, ainda virjona. Sempre reluto um pouco de colocar aqui no blog receitas que precisam de utensílios difíceis de encontrar, mas né, eu precisava justificar essa compra, e vocês que são meus amigos vão ter que compreender e não me xingar nos comentários.

Tenho duas soluções para vocês no caso de alguém querer muito fazer essa receita e não ter a forma especial: a primeira é usar mini forminhas de pudim com buraco no meio. Já fiz isso para uma festa com tema Simpsons uma vez, com uns pães de mel em forma de rosquinhas. A outra é mandar o formato às favas e assar em forminhas de mini cupcake, o que eu fiz aproveitando uma parte da massa desses aqui. Fica tipo um bolinho de chuva, o que também não é má idéia.

Donuts assados com açúcar e canela – 12 unidades (adaptado daqui)

  • 1/4 de xícara (57g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente
  • 1/4 de xícara de óleo vegetal (canola ou girassol)
  • 1/2 xícara (100g) de açúcar refinado
  • 1/3 xícara (70g) de açúcar mascavo
  • 2 ovos grandes
  • 1 1/2 colheres de chá de fermento em pó
  • 1/4 colher de chá de bicarbonato
  • 1/2 colher de chá de noz moscada ralada na hora
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 1 colher de chá de extrato de baunilha
  • 2 2/3 xicaras (320g) de farinha d etrigo
  • 1 xícara (250ml) de leite

Unte com manteiga derretida duas formas especiais para donuts ou uma forma para mini cupcakes de 24 cavidades. Preaqueça o forno a 210 graus.

Numa tigela, misture a farinha, fermento, bicarbonato, noz moscada e sal. Reserve.

Na batedeira: bata a manteiga, o óleo e os dois tipos de açúcar. Junte os ovos e bata até ficar homogêneo. Acrescente a mistura de farinha alternando com o leite e misture até ficar uma massa lisa.

Com a ajuda de uma colher ou de um saco de confeitar, encha as cavidades das formas até completar 3/4 da capacidade. Leve ao forno por aproximadamente 10 minutos (no meu forno deu 10 minutos certinho), até passar no teste do palito.

Espere uns 5 minutos para desenformar e passe ainda mornos por uma mistura de açúcar e canela. Termine de esfriar sobre uma grade.

São melhores se consumidos nas primeiras horas depois de feitos (ficam com um crocantinho que parece fritura), mas duram até 3 dias guardaos em recipiente com tampa, fora da geladeira.

baked doughnuts

Receitas de Família – bolo preguiçoso de laranja

 

Aqui em casa tenho uma boa quantidade de livros de receita – não tantos quanto alguns amigos blogueiros (alô Pat, alô VH!), mas com certeza mais que pessoas normais que não trabalham com cozinha.

Às vezes eu olho pra estante e penso que talvez se fizesse uma receita por dia pro resto da minha vida talvez eu conseguisse experimentar tudo que tem ali. Pra compensar o dinheiro que gastei com eles, né? Quem sabe um dia não me inspiro e mando um Julie e Julia nos livro tudo.

O problema é a preguiça.

Quando a preguiça domina nada mais me resta senão voltar para as origens e abraçar forte o conforto das receitinhas do caderno da mamãe. Quase tudo ali é fácil e rápido, sob medida para a mãe de 3 que trabalhava fora, e uma ou outra receita mais elaborada/chic/anos 80 (e pavês, muitos pavês).

Esse bolo de laranja estava meio escondido num canto de página. Sob o nome Bolo de Laranja Jô só uma lista de ingredientes e um modo de fazer meio mal explicado (dizia apenas bater tudo no liquidificador e assar), mas eu me lembrava dele muito bem, assado em tabuleiro retangular e cortado em losangos. A Jô eu não me lembro quem era, mas agradeço pela receita.

Me lembro que a laranja era batida no liquidificador com casca e tudo, e o bolo às vezes ficava com um leve amargor. Como não curto muito o sabor amargo em doces dei uma adaptada na receita – ele ficou bem fofinho, com um sabor suave de laranja, aquele bolo que abraça a gente pelo estômago.

Bolo Preguiçoso de Laranja

  • 3 ovos extra
  • 1 xícara de óleo de milho ou girassol
  • raspas da casca de uma laranja
  • 2 laranjas sem casca e sem sementes, cortada em pedaços
  • 300g (1 e 1/2 xícara) de açúcar refinado
  • 325g (2 e 1/2 xícara) de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Calda:

  • 200g (1 xícara)  de açúcar de confeiteiro
  • 2 colheres de sopa de suco de laranja
  • raspas de laranja (opcional)

Unte e polvilhe com farinha de trigo uma forma de buraco no meio (25cm de diâmetro) ou retangular de 20X30cm. Aqueça o forno a 180 graus.

Numa tigela grande misture a farinha de trigo e o fermento. Reserve.

Bata no liquidificador os ovos, óleo, raspas, laranjas e o açúcar até virar um creme liso. Passe essa mistura para a tigela com a farinha de trigo e misture muito bem com um fouet ou espátula, até ficar homogêneo. Passe para a forma preparada e asse por mais ou menos 40 minutos, ou até passar no teste do palito (na forma de furo no meio demora mais).

Desenforme morno.

Prepare a calda misturando todos os ingredientes numa tigela média e coloque sobre o bolo ainda morno. Se ficar muito grossa coloque mais suco, se ficar muito liquida coloque mais açúcar.

Sirva frio (minha vó falava que bolo quente dá dor de barriga).

bolo preguiçoso de laranja

Sobre futebol, derrotas e um bolo de morango pra consolar

Bolo de Morango

Entento pouquíssimo de futebol. Faz anos que parei de assistir os jogos do meu time. Fui a um estádio ver jogos duas vezes na vida, um deles para ver a seleção brasileira ganhar numa eliminatória de Copa do Mundo.

Então, com o perdão de vocês que vem aqui pra ver as receitas, hoje eu vou dar meus dois centavos sobre o assunto.

Essa Copa do Mundo foi cheia de emoções contraditórias, desde o começo. Passou por uma alegria inicial pela escolha do Brasil para a sede, aí foi chegando mais perto e as pessoas foram se tocando da grandiosidade do evento. Em alguns bateu um medo de ser um fiasco, já que tantas coisas geridas pelo poder público são um fiasco. Daí todo mundo foi pra rua protestar, porque olhava pros estádios novos e pensava que com aquele dinheiro dava pra construir não sei quantos hospitais (ou ir não sei quantas vezes pra Orlando fazer compras). Daí os gringos começaram a chegar e todo mundo adora uma festa, ainda mais cheia de gringos – é como viajar sem sair do lugar – e todo mundo ficou alegre de novo. Daí começou a Copa e todos vestiram suas camisas amarelo canarinho com muito orgulho, com muito amor e pararam suas vidas, porque quiseram ou foram obrigados pelas circunstâncias.

Aí teve ontem.

Eu, que não ligo muito pra futebol, decidi assistir ao jogo (aquele-que-não-deve-ser-nomeado) sozinha em casa mesmo.

E começaram os gols do adversário, sem parar, concretizando o que deve ser o pior pesadelo de cada um daqueles meninos que estavam jogando. Enquanto eu sentia pena deles começaram a pipocar na minha timeline do facebook as primeiras piadas (é o jeitinho brasileiro de lidar com a dor, fazer piada em velório, e eu sou super a favor), mas também voltaram os textos de revolta, de que nesse país nada funciona mesmo, de que o povo é malandro e desonesto e não gosta de trabalhar, que a Alemanha sim é um exemplo de país, de que a culpa é da presidente, etc etc etc

Eu, de minha parte, me sinto pessoalmente ofendida e ligeiramente confusa quando começa essa espiral de complexo de vira-latice. Ué, vocês não são brasileiros também? Não são o povo? Então vocês são desonestos e não gostam de trabalhar? Ou estão falando que eu, que sou brasileira, sou vagabunda? E o que o cu tem a ver com as calças? Como um jogo de futebol pode ser responsável por definir (ou validar) mais de 200 milhões de pessoas? Até entendo isso fazer algum sentido em 1950 – tempos mais ingênuos mas também quando era ok ser preconceituoso, mas hoje em dia eu esperava um pouco mais de reflexão.

Enfim, hoje eu acordei assim, chateada porque o time de futebol do Brasil perdeu de lavada e porque tanta gente acha que essa derrota assina embaixo e carimba em três vias o documento de escrotidão que é ser brasileiro.

Se eu pudesse, levaria um bolinho de morango pros jogadores, tadinhos, que além de terem perdido por 7 a 1 ainda tem que carregar nos ombros os escombros das expectativas confusas de um monte de gente por aí.

Bolo de Morangos (do site da tia Martha Stewart)

  • 85g de manteiga sem sal, temperatura ambiente
  • 200g (1 e 1/2 xícara) de farinha de trigo
  • 1 1/2 de chá de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 200g (1 xícara) de açúcar), mais 2 colheres de sopa para polvilhar o bolo
  • 1 ovo grande
  • 1/2 xícara de leite
  • 1colher de chá de extrato ou essência de baunilha
  • 1 caixinha de morangos (400g), sem as folhinhas e cortados ao meio no sentido do comprimento

Unte e polvilhe com farinha de trigo uma forma refratária redonda de 25cm. Aqueça o forno a 180 graus. Peneira juntos a farinha, fermento e sal.

Bata na batedeira o açúcar e a manteiga até ficar clarinho. Junte o ovo e bata até ficar um creme fofo. Junte o leite e a baunilha e bata para combinar. Com a batedeira no mínimo, vá colocando a mistura de farinha aos poucos e bata somente até ficar homogêneo.

Transfira a mistura para a forma preparada, alise a massa e distribua as metades de morangos bem próximas umas das outras. Polvilhe com as duas colheres de açúcar e deixe assar por 10 minutos. Abaixe a temperatura para 170 graus e asse até dourar e passar no teste do palito – mais ou menos uma hora.

Sirva morno ou em temperatura ambiente.

fatia de bolo de morango

1 2 9
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.313 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: